Lá Por Fora

School board members face growing threats across America

The text messages came just days after Sami al-Abdrabuh was re-elected to the school board in Corvallis, Ore.

The first, he said, was a photograph taken at a shooting range. It showed one of his campaign’s lawn signs – the “Re-Elect Sami” – filled with bullet holes.

The second was a warning from a friend. It said that one of his neighbors was looking for Mr. al-Abdrabuh. The neighbor was threatening to kill him.

Like many school board races this year, the one in May in Corvallis, a left-leaning college town in the northwestern corner of the state, was particularly controversial, not only about the coronavirus pandemic, but about the teaching of Mr. Too. Al-Abdrabuh called the “dark history” of America’s struggle with race. Even months later, Mr. Al-Abdrabuh, the chairman of the school board, is still taking precautions. He regularly talks to the police and scans his driveway in the morning before walking up to his car. He often mixes up his daily commute to work.

(…)

Pandora Papers

The largest investigation in journalism history exposes a shadow financial system that benefits the world’s most rich and powerful. Read more.

Parece-me peixe miúdo mas, de algum modo, sigificativo:

A nova fuga de informação do ICIJ inclui três políticos em Portugal. O vice-presidente do PSD, Nuno Morais Sarmento, usou as Ilhas Virgens Britânicas para ser sócio de um hotel em Moçambique. Vitalino Canas teve uma procuração passada para abrir contas em Macau. E o ex-ministro Manuel Pinho transferiu o seu dinheiro para uma nova companhia offshore quando quis comprar um apartamento em Nova Iorque

Afeganistão

Parece o país mais ingovernável e inconquistável dos tempos modernos, a menos que seja por talibãs. Depois do fracasso russo e americano, tenho curiosidade em ver como seria se fosse a China a tentar tomar conta daquilo. Eu sei, não precisam dizer-me que não faz sentido. Mas lá que gostaria de ver a eficácia chinesa naquele território, gostava. O quê? Faziam estradas e pontes que colapsavam em seis meses quando as tropas dos barbudos fossem a passar?

Agora mais a sério: o que se está a passar é um monumento trágico à inconsciência militar dos tempos do Bush e a demonstração de que, afinal, aquela guerra tecnológica e “inteligente” é um mito.

Lá Por Fora

O cenário é péssimo, mas há quem diga que é uma ilusão e o pessoal que morre ou já morreria de qualquer maneira ou foi de unhas encravadas, urticária intensa ou sinósite intempestiva.

Apetecia-me Proferir Uns Impropérios, Mas Ficam Para A Próxima

Britânicos e alemães põem as escolas sob suspeita na transmissão da covid-19

(…) O que convenceu Boris Johnson a encerrar as escolas no Reino Unido, quando decretou novo confinamento por causa da covid-19? Estudos de cientistas britânicos divulgados em Dezembro, quando o número de casos de covid-19 começou a disparar e foi detectada a nova variante do coronavírus, mostraram uma clara relação entre as taxas de infecção entre os alunos e pessoal das escolas e as da comunidade.

(…) O caso do Reino Unido é talvez o melhor conhecido, e o mais falado, pela dimensão que a pandemia reassumiu naquele país. Mas este não é o único país europeu que, face à escalada de infecções, voltou atrás na política de manter as escolas abertas, pelo receio de que as crianças possam espalhar o vírus, apesar de não terem sintomas.

A Alemanha é um deles: o encerramento das escolas foi incluído nas medidas mais restritivas impostas a partir de 13 de Dezembro. No dia 5, a chanceler Angela Merkel anunciou que creches, escolas e lojas não essenciais devem permanecer encerradas até 31 de Janeiro, e foram limitados os deslocamentos a um raio de 15 km em torno do domicílio, nas zonas onde o número de casos é superior a 200 por 100 mil habitantes.