Uma Manta De Retalhos De Não Sei Quês

Eu tentei isolar partes do programa do PAN para a “Educação, Ensino Superior e Investigação”, mas declaro-me derrotado. Parece uma sopa da pedra, mas sem as partes boas.

Mas não resisto a estes excertos, lapidares no seu neo-eduquês conceptual:

Por que razão cada professor tem de gerir sozinho a sua turma? Por que tem de ter uma turma? Por que tem de haver reprovação? Por que tem de haver um professor a falar e um grupo de alunos a ouvir, ou a fingir ouvir?

(…)

A implementação da flexibilidade curricular deve ser acompanhada de adequada reflexão e inovação nos seus processos e dinâmicas organizacionais. Por outro lado, a descentralização de competências pode representar a oportunidade de reorganizar as relações entre todos os agentes da comunidade, onde a escola não fica isolada no seu papel educador. Para tal, necessita de conseguir integrar e potenciar as sinergias da comunidade, não descurando a ligação à Academia.

(…)

Em contraponto à escola fábrica apresentamos a escola das emoções, da natureza, do desporto e das expressões pelas artes, onde vigora a transdisciplinaridade, e a empatia surge como o maior facilitador da construção de relacionamentos sociais, promovendo a liderança natural.

PAN

 

Flexibilizando Por Aí…

Este tipo de prosas parece mato nos dias que correm… pelo menos nos sítios onde as dão a conhecer a tempo de se discutirem:

  • O trabalho de projeto é um modo intencional que permite a articulação de saberes, possibilitando uma aprendizagem ativa e integradora das diferentes áreas curriculares (cruzar as Aprendizagens Essenciais, o Perfil dos Alunos e a Educação para a Cidadania de Escola)
  • Possibilita a realização de projetos de natureza multi, inter e transdisciplinares;
  • Valoriza o processo e centra o trabalho nos alunos;
  • Aposta no desenvolvimento das competências do Perfil do Aluno;
  • Possibilita o reforço das aprendizagens.

Heartbeat-Gif

Pelo Educare

E fica aqui a terceira peça para publicação “externa” esta semana. Tal como os textos no Público (2ª feira) e no JL/Educação (4ª feira), foi escrito com alguma antecedência. Confesso que, dos três, este é o que mais me divertiu, quase por certo por ser o que afronta mais o neo-eduquês que se está a instalar de novo no discurso “pedagógico” do Poder..

Da Utopia à Ficção Útil

O discurso sobre a nossa Educação está repleto de referências a “utopias”. De forma recorrente surgem políticos e pedagogos a justificar as suas opções com o caminho em direcção a uma “utopia” que eles consideram ser o “sonho” que a todos deve mover e que por ser inalcançável por definição impossibilita qualquer avaliação da sua validade.

pg contradit

E Fecho O Dia Com Uma Verdadeira Pérola Que Só Posso Transcrever Integralmente Pois Tem Reconfigurações, Paradigmas E Transformações Absolutas

Portalegre/Educação: Ariana Cosme reúne professores e psicólogos para “transformar a escola”

Cerca de uma centena de professores e psicólogos do distrito de Portalegre vão participar, sábado, numa sessão de trabalho centrada na Educação Inclusiva.

Ariana Cosme, professora de Psicologia e de Ciências da Educação na Universidade do Porto e autora de obras sobre a reconfiguração da profissão docente, vai estar em Portalegre para trabalhar com os docentes e “ajudar” a mudar a prática de sala de aula, mudando o paradigma educativo.

Em declarações à Rádio Portalegre, Luísa Moreira, do Centro de Formação de Professores do Nordeste Alentejano (CEFOPNA), promotor da iniciativa, disse que “o que está em causa é uma transformação absoluta do que é o mundo da escola”.

Segundo a professora, esta transformação pretende “olhar a escola centrada em cada aluno, construindo um plano de aprendizagem individual”.

A sessão de trabalho, com o apoio da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA), vai decorrer sábado no anfiteatro do agrupamento de escolas do Bonfim, em Portalegre, entre as 9h30 e as 17h30.

