Testemunhos Da “Escola Democrática”

Quer-me parecer que a “lei da rolha” vai desaparecendo e não é apenas sobre a violência. Fica aqui o testemunho de um@ colega, que só peca por ser “suave”.

Nesta altura do campeonato, passados vinte anos desde que iniciei esta carreira ainda consigo ficar sem palavras a cada final de período!

Temos as coordenadeiras de serviço a mandar falsificar valores, inventar faltas e/ou presenças de jovens que não aparecem na escola; temos a mansidão nos Conselhos de Turma, a incapacidade de algum dos seus membros se insurgiram contra currículos diferenciados que ninguém percebe, contra bitaites de gabinetes mofados de técnicas que só fazem isso: bitaitam….

As atas, essas então, são verdadeiros romances, cheios de utopias, muito aquém da realidade do quotidiano!

Temos ainda as falsas notas atribuídas, escondidas por medidas enlouquecidas e emanadas por uns decretos inclusivos que, de inclusão, apenas mostram a mentira!

É isto! As escolas parecem a Assembleia da República!!!! Tudo é maravilhoso mas tão aquém da realidade!!!

(identificação enviada pel@ remetente omitida a pedido d@ própri@)

fantastic

Das “Escolas”?

Está a decorrer hoje e amanhã.

2.º Congresso das Escolas

O evento realiza-se nos dias 14 e 15 de Novembro, na Fundação Calouste Gulbenkian, com o objetivo de discutir a pedagogia das escolas, com o sistema educativo e os alunos como foco central do debate.

Organizado pela Associação dos Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo, pela Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas, a Associação Nacional de Dirigentes Escolares e Associação Nacional de Escolas Profissionais, o 2º Congresso das Escolas terá um conjunto de conferências sobre “A escola num mundo de inteligência artificial”, com Paulo Novais, presidente da Associação Portuguesa de Inteligência Artificial enquanto orador.

O programa. O painel 4 de hoje desperta-me receios. Ou o painel 9, amanhã.

CongEscolas2CongEscolas1

Coisas Muito Complicadas

Estes casos prestam-se a análises apressadas, propostas simplistas de solução e muita demagogia. Infelizmente, tudo isso anda em alta, incluindo um forte descontrolo emocional em muitos jovens em idade escolar. Que vem de fora para o interior dos espaços escolares. E que merece uma análise mais complexa do que pretender ter “fórmulas mágicas”, em especial as que acham que é só dos portões das escolas para dentro que isto se resolve.

Uma rapariga de 16 anos está hospitalizada em Lisboa depois de ter sido agredida por um colega na Escola Secundária de Campo Maior, em Portalegre, confirmaram ao PÚBLICO o porta-voz do Hospital de Portalegre e fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR). Agressor e vítima frequentam a mesma turma, têm a mesma idade e são ambos residentes do concelho de Campo Maior, sendo que a rapariga é de nacionalidade brasileira e o rapaz de nacionalidade portuguesa.

Não vale a pena esperar que quem não percebe nada do assunto (o ministro Tiago) ou quem só gosta de aparecer quando há chuva de flores e palmadinhas nas costas (o secretário Costa) produzam algo de relevante sobe este tema. Quanto à nova secretária, não vale a pena esperançar seja o que for.

A culpa, penso ser evidente, será de uma qualquer falta de “formação” dos professores num raio de 50 km da ocorrência.

Tristesse

Valter Hugo Mãe Foi A Uma Escola, Viu E (D)Escreveu

Sobrevivência nas escolas

Numa escola, quando me recebiam em grande festa, o alarido escondeu um gesto horrível que só eu vi.

Um professor ainda jovem, tímido e algo frágil, foi surpreendido por um aluno escondido atrás de uma porta que o esmurrou sumariamente. Não é fácil de explicar mas, quando seguia ao meu lado, ouviu o seu nome à passagem, inclinou o rosto para o vão entre a porta e a parede, e só eu, por um ínfimo e inesperado instante, vi o punho voando e ouvi a ameaça clara do miúdo: fodo-lhe o focinho.

tristeza_2

 

O Luís Braga Explica As Coisas…

num texto que está público no fbook e que me autorizou a reproduzir aqui.

A jornalista não leu bem os números e não percebe o efeito de diluição dos registos dos atos violentos nesse conceito de “ilícitos”. Por exemplo, na tabela inclui furtos que, por definição, são não violentos, mas ainda são “ocorrências de natureza criminal”. Em vez de agregados de números devia comparar entre anos categorias de crimes. Por exemplo, destes dados, publicados no jornal, pode concluir-se algo sobre a evolução das ofensas corporais e injúrias? E se for ver a fonte (como eu fui) encontraria um facto anómalo. Em 2017, um ano antes destes dados, no Relatório de segurança interna (Rasi) não há dados desagregados por crime, na página da violência escolar. Além disso, a jornalista não sabe claramente o que são cifras negras de criminalidade. Fala disso vagamente no texto, mas, no título tira-se conclusão contrária à observação que faz. Trabalhei 6 anos nesta área da monitorização de estatística de crimes e num serviço do MAI que participava no programa Escola Segura e, com essa experiência e a leitura dos RASI e destes números, concluiria que a criminalidade violenta registada é demasiado alta nas escolas (uns 2,5 atos em média ano por agrupamento) e que está, quando muito, estabilizada nesses valores e nunca a diminuir. E ainda há para analisar a evolução regional a que o Rasi dá acesso. Um estudo que podia valer a pena, pelo que diria sobre espaço urbano e zonas deprimidas e distinção entre área da GNR e PSP em registos. Além disso, criminalidade violenta é diferente de ocorrências de natureza criminal que é o conceito usado aqui. Hoje zanguei-me com o Público e apeteceu-me ir pedir devolução do dinheiro por me venderem um produto adulterado. Não quero acreditar que façam propaganda da “boa governação”, mas quase parece. E a ideia subtil de que levamos na cara porque estamos cansados é quase pornográfica.

Violino

Importa-se De Repetir?

Numa semana marcada por várias agressões entre alunos e professores, os números oficiais disponíveis desmentem que haja uma escalada de violência dentro dos portões da escola. O que preocupa os especialistas é o cansaço e o envelhecimento da classe docente e a crescente indisciplina dos alunos.

Os números disponíveis na minha conta da água desmentem a sua falta na minha torneira, o que me preocupa enquanto não especialista é a seca e o baixo nível de água nas barragens.

Ou qualquer coisa assim, porque o meu cansaço com estatísticas marteladas é imenso. E não pensem que é apenas má língua… todos sabemos o que se passa em matéria de “reporte” de muitas “ocorrências”. Basta questionar os alunos acerca do que observam no seu quotidiano que, em termos de violência verbal atinge níveis absolutamente indescritíveis de abuso e em termos físicos não vai mais longe porque ainda se conseguem fazer alguma intervenção, com destaque para o pessoal não docente. Os RASI podem apresentar uma descida das ocorrências nos dois últimos anos, mas seria bom tentar perceber como é que, à micro-escala, isso foi possível.

Se as escolas são, globalmente, espaços seguros? Sim, ainda são. E não são mais porque as associações de directores falam muito mas agem pouco, parecendo achar que ganham mais com o soft power e o falar mansinho.

Ouroboros