E Agora? É Que Não Me Consigo Habituar…

O Ministério Público aponta para participação económica em negócio e abuso de poder, nos mandados de busca a que a TVI/CNN teve acesso, crimes cometidos no urbanismo da Câmara de Lisboa mas que também visam Joaquim Morão, histórico socialista que terá indicado as duas sociedades do amigo para colaborar com a fraude

O Carnaval Permanente

AParvalorem, entidade pública que herdou os ativos tóxicos e os trabalhadores do Banco Português de Negócios (BPN), pagou indemnizações entre 200 mil e 400 mil euros a dez antigos altos quadros do banco nacionalizado em 2008, avança o Correio da Manhã (acesso pago). Estas compensações financeiras, que resultam do programa de rescisões de contratos de trabalho por mútuo acordo, aplicado em 2021, são justificadas pela Parvalorem com a necessidade de reduzir despesas.

A Inclusão Burocrática

Agora para algo completamente diferente. Ou não. Em vez de termos resultado do prometido grupo de trabalho para rever a burocracia redundante do trabalho docente, temos em preparação mais grelhas. Esta tem sido apresentada e fornecida a director@s e mesmo presidentes de conselhos gerais, em reuniões pelo país. Esta chegou-me do Norte (não, não foi o Arlindo que ma forneceu) e dá-nos um “cheirinho” do que vem por aí em termos de monitorização.

Mas devemos estar felizes, porque é um documento europeu, produzido só a pensar em nós, como se pode ver pelo título. é uma metodologia baseada em standards, que é a forma de dizer padrões, para quem tem vocabulário mais cosmopolita. Em temos, claro, o “conjunto de stakeholders” que devem ser os tipos que agarram na estaca.

Quanto aos inputs, temos 11 indicadores para medir os 6 standards. E 21 questões para responder, apesar de dizerem que são 19. Desconformidades.

Reparem em todos os destinatários que são, literalmente, mais do que as mães.

Parece que o ministro Costa e o doutor Rodrigues acham que o 54 não está a ser martelado devidamente pelas escolas e como um já foge das escolas e outro só gosta de ir numa de one man show, há que encontrar “instrumentos” e “ferramentas” para forçar a coisa até ao tutano.

Claro Que Depois Será Necessário Contratar Consultores Externos Para Seleccionar Os Candidatos

Se numa resposta oficial, assinada por um@ director@/presidente de SADD nem se consegue identificar devidamente um órgão a que se preside, realmente é capaz de ser mesmo necessário um método mais rigoroso de selecção… do pessoal directivo. Nem vale muito a pena falar do “esquecimento”, porque esse é um alçapão que dá para uma realidade muito obscura que, houvesse alguma decência, deontologia e justiça na Educação, acabaria com muita gente a sair pela borda fora.

A quando de, penso eu de que.

A Proposta De Despacho Sobre As Habilitações Para A Docência

Lia alguém afirmar que só se pronunciava sobre a proposta do ME quando conhecesse a sua letra. Mas ela existe, vou deixá-la em anexo e é vergonhosa a vários níveis, alguns dos quais não falados, tamanhas as micro-preocupações. Parece que ninguém reparou no facto de no 2º ciclo, os grupos mais ligados às chamadas “disciplinas teóricas” (grupos 200 e 230), serem completamente terraplanados, sendo necessário apenas uma licenciatura generalista em Educação Básica, que serve desde o pré-escolar até ao 6º ano para quase tudo enquanto se alinham até uns requisitos mais ou menos detalhados para leccionar, por exemplo, os grupos 240, 250 e 260 (há clientelas politécnicas e não só a alimentar). Ou seja, na prática, o 2º ciclo quase desaparece como nível autónomo, porque qualquer coisa serve para leccionar as áreas disciplinares (História e Geografia, Português, Matemática e Ciências) que o ministro Costa e os pedabobos do patchouly consideram “tradicionais”, “anacrónicas” ou “enciclopédicas”.

Como algumas associações de professores destas disciplinas são dirigidas principalmente por gente muito “secundária” e pouco ligada aos “básicos”, não se espera grande resistência ou oposição. Em especial, entre quem precisa de mobilidades para ter tempo para fazer manuais e vender formações.

A coisa é assinada pelo actual secretário de estado, que já vai mostrando o mau serviço para que foi recrutado, embora a “produção” do documento tenha outra origem. Mas em devido tempo lá chegaremos.

(por outro lado, parece que posso voltar a leccionar o grupo 400 sem problemas, pois com uma licenciatura de 4 anos e um mestrado pré-bolonhês em História, devo ter umas centenas de créditos para colocar em cima da mesa… pensando bem, mais do que a maioria dos colegas de proximidade e muito mais do que quem tem sido chamado a tapar buracos)

Quero O Galamba A Verificar Todas As Facturas, Já!

Medida prende-se com a escalada de preços nos mercados internacionais e após um ano sem atualizações. Para dois terços dos 650 mil clientes residenciais, que representam os consumos mais baixos, a subida do preço do gás terá um impacto médio de 18 euros mensais, antes de taxas e impostos, ou seja, o aumento rondará os 22 euros.

Mais Uma Herança Do “Engenheiro”

A EDP ganhou a arbitragem que a opunha ao Governo, na qual exigia a devolução da contrapartida paga em 2008 ao Estado para ficar com a concessão da barragem de Fridão, que nunca chegou a avançar

Quem paga estas m€rd@s nunca é quem as faz. E o pior é que ainda lhe dão, regularmente, tempo para nos enfiar os dedos pelos olhos dentro. E quase aposto que se vai safar depois de todas as sacanices de que nos ainda andam a apresentar contas.