Burros

(isto “semos” nós, os que ainda não captaram o espírito do novo paradigma transformador inclusivo reconfigurado)

 

Talvez Seja Do Cansaço…

… mas só me ocorre o termo palhaçada para muito do que se está a passar em matéria de Educação e faz lembrar o pior da falta de decoro em tudo isto. Se vai ser a equipa da doutora Ariana (falta o doutor Trindade, será que aparece numa segunda fase da avaliação?) a auto-avaliar o projecto de flexibilidade e autonomia curricular que ajudou a definir, com um enquadramento teórico razoavelmente ultrapassado (basta começar a ler a introdução para nos “localizarmos” na segunda metade dos anos 80 do século XX), só falta mesmo que o David Rodrigues coordene a equipa que venha a fazer a avaliar a implementação do regime jurídico da educação inclusiva. Já estou por tudo. Como nos tempos daquelas avaliações da equipa do Roberto Carneiro às Novas Oportunidades. Estou cansado de moderar apreciações… apesar das “aparências” de rigor, com quadros e estatísticas e tal, o relatório que divulguei uns posts abaixo é mais uma peça de “missionação” do que um olhar “científico” sobre o que é estudado.

A passagem que se segue faz-me recuar ao tempo em que estas teses ainda sobreviviam quando fiz a profissionalização, a terminar o século XX.

Assim, mais do que medir, descrever ou julgar (Guba e Lincoln, 1989), pretendia-se contribuir para estimular os atores educativos no terreno, levando-os a participar nesse processo de modo a que, como defendia Kemmis (1988), a avaliação possa ser entendida como um processo através do qual se projetam, obtêm, conferem e organizam informações e argumentos que resultam da reflexão sobre o problema em debate. (p. 5)

Repito… alguém que defende este tipo de abordagem à “avaliação” de políticas educativas tem moralidade para impor qualquer espécie de avaliação aos outros?

Ouroboros

 

Isso Significa Que O Passado Foi Todo Mau E Não Teve Futuro?

Sim, eu sei que os destaques editoriais por vezes não são os mais felizes e até entendo – com boa vontade – a ideia, mas isto parece-me aquele tipo de adesivagem situacionista que me arrepela tudo. As minhas desculpas ao novo director do Centro de Formação de Escolas do Concelho de Almada (José M. Lemos Diogo, adjunto de um anterior secretário de Estado) se o que quis dizer não foi bem o que ficou escrito, como se o nosso passado não tivesse sido marcado por nada disto. A mim, impressiona-me a forma como há quem ande com tanta vontade em amesquinhar tudo o que foi feito, para que a mediania actual parece excepcionalidade. Os arautos do futuro do futuro começam a chatear, de tanto teclarem sempre o mesmo.

IMG_9801

(sim, também vem no JL/Educação de hoje)

Eu Ainda Sou Do Tempo…

… em que quando se preparava uma reforma educativa com alguma profundidade se produzia mais do que legislação e powerpoints. Em que quem preparava a “reforma” produzia para o ME documentação explicativa (folhetos, pequenos livrinhos, “manuais” de maior dimensão) para distribuição (gratuita) pela escolas e professores ou, nos casos mais restritos, pelos Centros de Formação, como no caso de publicações do I.I.E. (se não souber o que significa é porque é um millenial). Sim, à medida que os anos 90 foram avançando, foi possível encontrar muita publicação (na Asa, na Porto, na Texto, etc) em que essas pessoas depois também assinavam obras de multiplicação do que estava escrito nos outros documentos.

Sim, havia casos em que parecia a mesma coisa, com outra roupagem. Nem de propósito, alguns dos nomes que se liam nessas obras são reencontráveis agora ou então até já passaram pelas secretarias do poder (ocorre-me coisas sobre o sucesso pelo inefável gualter e amig@s, quando ele ainda pensava ser do cds). Mas existia toda a documentação que o próprio ME disponibilizava. Lembro-me de passar pelo rés-do-chão da 5 de Outubro, pela Biblioteca e por lá existirem obras que podíamos trazer, até com estatísticas, sem ser necessário recorrer a fundos extra. Agora as coisas mudaram e com o pretexto da revolução digital, a única coisa que se desmaterializou – ao ponto da evaporação – foi o material de apoio, conciso, claro, sobre as reformas em implementação.

