O Ano Mais Longo

Este ano lectivo não estará resolvido antes de Outubro, quiçá Dezembro, em especial no que diz respeito ao Secundário e 12º ano. A avaliação anda em terrenos movediços, porque, no essencial, em muitos agrupamentos e escolas, não se fizerem em devido tempo adaptações claras aos critérios estabelecidos no início do ano. E há gente (não apenas encarregados de educação, é bom que se note) que por se sentir menos “confortável” com o que se passa ou apenas porque a pandemia não melhorou nada em maçãs bichadas há muito tempo, irá fazer isto esticar até aos limites da irracionalidade. E como o mundo não pode ficar ainda mais vulnerável ao chico-espertismo, haverá natural reacção contra quem vai querer virar isto em proveito próprio, por via da ameaça e intimidação. E depois há demasiada gente com acesso directo a quem pode. E isso também gera muitas desigualdades e seria bom que quem muito proclama virtudes éticas e republicanas ou desligasse o zingarelho ou aprendesse a ignorar. Mas não tenho muitas esperanças. Porque não há pingarelho com um cheiro de poder que não sinta ter a chave da caverna dos tesouros.

telefone

Acho Difícil Conter Este Verdadeiro Vírus Da China

Muito mais daninho para o país do que qualquer outro.

O Ministério Público requereu ao juiz do caso EDP que o presidente da EDP, António Mexia, e o presidente da EDP Renováveis, Manso Neto, sejam suspensos das suas funções. As medidas de coação incluem ainda o pagamento de uma caução de dois milhões de euros.

mexia1

(em outros tempos seria defenestrado após um par de chumbadas no lombo… agora deverá escapar como escapam todos estes tipos que vendem a pátria por 30 milhõe4s de moedas)

Uma Boa Posição Para Fazer Algo De Muito Útil Pela Vidinha, Desculpem, Pela Classe Docente

Lambe botas

(porque não há como amar tanto a docência que uma pessoa se sacrifica ao ponto de a deixar para os outros… mas sempre com espírito de “missão”, seja-se coordenador de estabelecimento de comes e bebes ou subdirector para as questões da transcendência administrativa imanente)

A Gazeta Da Corte – 2

Professores arcaicos e insubmissos, sem cartão da cor certa, temei, que os cortesãos alpinistas começam a ver os serviços reconhecidos.

Diplomas para Publicação em Diário da República:

(…)

tacho

(podia ser hipócrita, mas não me apetece… acho mesmo que depois destes anos de aparelhismo, o CIP tem o “perfil” adequado para este tipo de cargos)

Alexandra I, A Reversora

Podem ficar com o 1% para o que bem entenderem. Depois dos impostos não deve chegar a 10 euros por mês. Já quanto à inversão da municipalização, muito poderia ser dito acerca do contexto de crise e a percepção de que muitas autarquias (não digo todas, como é óbvio) estão longe de ter a acapacidade técnica e humana para gerir o parque escolar, centros de saúde e outras matérias em condições. Com os dinheiros comunitários do 20/20 ainda vá, mas na actual situação?

Transferência de competências na Educação, Saúde e Acção Social irão até 2022

Alexandra Leitão afirma que não pode “responsavelmente” assegurar que seja possível manter o compromisso do Governo de “pagar aumentos de 1%, em 2021”, aos funcionários públicos.

Aleitao

O Triunfo Dos Suínos (Locais)

O presidente da Câmara da Trofa, Sérgio Humberto, colocou um “gosto” numa publicação no Facebook feita por um funcionário municipal na qual este sugere que se transforme a Assembleia da República numa câmara de gás.

“Se houver quem ponha aquele espaço a funcionar como uma câmara de gás, eu pago o gás”, afirma o coordenador da equipa de assistentes operacionais da Câmara da Trofa no fim de um texto, publicado no seu perfil pessoal de Facebook, em que se insurge contra as comemorações do 25 de Abril na Assembleia da República.

pig

(claro… depois dirá que foi um like sarcástico…)

Não Queria Acreditar, Mas…

… os contactos que fiz ontem e hoje confirmam-me o essencial do que publiquei acerca das ameaças (ali pelo segundo semestre de 2019) de um grupo de directores “jovens” acederem a classificação que os isentasse de quotas ou então que se demitiriam (o que duvido muito), o que permitiu a muitos escaparem a esse gargalo de progressão.

