O Risco Da Incompetência É Muito Superior (Até Porque São Os Outros Que Sofrem Com Isso)

Isto é ministro para dias “gordos”, com muitas viagens e “eventos”. Massa humana de minguado calibre para tempos complicados, quando a prioridade é apenas parecer bem ao PM. Já o secretário, mais matreiro e com outros “andaimes”, anda encoberto. Porque sabe que um dia se escreverá História e não apenas estórinhas de embalar mentecaptos.

“Custo do encerramento das escolas é bem superior ao risco”, argumenta ministro da Educação

No meio disto tudo, ainda temos as maiorea federações sindicais à deriva, a tentar acertar o passo com quem mexe os cordelinhos, também a não quererem desagradar e a representarem-se a si mesmas. Entre umas “mesas de negociações” e o risco dos professores que dizem “envelhecidos” e com milhares “, não hesitam.

Claro que a decisão vai ser “política”, porque “científica” não será.

Quando se fecham as escolas, há todo um conjunto de actividades que também é reduzido na comunidade, como as deslocações, incluindo os transportes, e as entradas e saídas na escola, com uma tendência para que se sejam feitas em grupos, quer se queira, quer não. E depois finalmente há ainda a atitude da maioria dos países da Europa que, quando optam por confinamentos, têm optado por algum fecho de escolas.

António Diniz, pneumologista

Entretanto, arranjam sempre um “mas”. Claro que é possível… apenas demora mais e tem mais custos em vidas, mas deve ser “o preço de ser humano”.

Fechar as escolas reduz transmissão de forma mais acentuada, mas é possível fazer descer o R com aulas presenciais

A Pós-Modernidade Selectiva

Do que adianta as criaturas comprarem zingarelhos do melhor e andarem agarradas a eles o dia todo se, cum camandro das coincidências macacas, sabem todos os updates do face as notícias ao segundo excepto aquilo que era necessário ler, para não ter de ser explicado três vezes cara a cara, em salas climatizadas a 35 graus à sombra?

Ser (Ou Não) Desagradável

Depende das perspectivas. Há situações em que ser-se desagradável é a única forma de fazer entender que certos comportamentos e atitudes não podem passar em claro. Há quem não goste. Em especial quando isso é mais do que justo. E tanto mais quanto maiores forem as responsabilidades (e os disparates ou mesmo flagrantes más práticas) de quem não merece que se dê a outra face ou se sorria para ver se tudo fica em claro. Não faz o meu género; prefiro ser tido como desagradável do que como complacente ou cúmplice. Até porque não acredito muito na justiça divina no Além, Aquilo já deve estar tão povoado que até quem seja omnisciente e omnipresente terá dificuldades em detectar tod@s as sacaninhas que lá dão entrada. Pelo que é muito importante que se comece a fazer o trabalho logo pelo Aquém.

É Páscoa, Pessoal!

Chegou o ministro e o secretário andarem a bombardear o pessoal com programações, aparições diversas e recomendações variadas na 6ª feira santa para muitos (eu sou incréu, pelo que é o menos). Os xalentes só se ganham no fim. Há tempo para se exibirem daqui a dois dias, Não corram tanto que ainda tropeçam antes da meta.

Leiam qualquer coisa de jeito (estou a começar O Barão Trepador do Italo Calvino e a questionar-me porque ainda não o fizera).

Ide comer qualquer coisa doce.

Beijos e abraços.

ovos

(amanhã, não faltarão a música matinal e o verbete diário, mas é porque está tudo programado antecipadamente)