A Praga Da Cegueira Alastra

Só os professores nada devem decidir sobre Educação, quanto mais familiares a decidirem-lhes as carreiras. Deve ser por isso que o ministro Tiago não conta para nada.

Fernando Anastácio foi o responsável pelas negociações do aumento de salário, que pode agora ultrapassar o valor auferido pelo primeiro-ministro. Mas não vê impedimento no facto de ser casado com uma juíza: “Isso não me impede de tratar assuntos de Justiça”

Kama

Insultuosas E Inadmissíveis!

É como a senhora ministra da Cultura considerava há bocado, em excerto televisivo, as declarações do comendador José Berardo que todos trataram por Joe durante décadas como se ele fosse José em Boston ou Nova York.

Ora bem… acredito que sim, embora também ache que ele foi o que esteve mais perto de nos dizer com clareza, não fosse o chato do advogado, como Portugal funciona quando e onde há dinheiro.

  • Alguém dá uma aparência de riqueza, não interessando a origem.
  • Pede dinheiro aos muitos milhões e são-lhe concedidos sem especial análise de risco, porque ele é amigo de amigos e parece ser pessoa rica.
  • Esse alguém faz o necessário para colocar os seus bem longe de qualquer hipótese de penhora, enquanto gasta de forma pródiga o dinheiro que recebeu.
  • Começa-se a perceber que está falido em termos empresariais, mas rico em termos pessoais, embora nada esteja em seu nome.
  • Ninguém questiona onde gastou o dinheiro, nem quando chega a altura de quererem recuperar os milhões. E gostaria de sublinhar o facto de ninguém, neste contexto, questionar onde sumiu o dinheiro.

Ora muito bem… depois de analisar num segundo momento a prestação do comendador José Berardo na Comissão Parlamentar Que Não Vai Servir Para Nada Nº 349, acho que ele prestou um evidente serviço público ao povo português revelando parte – rai’s parta o tal advogado – como temos sido desgovernados e como se atingiu uma situação de buraco financeiro para o qual é preciso remendos à conta do orçamento e muitas taxas e taxinhas, públicas e privadas, para por utentes e contribuintes.

José Berardo foi mais verdadeiro que muito comentador e analista do dia seguinte. Disse como as coisas são e riu-se de quem ou é ignorante ou se fez de ignorante na dita Comissão. Até porque há muito que há quem diga que as coisas são assim, que as cardonas&varas só andaram na banca para servir de facilitadores e há gestores e governantes que não passa(ra)m de elos de ligação para distribuição dos fluxos financeiros disponíveis. Sempre que ouviram falar em milhões de investimento nisto ou aquilo, provavelmente estavam a falar apenas no escoamento de fundos europeus ou activos bancários para a vida regalada de alguns.

O mais triste é que as coisas não mudaram, apenas terão mudado para uma escala menos obscena e com procedimentos menos evidentes. Mas daqui a uns 15 anos, quando todos estes casos estiverem quase esquecidos e prescritos, acabaremos por descobrir outros que…

keep-calm-and-spin-again-2

Mas O Governo E O Conselho De Ministros De Então Tinham Secções Estanques…

… por isso é que todos aqueles que agora estão e antes estiveram nada virem, ouviram ou souberam. Assim como certos articulistas de referência que acham que estes processos são “monstros” saídos da cabeça de alguns procuradores.

Três ex-ministros dos governos de José Sócrates e dois antigos secretários de Estado: Teixeira dos Santos, António Mendonça, Mário Lino, Paulo Campos e Carlos Costa Pina vão ser constituídos arguidos no processo judicial que investiga os negócios da Parcerias Público-Privadas. A ordem já foi dada, em despacho, pela procuradora que investiga o caso.

Por sua vez, Almerindo Marques, antigo presidente da Estradas de Portugal, fez um depoimento explosivo no processo, contando, por exemplo, como recebeu ordens para destruir documentos.

grito

Acima Do Topo Da Carreira Docente Com Apenas Quatro Anos De “Serviços” (Fora O Resto)

Filho de blogger de José Sócrates contratado para a Câmara de Lisboa

Assessor de Fernando Medina vai receber uma avença mensal de 3752,50 euros durante quase três anos.

Os três contratos, desde 2015 estão aqui. Os favores são pagos de muitas formas. por quem pode.

Atente-se nas funções:

Prestação de serviços de assessoria nas áreas politicas publicas e comunicação politica, nomeadamente na promoção de ferramentas e articulação com os media, no apoio à relação com os cidadãos, no âmbito da estratégia comunicacional definidas pelo agrupamento politico do partido socialista e os seus vereadores eleitos, bem como, análise de conteúdos, recolha de informação, aconselhamento e elaboração de documentos.

Ou seja, contratado pela câmara para servir os vereadores e interesses de um único partido.

Mas, verdade se diga, há partes do seu currículo que demonstram a sua imensa utilidade em matéria de “comunicação política”:

Mas se o interrogatório de António Peixoto, pai, decorreu num registo de amnésia, o de António Mega Peixoto, filho, não foi muito diferente. O procurador Rosário Teixeira e o inspector tributário Paulo Silva quiseram saber por que tipo de trabalhos é que Mega Peixoto fez para a empresa de Rui Mão de Ferro, que justificassem, numa primeira fase a emissão e recibos em seu nome e, posteriormente, em nome do pai pelo valor dos tais 3500 euros/mês. O filho começou por admitir que fazia tais relatórios para o Grupo Lena. “Então diga-me um exemplo de um… projecto de negócios que indicou ao Grupo Lena”, atirou o inspector tributário. “Pois, já não me recordo, assim…”, respondeu a testemunha.

Mais à frente, António Mega Peixoto referiu que analisava os indicadores económicos e índices de confiança em alguns países, nomeando a Argélia, Angola e Cabo Verde como alguns dos que tinha analisado. Depois o diálogo foi assim:

Paulo Silva: Sabe quem é o presidente, o primeiro ministro da Argélia?

António Mega Peixoto: Não, neste momento já não me recordo

Paulo Silva: Não faz a mínima ideia?

António Mega Peixoto: Não.

Rosário Teixeira: E quem era o presidente da Argélia no seu tempo [quando fazia os tais relatórios]?

António Mega Peixoto: Também já não me recordo

pig