Circulam os tais powerpoints e em nome da “autonomia” espera-se que as elites da conceptualização grelhística produzam os documentos “locais” sobre o assunto. E, em alguns momentos, acontece o descalabro, mensurável pelo volume da documentação produzida em forma de exibição de saberes esotéricos que transformam o que deveriam ser instruções claras e “abertas” (ousaria qualificar como “flexíveis”) num arrazoado imparável.

Incluo em anexo o texto de um dos principais nomes (Joaquim Colôa) ligados à Educação Especial/Inclusiva que denuncia exactamente esta nova deriva de quem, por certo, terá menos aulas para dar do que a maioria e, sem qualquer dúvida, menos alunos em quem concentrar a sua atenção e esforço.

Acabei de descobrir uma organização que para implementar o tal de 54 já tem disponíveis 9 documentos/formulários + um novo manual interno… isto só para a “educação especial” (sim que isto das inclusões não é para devaneios multidisciplinares muito menos de toda a escola…. arrumadinhos na tal gavetinha é que ficam bem) + uns 3 ou 4 para o SPO (que estas coisas multidisciplinares não se misturam)… Se “inventarmos” que a “coisa” necessita de monitorização…. pressupomos que nascerão mais uns 3 ou 4 documentos/formulários (sim que isto do multiníveis é muito inovador e diz que a monitorização é muito importante)… Se o antes era muito burocrático… fico entusiasmado a imaginar quantos formulários/documentos conseguiram “abater” com tamanha inovação… pelas movimentações grupais e inspirações formativas já desconfiava mas agora tenho quase a certeza…. HÁ ZONAS DO PAÍS COM UM VINHO MUITA BOM!!!

Ainda bem que não sou apenas eu a escrever que a comitiva vai com velhas novas roupagens que só podem ter saído de cabeças preocupadas com tudo, na prática, menos com os alunos.

Stupid2

6ª Feira

Prestes a terminar o primeiro mês. Já existem baixas e alguns regressos perfeitamente impensáveis. Não são poucas as pessoas que começam a considerar quanto tempo aguentarão. Dará para chegar ao Natal? Entretanto, recrudescem as exigências porque a cada nova investida de normativos corresponde nova camada burrocrática. O exercício da docência já contempla há uns bons anos uma componente de representação do acto pedagógico para justificar qualquer opção que não seja de sucesso garantido. Mas essa componente continua num crescendo imparável. A anunciada greve a “reuniões para as quais os professores forem convocados, caso não se encontrem previstas na componente não letiva de estabelecimento do seu horário” e mais umas outras chatices tem sido algo pedido por algumas pessoas (ou pelo menos ameaça-se vagamente com o incumprimento das tais burrocracias redundantes) mas fico sem perceber como isto funcionará: sendo “greve” como se serão contabilizadas as faltas, em especial se as reuniões forem sucessivamente convocadas por inexistência de quórum. Na base das 35 semanais? E o pessoal que der todas as suas aulas durante este período verá o valor dessas faltas desaparecer do salário? A sério que esperam mesmo uma grande adesão a este tipo de greve que, apesar de estimável e compreensível, é mais do domínio da conversa de café? Não conseguiriam antes fazer convocatórias de plenários de professores para as datas de eventuais reuniões intercalares? Em especial quando acontecem em horário pós-laboral?

Sim, já sei que sou um “guinote do restelo” que para o ex-pai albino e cortesãs do SE Costa, assim como para muitos indefectíveis do sindicalismo ortodoxo, mas isto parece-me uma coisa um bocado inconsequente atendendo a todo o contexto vivido. Até porque com as regras existentes sobre reuniões ao abrigo do CPA quase tudo vai acabar por ser feito e só se irão lixar materialmente os mesmos do costume, porque os mandantes vivem em pleno as suas “dispensas”, enquanto anunciam que já podiam ser professores “superiores” ou mesmo coisas mais importantes para a Nação.

