Pelo Educare

Para ver as coisas por mais de um lado.

O envelhecimento docente é mau?

Como processo natural, o “envelhecimento” da classe docente deveria fazer parte de um fenómeno de transmissão e troca de experiências, saberes e práticas entre gerações, permitindo um enriquecimento mútuo do trabalho com os alunos, conjugando elementos de tradição e renovação e permitindo uma diversificação harmoniosa de perspectivas e metodologias.

pg contradit

O Contributo Da Greve Dos Motoristas Para A Salvação Do Planeta

Detalhe nada irrelevante que tem passado ao lado de todo este debate. Porque ao limitar a utilização dos transportes, em especial os privados, está-se a reduzir a emissão de gases poluentes. Se fosse uma qualquer iniciativa, controlada à distância pelas jotas, em defesa do planeta A, sugerindo um ou dois dias sem recurso ao transporte automóvel até engalanariam o Terreiro do Paço. Mesmo quem anda, anda bem mais devagar para gastar menos. Basta ver como eu, longe de ser o pepe rápido nas auto-estradas, agora quase não saio da faixa da esquerda, mesmo indo bem abaixo do limite legal de velocidade. Uma coisa curiosa é que não tenho visto tantos ciclistas pelas estradas secundárias por onde passo.

Portanto, esta até pode ser vista como uma greve de interesse mundial.

PlanetaA

(já agora, a teoria da conspiração (do lado contrário) de que a corrida aos abastecimentos levou ao aumento da receita de gasolineiras e Estado é uma falácia, porque só se consome o combustível quando se anda e se andarmos o mesmo ou menos por estes dias… o saldo é nulo ou mesmo negativo. Porque depois de atestar, não é possível atestar de novo e aos aflitos de jerrycan na bagageira aplica-se o mesmo princípio)

No JL/Educação Deste Mês

Temos o SE Costa a fazer o balanço de um ano do Decreto João Costa (o 55) e o David Rodrigues a fazer o balanço de um ano do Decreto David Rodrigues (o 54). Mais adiante um maledicente renitente, sem saber disso, parece fazer o balanço dos balanços com evocação bíblica e tudo.

Primeiro, os balanços em causa própria, curiosamente com alguns tons mais defensivos do que seria de esperar em peças de agit-prop.

IMG_1592IMG_1591

Depois, o “velho do Restelo” do costume, que não consegue ver a Luz.

IMG_1594b

… porque não sabem o que dizem e muito menos o que se faz nas escolas ou o que é possível nelas fazer nas condições actuais. O aproveitamento, quiçá abusivo, de uma passagem do Novo Testamento (Lucas 23:34) adequa-se, contudo, ao que muitos professores em exercício pelas escolas da maior parte do país sentem quando ouvem ou leem o que diversas figuras com espaço mediático têm a afirmar sobre o quotidiano das escolas e muito em especial sobre o que deve ser o seu futuro.

Os Centros De Explicações, Os Exames E As Desigualdades

Há mais uma notícia sobre o negócio em causa. Como é costume, não é bem o negócio que está em causa, mas sim a investida contra a existência dos exames. Se o interesse fosse o de ir além da espuma dos dias, talvez fosse interessante investigar quem dirige alguns desses centros e quem por lá tem responsabilidades. Talvez – isto é um suponhamos, claro – talvez se encontrassem alguns nomes interessantes que conhecemos (ou não) de outras paragens ligadas, por exemplo – outro suponhamos -, a centros de “inovação pedagógica”. Então os centros de “alto rendimento” agora parecem cerejas… são uns atrás dos outros. E quem os coordena? Quem angaria os “clientes”? Onde? Etc, etc, etc…

E acreditam mesmo que as “explicações” são só por causa dos “exames”? É porque não conhecem a realidade de muitas famílias para quem os centros de “explicações” são apenas uma das valências dos velhos atl em que se deixa a petizada até os pais (ou outros adultos responsáveis) conseguirem chegar a casa, cortesia da desregulação dos horários laborais.

Que só quem tem dinheiro é que consegue chegar aos melhores centros, aos de “alto rendimento”? Isso é como com os colégios… também só vai para os de topo quem tem 600-800 ou mais euros para gastar mensalmente. Mas o fim dos exames não vai alterar nada disso. Apenas deslocará coisa para um patamar acima. Ou acham que será com sucesso a 100% no 12º ano que as “desigualdades” desaparecerão?

É que os exames, apesar de tudo, ainda abrem espaço a mais do que apelidos e contas bancárias no acesso à Universidade, a menos que acreditemos que os “pobres” são todos naturalmente “burrinhos”. Podem dizer mal deles (dos exames), mas ainda servem para nivelar alguma coisa. Quando vencer a desregulação do acesso ao Ensino Superior, por via do fim da avaliação externa, é que irão ver como as “desigualdades” mordem a sério na entrada nas Universidades. Porque acreditam que esse acesso não irá depender do capital cultural e financeiro das famílias na mesma ou ainda mais?

O que está em causa não é nada isso… mas podemos fingir que sim. Era bom que as intenções fossem mesmo as de promover a igualdade de oportunidades. Mas não é. Pelo contrário, o resultado será a rigidificação de um sistema de castas (muito presente no nosso mundo académico de “topo”) que aceitará excepções. Só isso. Excepções.

Avestruz

 

Pelo Educare

Um dos textos que me deu mais gozo escrever nos últimos tempos.

O reino deles não é do nosso mundo

Ainda encontro textos que me transmitem a noção de que existem pessoas com os pés na Terra quando falam da Educação em Portugal na nossa comunicação social. Mas, a sensação geral quando assisto a debates com especialistas na matéria ou a declarações de alguns governantes é a de que eles são soberanos ou cortesãos de um reino que não pertence ao meu mundo e ao da generalidade dos professores que teimam em encarar a realidade sem filtragens ideológicas ou conveniências tácticas.

pg contradit

A Ler

Só falta vir a réplica irritada dos pachecos e pachequinhos. Porque não querem perceber que uma escola experimental pode ser um sucesso aqui e ali ou mesmo em todo um pequeno país do terceiro-mundo ou numa província amazónica mas, no mundo ocidental actual, apenas acaba por agravar a diferença entre os que podem escapar à rebaldaria e aqueles que lá ficam, por ausência de alternativas ou porque querem ainda creditar muito que a Escola Pública pode ser outra coisa. Basta ver, em matéria de coerência, o que certos governantes fazem com a sua descendência. Ou já escaparam no tempo ou escapam no espaço.

Uma fábrica de desigualdades

Vítimas de teorias e práticas pedagógicas que já eram velhas há 40 anos, porque lhes dão jeito para camuflar o insucesso que realmente existe e continuará a existir por este caminho, há escolas (e cada vez são mais) que vivem um autêntico PREC educativo.

Finger