O complicado é que… quando um tipo escava as coisas, descobre, qual Vasco Santana de prego e martelo em punho, o que não espera, só que desta vez não é branco, nem tinto, apenas um truque “legal” (como me foi sublinhado) para ultrapassar a questão das quotas por outra via.

Em “expilico”

Ao que parece houve director@s, em número que não me é possível apurar, que se demitiram do cargo para serem avaliadas como docentes “regulares” e assim obterem a classificação desejada para a progressão(por vezes, d@s avaliador@s que nomearam como coordenador@s de departamento), voltando depois a candidatar-se ao cargo que tinham vagado, voltando a ser avaliador@s de quem @s tinha avaliado.

(claro que nada disto me foi explicado por extenso, porque já todos aprendemos que o melhor é ficarmos pela via oral…)

O que me faz lembrar aquele truque dos alunos que davam uma voltinha pelo profissional para terem grandes notas para se candidatarem à Universidade.

É “bem pensado”? É.

É legal? É.

É de uma promiscuidade aterradora? É

É este modelo de avaliação e progressão uma enorme vergonha? É.

Mas fez-se? Sim.

É vagamente moral ou ético? Não me parece (mas eu estou quase sempre enganado nestas coisas…)

Este tipo de conduta explica tanta coisa, em particular quando é feito com a complacência da cadeia de comando central. E também explica que tanta gente vã de peito feito para certas reuniões, clamando por isto e aquilo e proclamando certas posições, e delas saia com a trela posta e a cabecinha a-dar-a-dar.

cadeia-e-teia-alimentar

Recomendações De Segurança Para O Estudo Em Casa Com Um Mês De Atraso

Desde meados de Março que se começou a falar disto. O Centro Nacional de Cibersegurança devia estar em quarentena.

Só agora deu pela coisa?

Fica aqui o documento chegado às escolas muito, muito tardiamente: CNCS RecZoom.

Entretanto, há quem já ande a relativizar. E quem ande a aproveitar para dizer que nas paltaformas deles é tudo diferente.

Avestruz

 

O Que O PCP Não Percebeu

O problema da erosão do eleitorado do PCP não se explica com a tese simplória da “ortodoxia” que não cativa os “jovens”. Para um partido com 10% basta atrair 1 em 10 eleitores “jovens”. Ora, em 2019, ficaram-se pouco acima dos 6% e se a maioria dos seus eleitores está acima dos 50 ou 60 anos, bastaria 1 em 20 “jovens” para manter a coisa nos dois dígitos. Não é coisa difícil, Basta ver que o grupo parlamentar do PCP até é bastante jovem em termos cronológicos.

O problema do PCP é que, tendo-se rendido por completo à real politik do arco periférico da governabilidade, parece feliz por ter mais elogios do actual PM do que o Bloco e ter mais votos para oferecer para defender a “responsabilidade orçamental” e manter a estabilidade “burguesa” do que o PAN. Porque mesmo entre os adversários, o PCP sempre manteve – mesmo quando não esteve propriamente à altura de tais pergaminhos – a imagem de uma postura “ética” ou “moral” de alguma superioridade. Claro que a nível local conhecemos a forma como as coisas funcionam, sem grandes fidelidades à tal “ortodoxia”, mas a verdade é que quase todos olha(va), o PCP como o vigilante que poderia manter o PS afastado das piores tentações chuchalistas.

Mas isso não aconteceu e o camarada Jerónimo, por mais outdoors que mande colocar à beira das estradas a reclamar “conquistas” para o seu potencial eleitorado mais desfavorecido, nunca conseguirá apresentar como suas medidas de que o PS será de longe o principal beneficiário nas urnas. Para um partido “revolucionário”, esta postura de garante preferencial da boa governação é fatal, porque se perde o principal elemento identitário, goste-se dele ou não. O PCP atrairá um eleitorado específico se for “diferente”, mesmo que criticado. Se tiver coragem de ser contra o sistema que sempre criticou.

Ora… agora parece que o que há mais é pizzas fora de horas. Paz à vossa alma. Se é que os vossos escritos sagrados autorizam que a tenham.

Pizza