Já Lá Vão Cinco Anos E Meio…

… que escrevi o post abaixo contra o projecto, então do governo da troika/passos/portas, de aplainar e indiferenciar as carreiras da administração pública. Estava contra nessa altura, como ainda antes em outros textos contra a indiferenciação (este é de 2010), tal como agora, porque, na essência, o actual governo do PS apenas quer fazer o que a “Direita” não conseguiu: acabar com as carreiras especiais ou terraplaná-las sem remédio.

Da Carreira Salarial Única

dupontd

A Minha Solidariedade Com O Actual PM

Concordo que é “repugnante” e “vergonhoso” que mintam publicamente sobre nós. Acredito que agora perceba o que sinto cada vez que ele fala sobre a “justiça” da sua “solução” para a contagem do tempo de serviço dos professores. Estamos de acordo que é “lamentável” qualquer tipo de “campanha negra”, em especial se concertada para denegrir alguém (ou classe profissional).

Haddock

Agora Que Já Li O Texto Todo Do Pacheco Pereira, Subscrevo 99,9%

Em especial esta parte que ando a repetir há uns anos, sem grandes resultados, porque, lá está, sou um zeco alegadamente má língua, incapaz de ver como o futuro se parece com o passado.

Por fim, e o mais importante, há uma desvalorização do papel do professor, de ensinar, de transmitir um saber. Vem num pacote sinistro que inclui o falso igualitarismo nas redes sociais, o ataque à hierarquia do saber, o desprezo pelo conhecimento profissional resultado de muito trabalho a favor de frases avulsas, com erros e asneiras, sem sequer se conhecer aquilo de que se fala. É o que leva Trump a dizer que se combatia o incêndio
de Notre-Dame com aviões-tanques atirando toneladas de água, cujo resultado seria derrubar o que veio a escapar, paredes, vitrais, obras de arte. É destas “bocas” que pululam nas redes sociais que nasce também a hostilidade aos professores. É o ascenso da nova ignorância arrogante, um sinal muito preocupante para o nosso futuro.

E é muito grave que essa desvalorização tenha um dos seus epicentros exactamente no ministério da Educação e que existam governantes que definam como “professores do futuro” aqueles que alinham na sua própria desqualificação. Achando que é recompensa o selo de asnos com que acabam por se passear por aí.

Burro2

Num Concelho Cor-de-Rosa Perto de Si/Mim…

… o autarca presidente garante que em novo mandato do seu governo, qualquer escolha de director@ terá de passar por ele, pois não quer ver um@ desconhecida a gerir-lhe os milhões. E depois será o pessoal docente. Tudo garantido informalmente por quem já decidiu o futuro, muito em especial em caso de maioria sem muletas ou com muleta central que concorda com a extinção de qualquer réstia de gestão escolar democrática ou “basista”. E depois “reconfigura-se” a rede escolar e é melhor nem entrarmos por aí, porque não há nada como engenheiros a racionalizar-nos a oferta/procura.

E se isto é assim por ali, dificilmente será diferente em outros bastiões. Qualquer ilusão vaga de reversão do modelo de gestão escolar está defunto. Daqui a 3-5 anos as actuais escolas-sede parecer-se-ão com as actuais escolas não-sede, terão uma espécie de coordenador@ com título talvez ainda de “director@”, mas a reportar tudo `autarquia-sede. Daí para baixo será o aperrear da cadeira hierárquica de submissão. Os Conselhos Municipais serão de legitimação e os Conselhos Gerais tenderão para a extinção, real ou simbólica.

Claro que isto está previsto desde 2008 ou mesmo antes e tem a colaboração activa do centrão e o colaboracionismo dos radicais (ainda) com poderes municipais significativos. E tudo o que disserem em contrário, será em modelo de verdade à pimentamachado (recordam-se?), um grande visionário da pós-verdade.

arreatasolacromooleada