Até Que Ponto Se Pode Estar Desligado Da Realidade

Um dos principais cortesãos do actual regime insurgia-se ontem no fbook com alguém que publicava a memória desta manifestação de 26 de Janeiro de 2013 contra Nuno Crato, como se fosse a convocatória para uma manifestação para 2022, considerando-a inadequada a 4 dias das eleições. Eu sei que a malta anda confusa – e muitos ainda se lembrarão daquela santanice (mau… já me lembrei hoje duas vezes do Santana) de ter confundido o postal do lançamento de um livro com uma ameaça pessoal – mas há quem ande mesmo com algum receio de ver excluído do futuro ME o seu particular feudo inclusivo.

O Flop Mediático Do Ano

A alegada “CNN” Portugal é algo que ultrapassa a desilusão, para se ficar pelo mero golpe de publicidade com base numa “marca”. Começou com a selecção de marretas nos comentadores (os do costume, mais umas tias idas buscar ao baú do grupo de Balsemão) e continua com a forma como tudo é apresentado, desconchavado, sem um “olhar” próprio que não seja a vã tentativa de combater as audiências da CMTV.

Só isso explica que tenha desenterrado o “rosto novo” do Marinho Pinto para comentar o caso Rendeiro. O homem é o que é e não se pode esperar grande coisa de diferente, pelo que a escolha não pode ser inocente ou ingénua. Há bocado, desplantava-se o comentador que achava mal o “afã de Portugal” em fazer Rendeiro regressar a Portugal porque, na sua opinião pessoas como “o doutor Rendeiro” deviam fugir de Portugal, que ele acha que assim o país ficaria melhor. Eu percebo que ele tenha o chip de advogado de defesa e aquilo dispare em qualquer situação, mas há limites para a falta de senso. portanto, Um tipo comete crimes pelos quais é julgado, transitando em julgado a sua prisão efectiva (o que entre nós é o que se acha mais perto de um milagre natalício) e o comentador da “CNN” Portugal para o tema acha que ainda bem que fugiu e que deve ficar longe e as autoridades portuguesas nada devem fazer para que regresse e cumpra a pena. E como ele, quaisquer outros, só não percebendo se este ex-muita coisa estende a sua apreciação a todo o tipo de criminosos condenados se apenas aos endinheirados.

Até a dupla de pivôs ficou engasgada e, quando eu já estava a zarpar dali para fora, a tentar dar alguma seriedade à palhaçada.

(imagem sacada à página “Biblia mt engrasada”)

Não É Tudo Mau, Mas…

… acho que deveria ser feita uma espécie de PACC para acesso a algumas estruturas internas da gestão escolar. Por defeito de ocupação recente, estou a pensar nas SADD, recrutada de modo nem sempre claro num CP que, em tantos casos, é uma emanação das vontades de director@s que quase tudo acumulam. Ler um documento em que uma SADD escreve, preto no branco, que não tem de justificar qualquer avaliação, já quase não me espanta.

Sondagem “Científica”

Após a tarefa designada estar cumprida, 19 petizes em 9 computadores (os outros três estão incapacitados desde o início das aulas por maleitas diversas, incluindo aquela em que o bicho apita e parece que vai explodir) tiveram direito a fazer o que bem entendiam numa concepção absolutamente integrada no espirito inovador do desenvolvimento integral, holístico e livre dos indivíduos.

(calma, que a turma tem 27, não são só 19; o resto estava na sala defronte a fazer os auto-retratos analógicos em atraso… é a vantagem da ubiquidade e conseguir estar em duas salas ao mesmo tempo, não me perguntem como… há mais quem desconfie deste modo de coadjuvação ao contrário e fique a olhar à distância de modo mal disfarçado)

Resultado: 3 computadores usados, principalmente por rapazes, para ver vídeos no iutubi (música, excerto da série squid game e qualquer coisa com quedas); 2 em que se exploravam os poucos jogos que escapam ao filtro do Mé; 2 para algumas meninas verem aquelas micro-danças no tiquitoque em que outras meninas mexem os braços e pouco mais em micro-coreografias e 2 para verem imagens escanifobéticas no pinterest. Não sei se dá para fazer um case-study e publicar no Academia.edu, se faça 4 versões em diferentes linguajares para registar na Scopus, na Latindex ou na B-on.

Aprende-se muito nestas meias horas de liberdade acerca das novas gerações para quem os berlindes, a bisca lambida, a macaca ou os matrecos nem chegam a ser memórias do passado.

E Trotinetes?

