Canhoto?

Tal como há uns anos, quando me chamavam reaccionário e anti-comunista por criticar o governo do PS ou as tácticas da Fenprof, agora sou imediatamente crismado de esquerdista, bloquista, cripto-comunista quando manifesto a minha satisfação por ver a dupla Pedro e Paulo fora da governação e gozo com a erudição mal envernizada de muitos dos vultos do pafismo. Não é que me ofenda… há dias em que sou mesmo reaccionário e outros em que sou do mais liberal, no duplo sentido que nem todos atingem. Por exemplo, acho disparatado todo o debate em torno dos pseudo “exames da 4ª classe”, o que parece que me torna salazarista (também já me chamaram isso por ser contra a municipalização da gestão das escolas). Mas quando acho que deve existir uma gestão democrática e partilhada nessas mesmas escolas, parece que sou marxista, trotskista ou basista, tal como quando defendo que o ensino vocacional é uma fraude.

Cada vez acredito mais que a prática da liberdade incomoda muito quem só sabe cavar trincheiras e disparar em nome dela. Fazem-me lembrar os jihadistas de todos os credos que se julgam os únicos e matam (metafórica ou literalmente) em nome da SUA liberdade.

Sinistra

Compromisso

Há gente desmemoriada, distraída ou apenas mal (in)formada. Por vezes, de forma bem voluntária.

Fez há pouco seis anos, no lançamento das eleições de 2009, existiu um apelo colectivo para uma solução governativa PS/PCP/BE, sem acordos apenas a dois, no sentido de encontrar uma solução governativa estável. Muitos são os que agora batem no peito, mas nem todos subscreveram a ideia há seis anos. Altura em que fui acusado de muita coisa, porque dava jeito a uns tipos (como o vargas de campolide) que andavam por aí, daqueles democratas ou revolucionários do dia 26.

Porque há sempre os pára-quedistas, com prognósticos depois dos 3-0.

paraq