Tudo Isto É Muito Mau Para O Ministro Tiago

A declaração de pandemia pela OMS vai levar ao cancelamento de tanto evento internacional interessante!

Está uma pessoa à espera de ir representar o país lá fora de forma tão desprendida e acontece-lhe isto logo no primeiro semestre.

Phosga-se!

O que vale é que ele só lê quem importa. Detestaria ser o primeiro a comunicar-lhe tamanho infortúnio.

TiagoPoker

4ª Feira

Se o ME pede às escolas todos os anos, todos os meses, todas as semanas, uma enorme massa de informação sobre todos e mais alguns aspectos do seu funcionamento e acerca do seu corpo docente, que partilha com investigadores académicos certificados e comentadores do Observador, como se explica que tenham falhado de forma tão estrondosa a previsão da falta de docentes em várias regiões e grupos disciplinares (que são mais do que os anunciados)? Quando se preparam para mais outra plataforma a 360 graus, daquelas em que o mais certo é termos de passar o cartão na porta da casa de banho e assinalar o número da razão da utilização, para que serve tanta informação acumulada?

Apenas se demonstra que o acesso a informação, muita informação, de pouco vale se não se souber o que nela procurar ou que fazer com isso. O problema dos big data quando fica nas mãos de small minds é este.

Dumb

2ª Feira

É um alívio  (embora não seja pelas melhores razões, claro), saber que não é só da Educação que existem governantes com evidentes inconseguimentos verbais como bem revela a conversa sobre cházinho e bolinhos do secretário de Estado da Saúde.

crazy donald

E nas escolas, passa a existir uma mesinha com pastéis de nata e café acabadinho de moer no átrio para quem chegar mais nervoso?

Domingo

É curioso que há gente com bastantes estudos que parece não perceber a diferença entre um racista e um supremacista branco. Este é necessariamente racista, mas aquele pode não ser um supremacista e dirigir o seu racismo para alvos específicos. Um racista pode,. por exemplo, casar ou ter amigos próximos de “etnias” diferentes da sua. Isso só muito dificilmente poderá acontecer com um supremacista (de qualquer tipo) que é o extremo radical do espectro racista, pois defende a supremacia do seu grupo étnico sobre todos os outros.

Racismo

O Verdadeiro Artista…

… é aquele que exalta a necessidade de conhecimentos para fruir as Artes, mas em matéria de Expressões manteve, durante quatro anos de mandato, a redução do peso das expressões artísticas no currículo (nesse aspecto não se distinguindo em nada da “direita” da troika), enquanto multiplicava o espaço exclusivo da Educação Física. A separação no 2º ciclo da Educação Visual e Tecnológica em duas disciplinas sem par pedagógico manteve-se, fragmentando uma abordagem de técnicas que estão fatiadas a 90 minutos semanais. Tal como a Educação Musical. No 3º ciclo, a presença das Artes é residual, pelo que é de uma muito particular falta de decoro que se escreva o que a seguir coloco (p. 33), de forma a que se perceba que não é feita qualquer manipulação do texto pensado e assim escrito.

IMG_1917IMG_1918

Alguém me explique, devagarinho e com factos concretos, porque é que um dos autores desta longa passagem – com a qual concordo na formulação e substância – pouco ou mais exactamente nada fez para que fosse possível concretizar uma efectiva educação artística nas escolas públicas, investindo nessa componente do currículo em vez de transversalidades do tipo “Literacia Financeira” ou mesmo “Educação para o Empreendedorismo”. Que podem ter o seu lugar e sentido, mas não num contexto de completa erosão ou apagamento das Artes no currículo do Ensino Básico. Houve muita preocupação em demonstrar, por vias de provas de aferição no 2º ano, que os alunos não sabiam dar cambalhotas ou fazer determinados movimentos de Expressão Física, mas nenhuma em que eles (ou os de 5º ou 8º) revelassem se compreendiam a diferença entre uma pintura e uma escultura ou se têm alguns hábitos regulares de consumo cultural.

Já sei… é tudo uma questão de aplicação da “autonomia” por parte das “escolas”.

 

“O País Inteiro”? Alto Lá E Pára O Bailarico… Porque Há Responsáveis Directos E Espalhar As Culpas É Uma Forma Pouco Corajosa De Enfrentar As Coisas!

“O Estado falhou às populações. O país inteiro falhou. Nós falhámos”

Até um completo ignorante em fogos florestais como eu sabe – e escrevi-o – que não é a cortar árvores em beiras de estrada quase sem outro coberto vegetal ou a deitar abaixo selvaticamente o que aparece à frente para cumprir regras parvas que se evitam incêndios como os que voltaram a acontecer. O que se demonstra é que, dois anos depois, de essencial pouco mudou. Muito menos, as desculpas de mau pregador do ministro Cabrita. Até a conversa do presidente Marcelo parece fotocopiada. 

Sim, carvalhos, castanheiros, azinheiras e sobreiros são de baixo e lento rendimento.

onfire