Este é um discurso divisionista, será uma das críticas evidentes. Só que para se “dividir” há que existir uma “união” qualquer que eu não vislumbro depois da greve da outra semana (e que uma colega sindiclaista qualificou no meu mural do fbook como “óptima” [sic]) e da manifestação que se lhe seguiu e que teve um impacto de menos que zero no Governo, a menos que se considere que o “Temos Pena!” do actual PM não é pura e simplesmente um gozo total, a pedir mais que eles até agradecem os contributos para o Orçamento.

Estamos num beco sem saída? Há quem ache que só com o próximo governo se conseguirá algo, mas sem dizerem que tipo de governo estão a prever. Há quem diga também que as lutas não atingem os seus objectivos sem grandes esforços e muito tempo. Sim, pois, mas há coisas que se conseguem de um momento para o outro, basta ver a rapidez com certas pessoas arrumaram a sua vidinha às cavalitas dos contratados e como outros conseguem estar décadas a lutar das 9 à meia-noite (excluindo a época dos banhos). E sem qualquer avaliação do desempenho.

É altura de baixar os braços?

Não, pelo contrário. E nem vou falar muito sobre as vantagens da ILC em relação a petições da treta.

Falo da denúncia clara dos abusos – com exemplos e sem receio de ferir susceptibilidades pseudo-amigas – que estiveram na base da concepção e implementação dos decretos 54 e 55/2018 que parecem ser considerados maravilhas legislativas por mais gente do que seria razoável esperar, atirando-se para as escolas e professores eventuais falhas na sua “operacionalização”. Há muita coisa que poderia e deveria ser denunciada, mas, infelizmente, há quem tenha preferido vender-se por muito pouco ao “sistema”. Basta ver como se replicam “formações” da treta com powerpoints da maria-cachucha sobre a Educação Inclusiva.

O polvo dos interesses, favores e tenças mais ou menos disfarçadas em troca de apoios públicos está em amplo crescimento e bem alimentado. Sou obrigado a reconhecer: o costismo está de parabéns e bem ancorado nas “redes sociais” e outros espaços digitais que, mesmo quando criticam o ME, protegem devidamente quem deve ser mantido longe das críticas, enquanto não ruma em definitivo para paragens mais elevadas. Há demasiadas cumplicidades em forma de muralha d’aço.

O pântano tresanda e, voltando ao princípio, cada vez existe mais gente no terreno incapaz de respirar em condições. Mas a falta de ar puro também diminui o ânimo para reagir. E el@s sabem isso.

Stink

A Meio da Semana Começam a Faltar-me As Palavras Para Isto

Não é por ser pessimista ou “guinote do restelo” (expressão saída da cabecinha do pai Albino no mural do fbook do SE Costa por altura do prós&contras) que estas coisas me deixam assim como que desvinculado do ponto de vista conceptual e cognitivo.

Eu sei que a colega que me enviou isto (Portuguese-manual Resiliência) o fez com a melhor as intenções e eu quero desde já dizer que acho muito importante promover a “resiliência” em toda a gente que não pertença à “elite” político.empresarial nacional e respectivas cortes.

O que me desvincula é perceber que isto é daqueles projectos “europeus” (a publicação tem perto de 3 anos) que a UE apoia com generosidade, bastando ver a quantidade de autores e colaboradores (são as 3 páginas entre a 4 e a 6 do documento) espalhados por uma série de países periféricos da Europa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Recomendo vivamente a leitura dos testemunhos de alguns dos participantes (pp. 18-19) que me fazem pensar que realmente há pessoas a dar aulas que parecem andar com os olhos fechados a maior parte do tempo e a necessitar de vez uma qualquer “Luz” que lhes ensine o básico da função que exercem.

Mas para dar cabo mesmo de tudo, apesar da má qualidade gráfica, é indispensável dar atenção ao mapa conceptual do projecto ali na página 21. Entre o “Ser” e o “Tornar-se” há o “Fazer”.

Resil1

Senti-me esmagado. Mas sou resiliente. Hei-de conseguir ler o resto, apesar dos quase incontroláveis acessos de riso ao ler passagem atrás de passagem do mais puro linguajar eduquês arraçado de outras “capacitações” transcendentais, meditativas, holísticas e very mindfulness.