Pelo Educare

Os que partem deixam-me mais só

Ao longo dos últimos anos verificou-se um substancial êxodo docente. Na década de 2010 a 2019 aposentaram-se cerca de 20.000 docentes, sendo que muitos deles não o fizeram por terem atingido a idade legal para o fazer sem penalizações, mas porque decidiram antecipar a sua saída, mesmo com substanciais sacrifícios materiais.

(…)

Assim como não estão livres de responsabilidades, aquelas luminárias que argumentam que os professores estão demasiado “amargurados” e que as suas “frustrações” não são razão para não colaborarem em mais uma voltinha de “inovação”. Em regra, é gente que enche a boca com “utopias”, mas que não perde ocasião para ser presidente disto ou directora daquilo. Porque não há nada como mandar as tropas para a frente de batalha, para serem dizimadas, à maneira das tácticas militares sacrificiais dos generais de rectaguarda da Grande Guerra de 14-18. Gente que leva a vida em corredores, gabinetes e a debitar a mesma conversa durante décadas ou quem passa os seus dias bem longe dos alunos. Esses, infelizmente, ficam e raramente partem por vontade própria, pois o quotidiano pesa-lhes pouco.

Desses não sinto falta.

Um Assunto Muito Pouco (Ou Nada) Falado – Hipersensibilidade Às Radiações Electromagnéticas

Não sou a pessoa mais indicada e informada sobre o tema, mas o colega que me mandou estes elementos pediu para ser eu a divulgá-los como entendesse, Por isso, coloco quase tudo como recebi pois, embora acedendo à informação, sinto-me ainda a necessitar de perceber melhor todo este problema de que apenas ouvira falar, por existir um grupo no fbook a este propósito.

Exm. Senhor Director

*****

Nas sextas-feiras, das 14:30 às 15:20, na Sala 202E, senti-me bastante mal desde o primeiro dia.

Como sou hipersensível às radiações electro-magnéticas (EHS) e, por isso, tenho quase sempre comigo um analisador/medidor de altas frequências, tentei verificar, através de medições, se a causa do meu mal-estar seria causada por excesso de radiações.

Confirmei que havia excesso de radiações na sala, causada por ligações de telemóveis à Internet.

Eram tantas as conexões que se tornava impossível averiguar se os telemóveis estavam na Sala 202E ou nas salas circundantes.

O facto repetiu-se na segunda semana.

Na terceira semana, sexta-feira, 11 de Outubro, estando os alunos a realizar um teste, pude fazer numerosas medições, inclusive para tentar averiguar a localização dos telemóveis.

Durante toda a aula, as radiações oscilavam entre 400 e 600 mili-watts por metro quadrado. Muitíssimas vezes ultrapassavam o limite legal de 2000 mili-watts por metro quadrado. Várias vezes chegaram a 3000 e a 4000, sendo o limite legal, em Portugal, de 2000, inclusíve para as antenas de base da rede móvel.

Se, muitos modelos de telemóvel ultrapassam os 2000 mili-watts por metro quadrado, não é difícil, numa sala de aula, atingir aqueles exorbitantes valores.

Para se ter um termo de comparação da gravidade da situação, na viagem entre a ******* e ******, o meu medidor só ultrapassou 500 mili-watts por metro quadrado junto da antena do Hipermercado Continente. E só ultrapassou 1000 na rotunda D. Dinis, onde confluem várias antenas de base.

O excesso de radiação da referida sala, ultrapassando os limites legais, torna-se um problema de saúde pública. Não é uma questão de hiper-sensibilidade, do meu problema pessoal. O valor de 2000 foi estabelecido por critérios médicos, por se considerar que acima dele, a radiação pode causar problemas de saúde.

Embora muitos países tenham limites mais altos, o valor legal em Portugal é 2000. Na Rússia é 100, coincidente com a recomendação dos cientistas do BioInitiative Report. Na Nova Zelândia é 500.

Se na Escola não houver nenhum analisador/medidor de altas frequências, eu empresto um, para que a Direcção possa verificar a realidade por mim descrita e tentar localizar a fonte da radiação.

Suspeito que a causa será uma de duas:

  1. a) Ou há muitos alunos que têm os telemóveis ligados à Internet durante as aulas, nas salas circunvizinhas:
  2. b) Ou algum professor usa, nas salas próximas da 202E, telemóveis ou tablets como recurso pedagógico. Neste caso, a pensar nos alunos e nos professores, impõe-se equacionar a situação, em face da exposta realidade médica e legal. A tecnologia pode ser importante. A saúde não será menos…

O problema não está nos routers wireless, cuja radiação, estando  nós afastados mais de 2 metros dos equipamentos, pode variar entre 5 e 10 mili-watts: o suficiente para um EHS sentir, mas que não causa aqueles níveis de poluição electro-magnética.

Para o meu caso concreto, tinha pensado em pedir para mudar de sala, para o rés do chão à entrada, do lado direito.

Possivelmente, considerando o meu problema de saúde, poderá ser preferível ter sempre aulas na Sala A7, que é menos exposta, por não ter salas nem por baixo nem por cima. Talvez amanhã entregue um requerimento nesse sentido.

