Aquilo Que O Ricardo Costa Parece Incapaz de Entender (Mas Não É Só Ele)

A seguir ao ministro Tiago, veio dizer que Portugal fez mal em não abrir as escolas todas mais cedo, pois – diz ele – “temos agora o exemplo vivo” [sic… duplamente] de que não se deram casos de transmissão dentro das escolas. E começou a dizer que praticamente todos os países europeus tinham aberto as escolas, o que é rematadamente falso.

Ora bem… para além disso em primeiro lugar, não sei se é bem assim, essa do “exe,plo vivo” (faz-me lembrar a retórica do “dever cívico”). A propaganda vale o que vale. É como com os lares de idosos… se somarmos tudo o que se sabe aqui e e ali, excede largamente os números oficiais, mas parece que não. Enfim.

Em segundo lugar e mais importante… o problema em si não é a transmissão “dentro das escolas”, mas tudo o que envolve o regresso às aulas e pode ser levado para casa. Se o pessoal urbanito da geração do Ricardo Costa (se repararem, os grandes críticos da não abertura das aulas andam quase todos pela mesma idade e é gente com “responsabilidades” e pouco tempo para “perder” com petizada sem aulas ) não entende isso, nada a fazer. É como com a manutenção de centenas de novos casos positivos em Portugal, dando a entender-se que é problema apenas de uns bairros. Quem defendeu o desconfinamento e logo se via, nem fala disso ou fala como se fosse tudo natural e nada de mais.

O Boris Johnson era mais ou menos assim até ter levado com a coisa na sua própria testa.

cansaco-mental

Uma Tertúlia De Idiotas

Não gosto muito de usar qualificativos deste tipo para gente que desconheço pessoalmente, apenas porque discordo das suas opções. O problema é quando as evidências se acumulam de falta de bom senso ou de conhecimento da realidade. Apesar de dois meses e meio para pensarem alguma coisa com clareza, temos remendos sobre remendos, como se tivessem vergonha de fazer desde o início o que lhes foi recomendado fora do círculo de cortesã(o)s. Errar é humano. Acertar também. Andar semanas a afinar o tiro, com os alunos, professores e famílias como cobaias no actual contexto seria crueldade, se não fosse apenas hubris descontrolada. Individual ou de clique. Espero, com paciência escassa, o dia em que percebam que é apenas estúpido obrigar os alunos do Secundário a irem a aulas presenciais de todas as disciplinas, quando os encarregados de educação os não deixam voltar às aulas, quando nem sequer vão fazer exame de 2 ou 3 dessas disciplinas. Nem vale a pensa estar a explicar a imbecilidade de certas medidas, porque ou são imbecis e não percebem nem com desenhos em 3D ou são vaidosos e teimosos e só cederão quando conseguirem fazer o recuo passar como avanço. Há dias, alguém no fbook escrevia que estávamos a ser injustos com um certo governante, porque até seria o melhor em toda a equipa. Mas isso é escasso, porque ser o melhor entre medíocres não nos torna bons, apenas menos medíocres ou mais capazes de passar uma imagem menos negativa. Como aquele aluno a quem se dá 4 (ou 14) porque a restante turma é tão má, tão má, que nos sentimos obrigados a destacar quem se esforça muito, disfarça moderadamente que copia a wikipédia, aparece todos os dias e até é bem-falante.

Conspiraestup

Pensamentos Da Pandemia – 7

Dizem que a economia não pode parar ou que é preciso retomar. Não interessa o porquê concreto, mas desde dia 4 que tentamos cá por casa dar o nosso contributo. Mas garanto-vos que tirando as cobranças, quase ninguém está interessado em retomar seja o que for, pelo menos com um mínimo de qualidade e rigor, desde entregas a serviços “presenciais” e muito menos centros de atendimento e reclamação. Ou então, está muita gente a retomar no ponto onde ficou, o da falta de competência e profissionalismo que alguns parecem só ser exigíveis aos professores.

palmada

Justifica-se Que Exista Algo Chamado CTT “Expresso”…

… quando em poucos dias, são duas as encomendas que o sistema SIGA indica não terem sido entregues por estar o destinatário ausente, quando um tipo está em casa e até levou com dois sms a avisar, um na véspera e outro logo de manhã, que a coisa chegava?

Pior… no caso anterior, a encomenda não terá sido entregue a 12, o sistema indicava que tinha sido deixado aviso no posto errado dos CTT e quando chegou (o aviso, a 14), já eu tinha conseguido descobrir onde estava e recolhido.

