Eu Assumo Que Toda A Gente É Honesta, Que Não Há Cunhas Ou Amiguismos, Mas A Realidade É… Digamos… “Desafiante”

A informação foi avançada pela CNN Portugal, que refere que o alvo da operação conduzida pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da PJ é o secretário-geral da PCM, David Xavier, estando em causa suspeitas de corrupção e outros crimes associados à violação de regras de contratação pública a empresas privadas, de bens e serviços para o Governo.

A estação televisiva acrescentou que as buscas estão a decorrer em gabinetes ministeriais, mas também a residências.

E As Vagas, Senhores?

Não chega todo o processo da add, ainda tem o ME de reter o despacho sobre o número de vagas para acesso ao 5º e 7º escalão? Não chega termos pelas escolas muitas sadd a atropelar todos os procedimentos administrativos mais básicos, com o beneplácito dos serviços centrais da tutela? Ou a definirem como data de progressão, o dia em que se lembram de reunir para o efeito, mesmo que as pessoas tenham cumprido todos os requisitos muitos meses antes, excepto a reunião d@s sáddic@s? Já não chega o modelo ser a bosta que é, será mesmo preciso deixá-la a fermentar ao sol deste Verão? Só hoje é que se anuncia que está para publicação a dita coisa?

Porque seria mesmo interessante que se fizesse um balanço da aplicação das regras de progressão, não apenas nos escalões com quotas, mas em especial nos casos de reclamações e recursos, porque há de tudo… desde quem tem a decência de fazer a leitura da lei mais adequada aos interesses dos docentes até aos que “esticam” todos os procedimentos e depois consideram que só a data da última reunião do conclave é que conta.

Uma vergonha a céu aberto, à vista de todos, excepto do ministro sonso, suas cortesãs e cortesãos, quantos deles mantidos no poder décadas a fio, indo sempre a favor do vento, ou elevados mais recentemente a capatazes como resultado de um invertebrado “ajustamento” ao que antes denegriam com muito ímpeto. Basta ver as emproadas lideranças de alguns têipes ou “escolas-piloto”, que se exibem nas redes sociais com as suas clientelas particulares, enquanto lixam com ph tudo e tod@s os que ousem contestar as alegdaas “boas práticas” ou as “inovações” que não passam de fancaria, pois o mais que sabem é fazer copy-paste das sebentas à venda.

3ª Feira

Andar por fora em regime de quase total jejum digital, poupa-nos a muito disparate, só que o problema é que ao “reentrar” se dá com uma avalanche dce parvoeira. Como o Chega querer criar uma nova federação sindical. Entre os professores, por exemplo, sei que tem adeptos mais ou menos assumidos, mesmo se vai perdendo o seu principal ideólogo na área. Em outras profissões, tem gente muito “musculada” como tive oportunidade de perceber há umas semanas. Aquilo não se brinca com a agremiação, que só não tem uma tropa de choque porque lhes falta ainda a quantidade, porque a “cólidade” existe. Na mesma área da parvoíce, destaque para a promoção de Alexandra Leitão a “algo” na área do PS alegadamente menos canhoto, com a chancela do Expresso numa entrevista que entra por caminhos mirabolantes se nos lembrarmos do que ela fez e disse quando foi governante. Desculpar-se comas Finanças, como o outro sonso fazia, é de uma enorme falta de coragem porque ou na altura comeu e calou ou agora anda a tentar tgomar-nos por idiotas.

Já nada de idiotas têm os promotores e envolvidos em certas iniciativas e eventos da responsabilidade da Secretaria Geral da Educação e Ciência ou da DGAE, com destaque para algumas efemérides envolvendo o POCH. O aluguer de uma sala por um dia “para aluguer de sala “para a realização, no dia 23 de março de 2022 do Evento Anual do POCH e serviços associados” foi coisa para 15.000 euros se incluirmos o IVA. Mas confesso que o meu contrato favorito é o que versa a “Aquisição de Serviços de Avaliação sobre a Avaliação [sic] do Contributo do PT2020 para a Digitalização da Educação” pela módica quantia de 94.500 euritos mais IVA. Porque é inovador. porque já não se trata de pagar estudos de “avaliação” ou “monitorização”. agora avalia-se a avaliação numa perspectiva de meta-análise da coisa. O dinheiro não falta na área da Educação, temos é de saber como o sacar. Ou de encontrar quem invente qualquer coisa que justifique o saque. Eu proponho um estudo para “monitorizar a monitorização do contributo do POCH para o desenvolvimento da imagem do POCH junto do público do POCH”. Chegam uns 100.000 euros se for para fazer ao longo de um ano.

