Mas Não Digam Nada Aos Cartistas

Ministra da Saúde salienta que, embora se tenha registado nos últimos dias uma diminuição dos casos de infecção e das mortes por covid-19 em Portugal, a situação não é ainda ideal e remete mais esclarecimentos sobre a reabertura das escolas para 11 de Março.

E esta parte não digam ao Tiago, mesmo se acho muito especulativa, se não ele entra em colapso. Entretanto, será que esta medida fará voltar o Mário às aulas, ou o gabinete é à prova de vírus?

Marta Temido assumiu, na entrevista desta terça-feira, que o Governo está a ponderar incluir os professores no grupo prioritário de vacinas. “É uma hipótese que está a ser analisada. Não só em Portugal como noutros países”, revelou a responsável. “Quando olhamos à nossa volta e vemos os processos de desconfinamento vemos duas novas medidas: a vacinação e a testagem. Poderá fazer sentido que os adultos que trabalhem nesses locais [escolas] possam ser alvo de uma vacinação diferenciada, como fizemos com outros locais”. 

Já Era De Esperar

Pode ser o “cansaço”, mas também é o início das mensagens confusas de alguma opinião publicada e televisionada. O simpático de Cascais abre o paredão… já pode haver surf. Daqui a um par de semanas está tudo no bronze.

“O aumento da mobilidade é uma tendência crescente que se tem vindo a verificar desde o encerramento das escolas “, a 21 de Janeiro, observa o especialista em análise de dados da PSE Nuno Santos. A consultora contabiliza todo o tipo de deslocações, sejam a pé ou em transportes. E depois de um período inicial em que as saídas de casa sofreram um decréscimo significativo, precisamente por causa do fecho dos estabelecimentos de ensino, os portugueses estão não só a voltar à rua como a fazê-lo mais vezes e por períodos de tempo mais prolongados, porque começaram a arriscar ir para mais longe.

No primeiro sábado após o fecho das escolas houve três milhões de portugueses na rua. É o dia da semana que as pessoas aproveitam para fazer compras, e que por isso sempre registou, mesmo antes da pandemia, mais movimento que os domingos, muito embora fique muito aquém do perfil dos dias de semana.

Sábado – Dia 20

Perante a situação de emergência há dois caminhos a seguir: um é o da identificação atempada de problemas e busca de soluções para prevenir uma nova crise (podemos usar a analogia da vacina); o outro é o das reacções atrasadas e defesa de remédios de efeito rápido, mas que não curam a doença (como se fossem analgésicos, para efeito rápido sobre a dor) e nem sequer actuam sobre a sua origem.

Dia 23, A Conversa

Hoje ficou à venda; na 3ª feira passa a conversa com o José Morgado e o Paulo Prudêncio, mais virada para o presente e futuro do que para o passado de que fica o registo feito. Porque é importante deixar em suporte físico, mesmo que perecível e encarado como arcaico, uma crónica destes tempos, por muito que isso chateie algumas pessoas ou, como já vi numa conversa “social”, alguém perguntar se é uma descrição ou uma interpretação do que se passou. Eu acho que é uma espécie de síntese 2 em 1, sem pretensão a tese científica irrevogável.

Não Será Pedir Muito?

Porque o Tiago continua sem perceber muito do assunto e o João não gosta de aparecer quando o vento sopra contra.

5) Liberdade de aprender e ensinar: podem ser impostas pelas autoridades públicas competentes, em qualquer nível de ensino dos setores publico, particular e cooperativo, e do setor social e solidário, incluindo a educação pré-escolar e os ensinos básico, secundário e superior, as restrições necessárias para reduzir o risco de contágio e executar as medidas de prevenção e combate à epidemia, nomeadamente a proibição ou limitação de aulas presenciais, o adiamento, alteração ou prolongamento de períodos letivos, o ajustamento de métodos de avaliação e a suspensão ou recalendarização de provas de exame. Deverá ser definido um plano faseado de reabertura com base em critérios objetivos e respeitando os desígnios de saúde pública.