Aceitei O Convite, Sem Pré-Condições, Assumindo Que O Debate Seria Sobre Educação E As Recentes Propostas Do ME Sobre Contratação E Vinculação De Professores

Só depois percebi que talvez não seja bem assim, porque eu não percebo muito de mutualismo ou segurança social e sobre o mercado de trabalho não passo de um leigo informado. Não sou um tudólogo, sou apenas um professor envelhecido e corporativo, sem vergonha. Por isso, não posso dar grandes garantias, o que já transmiti ao Filipe de Paulo.

Amanhã

Atendendo à dureza da semana, não me apetece ser nada meigo com quem quer facilitar apenas a sua vidinha e deixar os ossos para os outros. È que dou aulas em zonas complicadas desde sempre e não gosto que me enfiem barretes defancaria como se fossem zibelina,

Recrutamento de professores: o que deve mudar?

O Ministério da Educação começou esta semana a negociar com os sindicatos alterações ao modelo de recrutamento de professores. Devem as escolas ter autonomia para escolher os que se adequam mais ao seu perfil? Quais são os riscos e os benefícios desta opção? Porque razão é tão polémico este tema? E o que deve mudar para que o corpo docente de cada estabelecimento de ensino seja mais estável? Com novas regras vamos diminuir a possibilidade de ter tantos alunos sem aulas no arranque de cada ano lectivo? Nesta sexta-feira, às 11h30, No Ao Vivo.

(posso estar enganado, mas parece-me que uma ex-governante – não, não é essa – terá prescindido do prazer de debatermos. Mas isto sou eu a extrapolar. Posso estar enganado, repito)

O Culto Especializado Em Especialistas

Todos juntos, devem ter dado umas zero aulas o Básico ou Secundário desde a viragem do milénio, incluindo o elemento do Conselho de Escolas, que é director desde 1998 (em dois locais), salvo erro. Quanto ao resto… nem me lembro se chegaram a ver uma sala de aula por dentro desde que lá entrei como professor.

Não é só a classe docente que envelhece. Há quem acrisole.

“Eu Estou Aqui Em Agonia”

Ia o debate (hoje, FCSH) em quase 3 horas (c. 3 h. e 04 min. na gravação, por causa do atraso técnico inicial de mais de 20 minutos), quando lá pude falar pela segunda vez, porque fui o primeiro a intervir e depois quase o último a comentar. E como então disse – a intervenção inicial foi mais estruturada e menos reactiva – estou cansado das mesmas pessoas dizerem uma coisa agora e outra depois ou se eximirem às próprias responsabilidades, assim como na altura disse que sobre a formação inicial de professores talvez fizesse sentido falarem em outro debate só os interessados, até por terem visões muito contraditórias da coisa. Em resumo, já em tom sarcástico, acerca das quotas na progressão de que quase todos evitaram falar em detalhe, era como se o “elefante tivesse saído da sala”, por ser incómodo.

Porque, no fundo, conclui-se que quem forma professores forma-os bem, quem estuda o assunto, estuda-o bem, que sindicaliza, sindicaliza bem, quem governa. governa bem, só que no fim parece que de tanta coisa bem feita sai escassa obra. Desculpem se acho que não é bem assim e que foram avisados a tempo dos erros, mas preferiram acusar os chatos se só olharem para o seu umbigo e não verem além do seu quintal (as piadas favoritas de falta de imaginação que ouvi durante uns bons anos).

Resumindo, no final, desejei que fosse possível deixar a uma nova geração de professores uma carreira melhor do que aquela em que transformaram a minha. E deve ser melhor do princípio ao fim, com a garantia de que não a estraçalham a meio. Pena que se tivesse falado tão pouco, em concreto (excepção ao V. Teodoro, mesmo com algumas discordâncias minhas em relação ao modelo apresentado), da carreira em si, preferindo alguma auto-justificação sobre a qualidade da formação inicial que é dada, mesmo se a um número insuficiente de candidatos à docência num futuro próximo.

(desculpem-me a gralhice, mas a semana foi longa, com a parte lectiva, menos uma horita a que faltei por razões que a lei 100/99 permite, ainda formação e agora debate ao fim de 6ª feira… não é por nada, mas já começo a estar “velho” para isto e ainda no outro dia tive de responder a um convite para uma outra coisa pela manhã, que sou professor a sério e não “especialista”, pelo que tenho mesmo de dar aulas e a disponibilidade é reduzida..)