Hoje, começou novo processo… não percebendo para que se paga um serviço “expresso” que nem se preocupa em parar à porta dos destinatários, provavelmente com medo que um vírus esteja alojado na a campaínha.

E viva a privatização dos correios!

Turd

A Circulatura Da Interpretação Única E Legítima

  1. Há umas conversas em circuito fechado acerca da melhor maneira de lidar com uma situação que não é de solução clara e evidente.
  2. O gabinete de um governante manda cá para fora, de modo discreto ou nem tanto, uma espécie de fuga de informação sobre a solução provisória pensada após esse “diálogo”, mas de maneira que possa ser sempre negada a sua autoria ou legitimidade.
  3. Conforme as reacções, acerta-se ligeiramente a proposta oficial que agora se torna recomendação/instrução e se envia, em primeira mão, aos canais de comunicação “certos”, tradicionais ou inovadores.
  4. O documento em causa aparece publicamente por fim com chancela mesmo oficial (mas nem sempre com assinatura clara) e só então chega aos directamente interessados.
  5. Percebe-se que o documento está mal redigido, porque é pouco claro numas passagens, omisso em outras ou apenas disparatado em aqueloutras. Surgem as críticas que se acusam de apenas colocarem “problemas” e não terem lido correctamente o que foi determinado por mentes reconhecidamente preocupadas com o bem comum da Nação.
  6. O tal governante vai à televisão apresentar a interpretação legítima do raio do documento, sempre que possível sem qualquer contraditório e com um@ pivô adequadamente compreensiv@ com o interesse nacional numa situação de crise como esta.

Circo2

(o processo reinicia-se as vezes que forem necessárias e conforme as mijinhas tidas como indispensáveis para ser possível limpar as mãos à parede dos inconseguimentos e incompetências)

Dia 46 – Os Paradoxos do “Reskilling”

Ligo a televisão e vejo uma jovem especialista em recursos humanos de nacionalidade indefinida a falar em inglês “técnico” acerca da aceleração do reskilling nestes últimos meses. E não consegue esconder o entusiasmo perante o que ela diz ter sido uma transformação rápida no mundo do trabalho que antes se dizia ser matéria para anos.

diario

#EstudoEmQualquerLado – TIC – Lição 2

Não fiz ainda qualquer vídeo-coisa com alunos, pelo que a lição não se baseia em experiência pessoal, mas em depoimentos de quem já experimentou essa forma inovadora de comunicação, em que o meio se transforma na própria essência do acto pedagógico. E sublinho que não se trata de petizes petitinhos.

  • Uma vídeo-conferência é uma designação que se aplica em primeira medida a uma conferência com imagem, mas os intervenientes podem optar por prescindir do uso dessa mesma imagem.

Mas:

  • O facto de uma pessoa desligar a sua câmara, não significa que deixa de ver o que as outras pessoas estão a fazer se tiverem ligadas as suas.
  • O facto de uma pessoa desligar a sua câmara, não significa que deixa de ouvir o que as outras pessoas estão a dizer se tiverem o seu microfone ligado.
  • O facto de uma pessoa desligar o seu microfone, não significa que deixa de ouvir o que as outras pessoas estão a dizer.
  • Uma vídeo-conferência não é um canal de chat.

Hoje a lição é curta… para não cansar muito o pessoal.

palmada

 

 

Tudo Isto É Muito Mau Para O Ministro Tiago

A declaração de pandemia pela OMS vai levar ao cancelamento de tanto evento internacional interessante!

Está uma pessoa à espera de ir representar o país lá fora de forma tão desprendida e acontece-lhe isto logo no primeiro semestre.

Phosga-se!

O que vale é que ele só lê quem importa. Detestaria ser o primeiro a comunicar-lhe tamanho infortúnio.

TiagoPoker

4ª Feira

Se o ME pede às escolas todos os anos, todos os meses, todas as semanas, uma enorme massa de informação sobre todos e mais alguns aspectos do seu funcionamento e acerca do seu corpo docente, que partilha com investigadores académicos certificados e comentadores do Observador, como se explica que tenham falhado de forma tão estrondosa a previsão da falta de docentes em várias regiões e grupos disciplinares (que são mais do que os anunciados)? Quando se preparam para mais outra plataforma a 360 graus, daquelas em que o mais certo é termos de passar o cartão na porta da casa de banho e assinalar o número da razão da utilização, para que serve tanta informação acumulada?

Apenas se demonstra que o acesso a informação, muita informação, de pouco vale se não se souber o que nela procurar ou que fazer com isso. O problema dos big data quando fica nas mãos de small minds é este.

Dumb