Acho discriminatório que o governo esteja preocupado em usar as escolas como espaços de aprendizagem só do ciclismo. Eu percebo o poder do lobby dos papás impacientes demais para ensinarem os filhos a andar de bicicleta, enquanto andam pelas estradas a falar entre si e a alegremente desrespeitarem o Código da Estrada (a começar pelos ajuntamentos de 10 e 20 ao mesmo tempo e continuando no esquecimento de os velocípedes não terem prioridade sobre os veículos motorizados nos cruzamentos, não esquecendo o uso das passadeiras para peões e passeios quando bem entendem), mas já agora acho que seria muito útil o ensino da trotinismo.

(para quando, aulas sobre a melhor forma de comer granola pela manhã?)

Fica Confirmado, Acima De Qualquer Dúvida, Que Esta Malta Entrou Em Desvario…

… quando o senhor director-geral da Educação manda para as escolas ao início da tarde de hoje, depois de uma manhã em que já existiram reuniões de avaliação dos 9º e 12º anos, que são os terminais do Básico e do Secundário (embora estes ainda com exames), este tipo de esclarecimento (que ao que parece alguém pediu) acerca de um assunto que é muito caro ao senhor secretário de Estado, seu superior hierárquico, ou seja, a certificação da participação em projectos relacionados com a “componente de Cidadania e Desenvolvimento” (que no Secundário nem é disciplina).

Isto parece-me demasiado caricato, para merecer prosa mais alongada. Fica aqui o ofício e acho que chega como prova provada de que entrámos na estratosfera da idiotice certificadora.

A Oeste, Algo De Novo

Em matéria de ADD, há escolas/agrupamentos que começam a destacar-se pela forma como querem definir a excelência, com níveis inauditos de exigência. O que até seria compreensível, se depois a verificação de tais níveis não se tornasse, para além de pouco exequível, claramente ilegal. Eu percebo que a legislação é má nesta matéria e nunca me cansarei de o dizer, mas daí até queremos que a tal excelência de cada docente tenha de ser validada, de forma unânime, por “pares”, “órgãos de gestão intermédia envolvidos” e EMAEI – e só vamos ainda na preparação e organização das actividades lectivas – vai uma passada de gigantone carnavalesco.

Que os descritores para 2020/21 só sejam dados a conhecer aos avaliados em Maio de 2021 é só a cereja em cima do belo bolo.

A Mim É Que Tu Não Lapidas, Gabriel!

Até porque a trilogia “Hierarquia, Ordem e Autoridade” me diz muito pouco como valores supremos numa sociedade. Pessoalmente, até preferiria o Fado, Futebol e Fátima, mesmo se sou muito selectivo em matéria de faduncho, acho que o futebol está cheio de gente lastimável e não sou crente de santa nenhuma, porque nunca conheci alguma.

O Gabriel Mithá Ribeiro, ex-professor de História do Básico e Secundário antes de rumar a patamares superiores é alguém que conheço pessoalmente e por quem tenho estima, compreendendo até algumas das razões da sua deriva para o Chega, de que surge como “coordenador-geral do gabinete de estudos” em peça da Sábado de ontem.

Talvez um pouco inebriado pelos resultados de Ventura nas presidenciais, o Gabriel sente-se entusiasmado e confiante ao ponto de declarar que acha que vão manter o resultado em futuras eleições e acrescenta:

Se conseguirmos entrar com ideias claras em certos segmentos sociais e profissionais, como os professores e enfermeiros, conseguiremos ir mais longe. Este é um diamante por lapidar.

Olha que não, Gabriel, olha que não. Não confundas “professores e enfermeiros” com bastonárias destes ou aspirantes a isso daqueles, lá porque se acantonaram junto do André. Professores e enfermeiros podem estar magoados, sentir-se injustiçados e explorados, mas uma grande parte não é assim tão idiota que vá atrás de cantos de sereia e seduções para consumo em redes sociais.

Por muito “corporativo” que me pintem, sei distinguir o que são “ideias claras” para ganhar votos em certos grupos profissionais e o que é um projecto de tomada de parte do poder, através da contaminação e domínio de outras forças partidárias, como o Trump fez com o Partido Republicano. Até porque a coelhinha do líder do Chega fica uns pontos abaixo da fotogenia da Melania.

(um conselho final, de borla: a “autoridade” não se ganha por decreto a não ser em estados anti-liberais; ganha-se de outra forma, de modo quase natural…)

Dois Mundos

Leio no Público o presidente da ANDE a afirmar que “a situação está muito melhor do que em Março” referindo-se aos meios ao dispor de escolas e alunos para o ensino à distância. Diz que na escola dele já só há 15% (contra 30% em Março) de alunos sem equipamentos. Ainda bem que ele acha que Sanfins chegou ao 1º mundo. Azar meu, andar pela cauda da coisa, o que me provoca a “prevalência” de uma “percepção” claramente errada da situação.novil