Trajectos

Ainda acerca de um dos assuntos sobre os quais escrevi ontem. Não é que este alguma vez tenha enganado muito, mas sempre fica mais à vista o que andou a fazer uns bons anitos.

Ahhh e tal… que uma coisa era a isenção e ética profissional e outra o que se decide fazer a dada altura da vida? Até poderia acreditar, se também acreditasse que quem os escolhe para estes cargos não faz isso com base na tal “confiança política”. E nestas matérias o Medina não brinca… ou não tivesse sido comentador avençado da TVI. Uma mão paga, desculpem, lava a outra e as duas enlameiam-nos a vista.

Ex-diretor de informação da TVI vai ser consultor de Fernando Medina

Gaia Contrata

É um dos casos de “ecossistema” mais desenvolvido em matéria de Educação Municipal. Agora foi a vez do director regional do Norte da DGestE (no cargo há apenas dois anos, para onde transitou de director do mega-agrupamento de Gaia Nascente) ser “nomeado Diretor Municipal de Políticas Sociais do município”, notícia local de ontem, antes mesmo de existir referência ao resultado na página oficial do concurso, que consultei mesmo agora, 2 de agosto pelas 11.45. Não deixa de ser curioso que um dirigente regional do ME prefira ser dirigente municipal, mesmo se a remuneração é mais interessante (3778,97+778.03 de suplemento, relativo cargo de direcção superior de 1º grau, contra pouco mais de 3000+315 de dirigente intermédio de 1º grau). É verdade que o currículo é rico em muita coisa, menos em dar aulas. Já em matéria de auto-avaliação, podemos agora esperar novamente “brilho e entusiasmo”, porque se não formos nós a elogiar-nos, quem será?

A vida é feita de oportunidades, abraçarei outro projeto de maior envergadura, como Delegado Regional de Educação do Norte, facto que muito honra o Agrupamento.

Espero poder desempenhar as funções com o mesmo brilho e entusiasmo com que sempre geri o AEGN.

Parece que a coisa está a dar algum bruá pela zona, mas pensemos assim: agora há um lugar vago a Norte, que com o suplemento remuneratório equivale ao 10º escalão dos docentes. Ponham-se já em fila, em especial quem tiver experiência e saber reconhecido de coisas complexas como a administração e gestão escolar. Nem que seja “só para ver em que lugar fico”.

Apesar da notória inveja, não posso concorrer, porque é fora da minha “área de conforto”, que é mais a sala de aula, e ainda mais das minhas competências, que não passo de soldado raso e ignorante destas transcendências. E já estou velho para estas coisas. Começar um cursus honorum com esta idade já não vale a pena. E nem sequer sou da classe equestre, quanto mais da senatorial. Mas para quem tenha pergaminhos e ambições, nada como começar já a salivar e a verificar os cartões.

Onde Não Há Atrasos Nas Verbas, Com Toda A Certeza

Só 31% dos assessores do ministro das Finanças têm formação/currículo na área (com Centeno eram 66%). Há uma razão: Medina está a rodear-se do pessoal que tinha na câmara de Lisboa e que estava em stand by na câmara de Almada (PS)

Acho Estranho, Mas Devo Ser Só Eu

Que o czar das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril continue com todas as avenças mediáticas bem activas. Parece que, para ele, aquela coisa de se desfiliar do PS é o zénite da ética republicana.

Não quero restringir os direitos de qualquer cidadão interventivo, mas parece-me que lhe deram já um grande palco para isso, bem pago, para precisar de ainda andar pelas capelinhas todas.

Claro Que Não! Como As Rosas, Eles Aparecem-lhe No Regaço!

Pedro Adão e Silva explicou que vai suspender o vínculo ao ISCTE para se dedicar a tempo inteiro às tarefas de comissário executivo das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril. E revelou que já não é militante do PS

(e também vai prescindir das avenças mediáticas?)

A Renovação Da República

  • João Miguel Tavares no 10 de Junho.
  • Rita Rato no Aljube.
  • Pedro Adão e Silva no 25 de Abril.

Escalas muito diferentes e mordomias bem diversas, mas a mesma lógica.

Costa e Marcelo numa luta comum pela construção de uma memória do regime que lhes seja confortável. Mais do que as nomeações, impressionam-me as “aceitações”. Podia acrescentar outras, até de gente de que conheço melhor o trajecto, pelo que talvez não me espante tanto a Ânsia. Há umas semanas, em conversa com um antigo colega meu dos tempos da Faculdade, a respeito de outra colocação menos visível, confrontávamos perspetivas acerca do que explicará tais “aceitações” ou “candidaturas”. Será que estamos tão mal, que acreditam mesmo que não se arranja melhor, para não dizer muito melhor?

E depois há esta arte de ir colocando peças de diferentes cores no tabuleiro, para evitar grandes oposições. E o que dizer das cumplicidades mediáticas, em que o que ontem se criticava a outros, agora se cala porque se trata de gente “amiga”?

E quem não salta de alegria, em pulinhos de entusiasmo incontido, ou não se cala é porque tem inveja?

Da Arte De Arranjar Ninho

Se formos estando atentos, é raro o passarão que passa pela Educação que não ande em busca de ninho. Nos últimos anos, a representação da parentalidade tem rendido. E o Centrão lá pelos nortes gosta de os seduzir, porque sabem que eles resistem pouco às tentações. É o que consta.

Líder da Confap é o candidato do PSD à Câmara de Gondoma