Entendam-se!

Há não muito tempo, o João explicou. em reunião com directores, o atraso na aquisição de computadores com a burocracia que o Estado enfrenta nestas operações. Ontem, no Parlamento, o Tiago disse que o atraso se deve ao facro de não existirem stocks suficentes de equipamentos. O que parece inegável é que os pedidos foram feitos tarde e a mãs horas, seja qual for a justificação dada, conforme seja dia par ou ímpar.

O Seguro De Vida Do Governo

Caro senhor Presidente, apenas duas observações muito rápidas, com o devido respeito:

  • Se acredita no que diz, que 2 a 4 semanas de paragem “atropelariam” o ano lectivo, agradeço que mande calar aquela malta que fala muito na “Educação Digital” ou da “Educação do século XXI” que o convida para abrilhantar eventos.
  • Em segundo lugar, sei que tem a noção do que a História (aquela feita a sério, com mais ou menos distância) faz a quem se deixa ir na corrente do tempo presente, em busca da conveniência mais imediata. É uma opção deixar-se seduzir por estórias.

Importa-se de Repetir?

Há gente que de tanto se esforçar em agradar ao chefe, faz figuras muito tristemente apressadas. Foi a 3 de Junho, quando acreditavam em “milagres” (que não aconteceram por terem fechado “postigos”).

Daqui a uma semana os portugueses comemorarão o Dia de Portugal. Tal como em outros períodos da nossa longa historia, há fortes motivos de orgulho nos portugueses”, sustentou Joana Sá Pereira. 

Segundo a deputada do PS, na resposta à pandemia de covid-19, por parte do Governo, não houve sorte.

“O vírus teve, eu diria, talvez o azar de encontrar pela frente um povo experimentado e um Governo capaz”, contrapôs. 

Uma Conclusão Interessante

Parece que 2 a 4 semanas sem aulas presenciais com os professores, que têm sido obrigadas a seguir um modelo bem tradicional (as interacções em sala de aula, actividades colaborativas entre alunos e outras “diferenciações” estão fortemente desaconselhadas), destruiriam as aprendizagens de forma “irremediável” e conduziriam a uma “geração deslassada” (a tentativa de Manuel Carvalho fazer de Vicente Jorge Silva e cunhar uma expressão para a posteridade).

Ou seja, aquilo não terá sido conseguido por anos e anos de políticas disparatadas, em zigues e zagues, com uma acumulação de burocracias para atrapalhar o trabalho dos professores e políticas cada vez mais ridículas de avaliação dessas aprendizagens.

Realmente, a presença física dos professores é mesmo “impactante” para os alunos, ao contrário de uns 30 anos a dizerem que os alunos podem construir o seu conhecimento, em auto-descoberta, com os docentes ali apenas a “faclitar” (o que poderia ser feito à distância, certo?). Ou que as tecnologias tornariam quase irrelevante o papel do humano na Educação. Os professores foram sendo crismados de “inúteis”, “egoístas”, “corporativos”, “velhos”, “arcaicos” e tudo o que ocorreu a uma clique de burgessos, nem sempre exteriores ao sector da Educação, só que alguns de forma mais envernizada, mas não menos insidiosa. Afinal são “essenciais”.

(será altura de lembrar que há 6 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço apagado da carreira, que causou danos “irremediáveis” e marcou várias “gerações” de professores, que agora deveriam cobrir os deputados porfírios e os comentadores situacionisttavares e baldaias as com toda a vergonha que lhes falta?)

Será que essas criaturas que há tanto tempo nos bombardeiam com essas teorias, terão a decência de se desviar da frente e deixarem de atrapalhar? Porque as vossas teses parecem estar claramente erradas. Afinal, umas semanas sem professores em osso e carne (muita, no meu caso), as perdas são “irreparáveis” e podemos “perder uma geração”. Porque eu vou guardando todos estes malabarismos para, em devido tempo, sugerir que os freiristas e/ou futuristas de aviário se encham de alcatrão e penas quando voltarem a meter a cabecinha de fora, em nova vaga de parlapatice, sancionada pelo secretário costa e os seus apóstolos.

