2ª Feira

A lição é a daquela máxima: quem está no poder é que pode perder eleições. Quem tem o Poder só o perde por manifesta inabilidade ou ostensivo abuso. Ontem, até os que pensavam ter algum poder levaram uma lição: o PCP terá percebido que não pode encher a boca com o “povo” ou os “trabalhadores” se levou meses a boicotar greves e lutas de trabalhadores que não pagassem quotas e obedecessem aos “seus” sindicatos. Já o Bloco, manteve o número de deputados, mas perdeu muitas dezenas de milhar de eleitores que acham que levaram um mandato seduzidos pelo “sucesso” de micro-causas que pouco dizem à generalidade dos eleitores.

A “Direita” tradicional perdeu votos porque Rui Rio está longe de ser o que pensa ser e perdeu-se por completo na maioria do tempo e Assunção Cristas não entendeu que o seu CDS tem causas que outros defendem com maior eficácia e mais energia (Iniciativa Liberal). Foram 170.000 votos que, para além de muitos milhares de abstencionistas, fugiram para a Iniciativa, o Chega e o Aliança (quase 3,5% no conjunto, embora Santana talvez tenha finalmente percebido que é um caudilho com escassos seguidores).

Já agora, 9 partidos tiveram menos votos do que as 20.000 assinaturas necessárias para apresentar uma ILC. Não se poderia extingui-los? Pelo menos aos que nem 10.000 votos tiveram? Porque não me parece que a cidadania, assim, ganhe grande coisa.

cabecinha_pensadora