O Primeiro Livro (Presencial) Do Desconfinamento

Ainda não lhe perdi o jeito, mesmo se nos últimos 100 dias terei comprado apenas meia dúzia de livros online, baixando terrivelmente a minha média das últimas décadas que, pela última estimativa, terá sido de um por dia.

Foto3183

Compro quase sempre o vencedor (e alguns derrotados) do Booker, mas até pode parecer uma cedência ao espírito dos tempos joacinos. Nada disso, tenho por aí muita coisa para provar que o assunto já me interessava antes de ser moda e quando ainda dava má fama a quem se interessava pela História de grupos “alternativos” e minoritários.

 

 

Inspiracional (Ou Não)

Leiam, leiam muito. Hoje foi a vez de ouvir a Olga Pombo com um testemunho nas fronteiras dos de Marçal Grilo e Maria do Carmo Vieira em outros sábados. Até pode ser em pdf, embora eu vá morrer a preferir o papel e o objecto físico.

Neste caso, em vez de optarem por pauloscoelhos ou derivados, tentem achar este pequeno livrinho (em português está esgotado) de alguém que, em 1995, com 43 anos e uma vida no mundo do glamour parisiense (editor chefe da Elle), sofreu um AVC de tipo muito raro que lhe destruiu quase por completo o tronco cerebral, deixando-o apenas com a possibilidade de piscar o olho esquerdo, quando saiu de 20 dias de coma. Vítima do locked-in syndrome (ou pseudocoma) conseguiu comunicar o suficiente para dar testemunho de parte dos seus dois últimos anos de vida sem pieguice quase nenhuma.

É leitura para uma tarde de sol ou chuva e para nos fazer repensar aquilo que pode ser (ou não) um qualquer amanhã. Pelo que devemos defender quanto podemos o que nos deixa sãos e afastar com firmeza as influências tóxicas.

E sabe bem quem me conhece que eu discordo do “a vida é curta não te chateies”, preferindo o “a vida é curta, não me chateiem!”

IMG_2450

 

Ano Novo, Leituras Novas

Embora uma delas seja originalmente ainda do século XX.

IMG_2383

Uma espécie de guião para as próximas semanas acerca de algumas das preocupações que transbordam da discussão agora em voga se a “inovação ” se faz melhor com pufes ou cadeiras com rodinhas.

Sim, são leituras mais à canhota do que às direitas.

Já agora, porque será que por cá as publicações de malta de esquerda são quase sempre pensadas, em termos de formato e preço, para as elites vanguardistas e não para as massas? Porque não há cá nada disto? O mais próximo são os ensaios da FFMS, mas há quem diga que coiso e tal e desdenhe. Há por aí editoras todas progressistas, mas que que parecem mais seduzidas pelo mercado que os neo-capitalistas eles mesmos.

2019 – Balanço (Ficção – 2: Em Língua Materna)

Pois, não comprei nenhum Chico Buarque, nem Lobo Antunes. Dos expostos, gosto muito de quase tudo, excepção ao João Tordo, que me parece demasiado não sei quê a querer demonstrar que é mesmo literatura muito séria e pouco divertimento. Li, mas custou. Pelo contrário, o Rentes de Carvalho parece um miúdo alegre por contar as suas histórias.

IMG_2372

2019 – Balanço (Ficção – 1: Traduções)

Aplica-se o que já escrevi. Nem tudo foi necessariamente comprado este ano, mas foi o ano de leitura. Da mesma forma, há o que tenha sido comprado, mas tenha sido lido até à fase em que deixou de ser, porque outras coisas apareceram e estava a demorar (A Cidade em Chamas). E há a certeza de que há alguns (thrillers, em especial) que terão de fazer parte doutro post, porque andam algures. Maior surpresa? As Quinze Vidas de Harry August. Compra automática para ter a séria completa, mas sem entusiasmo, tipo Astérix? O 6º volume da série Millenium, que continua a anos-luz dos três originais.

IMG_2371