2ª Feira

A distância não melhora nada o retrato do ocasional rectângulo que termina a velha Europa. Pelo contrário, agiganta a pequenez das gentes políticas e o oportunismo medíocre de quem os promove para a opinião pública à espera de um lugar à mesa da corte de cada senhor@ feudal. O desânimo com o país da choldra e das gamelas é antigo, mas talvez por isso mesmo, pela vetustez das práticas, a esperança em qualquer mudança no suíno afocinhar quotidiano já se foi muito antes do carro-vassoura.

A Ler

Do André Freire, que ainda acha que existem reservas de “pudor” por estas bandas. Será mais fácil achar gás russo.

O indício de eventual troca de favores é tão evidente que não é preciso explicar o dito. Mas é preciso sublinhar o seguinte: mesmo que tudo isto seja legal, são procedimentos que os representantes políticos deviam evitar todo o custo. Quanto mais não fosse por uma questão de pudor.

E Podem Processar-Se As Juntas Médicas À La Minute?

Isto é apenas intimidação. Vão proceder disciplinarmente contra os professores com que base?

A “reitora” deixou-nos um belo discípulo. Ou melhor, ficaram até muitos, mas há uns que são mais iguais do que os outros.

Se juntas médicas detetarem irregularidades, Ministério Público é informado e é aberto procedimento disciplinar.

Trajectos

Ainda acerca de um dos assuntos sobre os quais escrevi ontem. Não é que este alguma vez tenha enganado muito, mas sempre fica mais à vista o que andou a fazer uns bons anitos.

Ahhh e tal… que uma coisa era a isenção e ética profissional e outra o que se decide fazer a dada altura da vida? Até poderia acreditar, se também acreditasse que quem os escolhe para estes cargos não faz isso com base na tal “confiança política”. E nestas matérias o Medina não brinca… ou não tivesse sido comentador avençado da TVI. Uma mão paga, desculpem, lava a outra e as duas enlameiam-nos a vista.

Ex-diretor de informação da TVI vai ser consultor de Fernando Medina

Domingo

Continuo a achar fascinante como a antiga directora da DGEEC tem tantas e tão fundamentadas opiniões sobre a falta de professores e o modo de a resolver. Só posso acreditar que durante os seus tempos no cargo – não sei se ainda se lembram do episódio da pen numa espécie de conferência de imprensa com o ministro Crato – este em estado de objecção de consciência, pois foi o período da PACC e do afastamento de muitos candidatos à docência. É sempre engraçado como este pessoal muda de posição – quando ousa tê-la – conforme as cores que serve ou deixa de servir. É um dos privilégios de se ser “especialista”. Ora se faz uma coisa, ora se diz outra. Ora se colabora com o afastamento dos professores, ora se diz que é escasso o que se faz para os chamar de volta. E que tal se não tivessem ajudado a lixar tudo desde o início?

Mas por cá o que está a dar é chamar para resolver o problema, que ajudou a criá-lo, alegando que à altura não se sabia do que poderia acontecer e que quem chamou a atenção para isso não passava de alarmista, negativo ou pessimista. Lá que se tivesse razão e existissem “evidências” claras nesse sentido, não interessa nada.

Desisti…

… ainda na primeira volta e em parte porque o Carlos Daniel decidiu dar a António Costa o direito de resposta, ainda antes de todos terem direito a falar. Primus inter pares, assim às escancaras? Não quero saber se falaram de Educação ou não, pois tudo ficará na mesma, mesmo que pareça mudar alguma coisa. E quanto ao país, só está em causa o rotativismo das clientelas prioritárias no acesso à bazuca.