Uma Boa Decisão

Talvez fosse importante explicá-la em pormenor a alguns maníacos dos grupos (com alunos menores) em tudo o que é rede social, em nome da “modernidade” e da “agilização” dos contactos.

Decisão surge semanas depois de ter sido revelado que os responsáveis do Facebook, que detém o Instagram, estavam cientes dos efeitos negativos da rede social na saúde mental dos adolescentes. Empresa é também acusada de esconder estudo que contém dados detalhados sobre os impactos negativos nos adolescentes, sobretudo nas raparigas

Subscrevo

Ao escrever, falo sempre do que está à minha frente, do que me irrita. Infelizmente, mais do que me irrita e menos do que eu gosto, é temperamento. É a única forma de ser generoso para com os outros, o mundo, o meu país, a minha língua. Porque se tentar fazer coisa à maneira dos outros o tiro vai sair curto.

(Rui Zink, Jornal de Letras, 8 de Setembro de 2021, p. 15)

Arqueologia Da Escola Digital – 2

Em 1989, na revista Colóquio-Ciências, um texto de António Dias Figueiredo, em que se anunciava uma fase que parece ter demorado mesmo muito a arrancar.

Quebrando com uma tradição de cerca de vinte anos de empirismo e de sujeição a critérios de natureza predominantemente tecnológica, que com frequência se materializavam em soluções pedagógicas ainda mais ultrapassadas do que as que pretendia reformar, a utilização educacional dos computadores começa agora a entrar numa fase de maturidade claramente apoiada em razões de natureza pedagógica, tanto a nível da concepção de suportes lógicos educacionais como ao nível das estratégias de utilização dos computadores nos ambientes formais e informais da aprendizagem escolar.

Não Adoram?

Aqueles mails que algumas pessoas decidem enviar com palavras todas em MAIÚSCULAS, que é para percebermos que estão a ser tão intensas e sérias quanto num comentário numa qualquer rede social?

No meu caso, a caixa de correio em causa fica logo numa quarentena de 24 horas que é para perceberem que se tivessem sido minhas alunas teriam aprendido a ter maneiras.

Terabytes De Computadores

Agora que fazem menos falta ou quase nenhuma, conforme as perspectivas mais ou menos míopes, há-os aos montes para entrega e nem sempre há interessados, porque há quem diga que são fraquitos e não vale a pena. E não sendo entregues até ao fim de semana, haverá que os devolver. Eu trouxe aquele a que tinha direito, que para fazer o básico ainda serve.

Planeamento, Tiago&João style.

Ena, Pá! Desta Vez É Que É!

Ainda vou na página 65 e e já levei com uma “integração transversal” (a escoliose deu-me logo uma pontada), um “upgrade tecnológico” (em vez de Lenovo vão emprestar Mac’s?), uma digitalização ubíqua” (onde está, onde está?) e um “robustecimento da resiliência societal” (e aqui, até emudeci) que até fiquei a rodopiar de modernidade (também há “novos paradigmas”, no plural, que a gêntchi é ambiciosa) e ansiar por nova volta a Portugal do SE Costa e umas conferências do senhor da OCêDêÉ.

Finalmente, a componente C20 corporiza a resposta do PRR no domínio da educação, criando condições para a inovação educativa e pedagógica através do desenvolvimento de competências em tecnologias digitais, da sua integração transversal nas diferentes áreas curriculares e da modernização do sistema educativo português, bem como através da modernização do espaço escolar e da melhoria dos meios para a educação e capacitação digital.

(…)

Por sua vez, na componente C20, face à necessidade de adaptar os currículos e as formas de ensino aos novos paradigmas da sociedade do conhecimento e da informação e de corresponder às novas e futuras necessidades do mercado de trabalho, a Reforma para a Educação Digital prevista assenta na digitalização de conteúdos pedagógicos e avaliativos, competências digitais do pessoal docente e nas infraestruturas de educação e equipamentos didáticos e tecnológicos existentes. Esta componente enquadra-se também nas dimensões do Digital Economy and Society Index – DESI “capital humano”, e revela-se igualmente alinhada com os objetivos da Comunicação “Shaping Europe’s Digital Future”, em particular, com o objetivo “Tecnologia para as Pessoas”.

(…)

Por último, são de salientar os contributos do plano para a promoção de um upgrade tecnológico da comunidade educativa nacional (C6 e C20), independentemente da região, capaz de criar condições para a inovação educativa, pedagógica e científica, e com isso promover avanços concretos no caminho para uma sociedade mais bem preparada para um contexto de digitalização ubíqua e do ensino experimental das ciências e das técnicas. Este processo de educação e capacitação digital dos alunos, professores e instituições de ensino será da maior importância para o reforço da coesão social, para o robustecimento da resiliência societal e para a construção de uma sociedade mais justa e inclusiva, onde as condições socioeconómicas de partida não poderão condicionar as perspetivas de vida, pessoais e profissionais, das crianças e jovens. Requer um reforço continuado na promoção da cultura científica de toda a população, continuando a facilitar e a democratizar o acesso ao conhecimento.

Secção De Eventos

Onde se pode encontrar parte da fina flor da Situação Educacional, sendo que algumas figuras são de qualquer situação, desta ou outra. Temos figuras imorredoiras, sempre em mutação para assegurar posição, e uns quantos cortesãos arrivistas, crentes no Verbo Novo da Educação para o século XXI, mesmo que se tenha demonstrado que o que papagueiam é de mui escasso valor e praticamente nula utilidade fora de umas salinhas coloridas a preceito para turmas seleccionadas. Não vale a pena apontar nomes, porque todos sabemos quem são e ao que andam, mas há quem, em busca de destacamento ou requisição, já esteja a entrar na terceira década de serviços fiéis a tod@s @s senhor@s, de Marçal Grilo até ao Tiago, sem quaisquer dramas de consciência ou preocupação com coerência.

É já na 6ª feira e tem destinatários preferenciais, claro.

Evento Nacional – Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das Escolas