O Preço Da Estupidez

Não, não é “o preço de sermos humanos”, se isso tem como consequência a morte de centenas de pessoas ao fim de duas semanas. Hoje ultrapassou-se o valor de óbitos que os “especialistas” de manhã apontavam para daqui a uns dias e irão repetir-se números similares, correspondendo aos dias acima de 7.000 contágios. A argumentação de Daniel Oliveira, um dos pitonisos do regime a quem só faltaria oxigenar a cabeleira (se não estivesse mais calvo que eu) para ser o herdeiro legítimo da colega Clara, é humilde apenas na aparência porque se justifica com a vontade de uma alegada “maioria das pessoas” (argumento que já não aceita se votarem em Cavaco ou Passos Coelho outro alguém que lhe cause desafeição). Considerar que “o preço de sermos humanos” se mede em centenas de vidas, depois de sabermos que era esse o risco, não pode ser varrido para debaixo da alcatifa com o que nem chega a ser bem um mea culpa.

Esta argumentação apenas demonstra a validade das “leis” de Cipolla sobre a estupidez humana. E reparem que, em numa leitura mais rigorosa, poderíamos considerar certas atitudes como “maldade” e não “estupidez”.

A probabilidade de uma certa pessoa ser estúpida é independente de qualquer outra característica desta mesma pessoa. (2ª lei)

Uma pessoa estúpida é uma pessoa que causa um dano a uma outra pessoa ou grupo de pessoas, sem, ao mesmo tempo, obter qualquer vantagem para si ou até mesmo sofrendo uma perda. (3ª lei)

Sábado

Nos dias de Natal, o ME decidiu fazer chegar a algumas redacções, a notícia de que decidiu testar 30.000 alunos do 3º, 6º e 9º anos “para perceber de que forma a suspensão das aulas, durante o ano lectivo passado, afectou as suas aprendizagens”, tendo o cuidado de tranquilizar o país que “não se trata de um exame nem de uma prova de aferição, mas de um estudo”.

À primeira vista parece uma decisão sensata. Assim para quem olha de fora e para produtores de opinião apressada e “preocupados” com o que se passou no 3º período de 2019-20, apostando eu em especial nos que têm estado muito activos na defesa da continuidade das aulas presenciais a qualquer custo, manipulando ou ocultando esta ou aquela informação e intimidando de diversas formas quem, nas escolas, ousa desalinhar, com a complacência de quem afirma “representar os professores”, mas os desencoraja, no concreto, de qualquer acção mais firme.

Mas voltemos ao “estudo” entregue ao IAVE e que será implementado nas primeiras três semanas de Janeiro, com resultados a ser conhecidos em Março (será que vão pedir aos professores do #EstudoEmCasa para os classificar ou vão requisitar pessoal que está a dar aulas, a meio do período, assim quase sem pré-aviso?), não sabemos bem se para desenvolver estratégias de remediação a partir de Abril.

Claro que o estudo teria de ser feito por amostra e, preferencialmente, nos anos em que não se fazem provas de aferição (o que deixa o pessoal do 9º ano que as fizer na situação de fazer uma duplicação de provas no mesmo ano, mesmo que uma seja só de estudo e não tenha implicações em nada… com as de aferição, já agora). Mas essa amostra será representativa da realidade do país? Que critérios serão usados para seleccionar os alunos (a nível de escolas e turmas)? Terão em conta os diferentes contextos em que se desenvolveu o E@D? Porque a mera distribuição geográfica e por tipo de estabelecimento está longe de permitir um retrato credível do que se passou.

O teste vai ser aplicado em 154 agrupamentos públicos (que totalizam 1247 estabelecimentos de ensino) do continente, e outras 79 escolas nos Açores e Madeira, bem como 102 colégios. A escolha da amostra teve em conta três aspectos, de modo a manter a representatividade da população escolar: o número de alunos por região (NUT II), os que frequentam escolas públicas e privadas e ainda os estudantes com Acção Social Escolar.

Mais importante, em termos de coerência interna das políticas do ME: afinal, havendo “autonomia” na definição de uma parte do currículo e na “flexibilidade” da leccionação dos conteúdos, qual será o “padrão” usado para determinar o que se perdeu ou não, já os mesmos conteúdo0s poderiam estar planificados para alturas (ou mesmo anos) diferentes conforme as escolas e os “projectos educativos”? Qual o referencial que vai ser usado? O das “aprendizagens essenciais”? Mas não é verdade que “As Aprendizagens Essenciais estão ancoradas numa cultura de escola de autonomia e de trabalho em equipa educativa dos docentes, nomeadamente ao nível do conselho de docentes e de turma, em que as disciplinas cruzam o que deve ser ensinado e que ações estratégicas devem ser concretizadas para que os alunos aprendam melhor e de forma mais significativa”

Se vão ser usados como referenciais as “aprendizagens” para o 2º, 5º e 8º anos (porque é óbvio que não podem ser as definidas para o 3º, 6º e 9º), no que diferirão estas provas das de aferição que este ano estão calendarizadas para esses anos de escolaridade? Não poderia ser o desempenho em tais provas servir de base para este “estudo”?

Este “estudo” terá o seu valor, mas o momento em que surge (quase a meio do ano e não em Outubro, por exemplo, quando se estariam a recuperar as “aprendizagens não consolidadas”, e não venham dizer que estavam mesmo marcadas inicialmente para os dias que acabaram por ser de “pontes” anti-pandémicas, como se quer dar a entender) e a metodologia da escolha da amostra levantam muitas reservas sobre a sua utilidade, apenas parecendo que se quer transmitir a sensação de que algo se está a fazer. Um bocado como os 400 milhões para a Transição Digital, de que nem 10% terá sido gasto nos 100.000 kits tecnológicos que só começaram a chegar às escolas a poucos dias do fim do 1º período.

Em outras circunstâncias diria que tudo isto resultaria de “desorientação”. Conhecendo os truques já de sobra desta malta, lamento dizer que acho que isto, por muito bom que esteja o relatório “técnico”, não servirá para muito mais do que “manipulação” ao nível da comunicação política.

O Cruzamento De Bolhas

E SE Lacerda Sales “apelou para que no Natal “não se cruzem bolhas, as pessoas estejam em espaços arejados e promovam a proteção dos mais vulneráveis”.

Pessoalmente, todos os dias de aulas, a minha bolha cruza-se com mais de 50 durante períodos de 90 ou mais minutos (há dias em que dou 4 tempos à mesma turma). E há colegas cujas bolhas se cruzam com mais de 100 outras, que diariamente vão depois à sua vida, para as suas bolhas familiares, e regressam no dia seguinte. Se pensarmos que cá em casa há mais uma professora que também se cruza, em média, com outras 80 bolhas e uma aluna com outras 30, são 160 bolhas com que directa ou indirectamente nos cruzamos cá em casa.

Vão-me desculpar, mas só não mando esta gente meter as bolhas em dados ponto da anatomia humana, porque parece que não é por aí que o vírus entra.

João Costa, O Desmaterializador

Nuno Crato queria implodir. Apenas estragou, mas ganhou uns milhões para mandar estudar o que não fez e devia ter feito.

Agora temos João Costa que quer desmaterializar, mas não consegue fazer chegar computadores às escolas, pelo que os alunos devem ver os manuais digitais por um canudo pago pelos pais.

A propósito do 20º encontro digital da Leya, caiu-me isto no mail:

João Costa, Secretário de Estado Adjunto e da Educação, escreveu para a LeYa Educação:

“A desmaterialização dos manuais inscreve-se no Programa do Governo por motivos independentes, mas que se complementam:

Por um lado, o potencial que os recursos digitais têm na exploração de várias fontes de informação, de relacionar o texto escrito com outros meios. Num momento de informação abundante, não faz sentido que o manual seja estático e constitua o único apoio para o desenvolvimento curricular.

Por outro lado, o piloto dos manuais digitais enquadra-se no programa Escola Digital. Através do qual se promoverá o desenvolvimento de competências digitais, a promoção de literacia digital e de informação. Numa política que incorpora quatro eixos fundamentais: a disponibilidade de equipamentos e conectividade, a formação de professores e a produção de recursos educativos digitais.

Finalmente, estamos perante uma medida que contribui para a sustentabilidade do planeta, por se usar menos papel e para também por resolver o antigo problema de excesso de peso nas mochilas dos alunos.

A partir das escolas participantes foi criado um piloto que serviu para obtermos informação sobre as necessidades e ritmo de transição digital, sobre as necessidades de capacitação dos docentes e por fim para obtermos um leque de experiências que possam servir de exemplo às escolas que vieram a implementar a desmaterialização nos próximos anos.”

(já viram quantos “nichos de mercado” com os dinheirinhos da “bazuca” . caso húngaros e polacos possam a fazer do Estado de Direito o que entenderem – esta opção cria para os cortesãos do costume, mais umas parcerias à maneira?)