Sobre o problema do uso do wi-fi nas escolas e sobre a hiper-sensibilidade, sugiro o visionamento desta reportagem da BBC:

Não faltam estudos científicos, designadamente aqui:

https://www.facebook.com/Non-Ionising-Radiation-Biological-Effects-Peer-Reviewed-Scientific-Studies-2369076350080252/

https://www.emf-portal.org/en

https://www.sessec.org/electrosensibilidad-datos-para-el-debate/

https://bioinitiative.org/

http://electrosensibilidade.blogspot.com/

Como o desconhecimento e a propaganda da indústria contribuem para fazer crer que não existem pessoas EHS, eu estou disponível para testes…

Mas, mais importante, porém, é averiguar a situação descrita, que pode prejudicar a saúde de todos na Escola. Poucos se preocupam até com a saúde individual. Mas, alguém tem de se preocupar com a saúde pública e com o respeito pelos limites legais.

Seja como for. Nas condições daquela sala, não volto a dar aulas.

Saud. e agradecimentos pela atenção,

MR

Apagões E Outros Escaraminhões

Há coisas curiosas no Polígrafo e não é apenas o verificar muita gente menos certos articulistas de publicações parceiras. Serão “critérios editoriais”…

Uma curiosidade recente foi o aparecimento da seguinte questão:

PoliTBRSe seguirmos o link…

PoliTBR1

Porquê?

Justa ou injusta a acusação existiu e foi divulgada pela Sábado há 3 anos. E verdade se diga, o dinheiro foi devolvido.

Segundo Rui Carvalho, que ainda hoje é professor na Universidade de Coimbra, o então aluno Tiago Brandão Rodrigues terá ludibriado a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) ao pedir uma bolsa para pagar propinas na Universidade do Texas (no prestigiado Southwestern Medical Center)  onde se deslocou em Setembro de 2001 para fazer um estágio no âmbito do seu projecto de doutoramento. Isto porque, sublinha Rui Carvalho, a Universidade do Texas não cobrava propinas aos alunos que lá estudavam no regime fixado para Tiago Brandão Rodrigues. Ou seja: não fazia sentido pedir uma bolsa para as pagar.

Rui Carvalho afirma que soube da alegada fraude quando contactou a FCT no sentido de se informar sobre os mecanismos formais que seria necessário cumprir no sentido de se desvincular da orientação do doutoramento de Tiago Brandão Rodrigues. “Assim que dei o nome do candidato à senhora do departamento de bolsas, nem precisei de lhe dar a referência da bolsa. A senhora disse-me: ‘Ó senhor doutor, é uma grande coincidência estar a ligar-me porque nos últimos seis meses andamos a tentar contactar esse aluno para lhe pedir o recibo do pagamento de propinas em Dallas e não conseguimos’.” 

Rui Carvalho terá  informado de imediato Tiago Brandão Rodrigues que tinha de devolver os cerca de 18 mil euros que recebera indevidamente, o que acabou por acontecer em Setembro de 2002 por iniciativa do actual ministro.

O que não se percebe é porque a questão surgiu agora e… logo desapareceu. Porque não suscitaram questões como “beltrano foi acusado de plágio na sua obra literária mais conhecida?”. Como neste caso, justa ou injusta, a acusação aconteceu.

O Polígrafo começou bem, ocupando um espaço vazio na nosso panorama mediático, mas parece andar com umas espécie de dores de crescimento.

 

O Dia das Vias Rápidas

Na Madeira, os 9-4-2 irão ser recuperados, após aprovação pelo representante da República.

No Continente, hoje é dia de reposicionamentos com direito a retroactivos (no sentido adequado do termo e não no da dupla Carlos César/Paulo Trigo Pereira) integrais desde Janeiro, enquanto há quem ande a receber aos 25% de cada vez. E nem é bom falar nas ultrapassagens pela faixa da direita, sem quotas ou o que quer que seja, enquanto os outros continuam estacionados nas boxes.

Mais do que república das bananas, estamos na república d@s amig@s. El@s ficam bem e é bom que assim seja, @s entead@s é que se lixam.

uma_ultrapassagem

Aprendizagens Essenciais – A História Contada aos Meninos

Não são tanto as alterações de conteúdos (a Antiguidade Clássica reduzida a um fiapo, a I Guerra Mundial como se fosse uma coisa passageira, entre outras mudanças), mas o discurso a recuperar aquelas coisas do tipo “o grande remorso do homem branco” em passagens como esta:

Reconhecer a submissão violenta de diversos povos e o tráfico de seres humanos como uma realidade da expansão portuguesa; (8º ano)

Ou então aquilo que se apresentam como “Ações Estratégicas de Ensino Orientadas para o Perfil dos Alunos”, invertendo a lógica do perfil como uma ferramenta para a o tornar um Fim em si mesmo ou “O Fim”, submetendo tudo e todos à ideologia de alguns. Podem apanhar-se nacos distribuídos um pouco por todos os documentos em análise, Fico-me por um par de exemplos relativos a História do 9º ano:

Aprendizagens

Aprendizagens1

(estamos entregues à bicharada…)

Não Percebi

A irritação de Mário Nogueira na mini-entrevista dada ao Bernardo Esteves do Correio da Manhã e transcrita numa das últimas páginas da edição de hoje (não está online e eu não fotografei o cantinho da página) e na qual, a propósito da alteração de estratégia do ME em relação à flexibilização curricular, parte para acusações de cobardia, seguindo-se umas bojardas sobre a possível intervenção presidencial no processo. Ou estou muito enganado ou há qualquer coisa que me escapa que lhe anda a correr mal.

Imagem

Oxalá

Que alguns dos que elogiaram muito a coragem da SE na disputa com os colégios com contrato de associação não acabem ultrapassados no concurso de vinculação extraordinária por pessoal que tenha saído deles com muitos anos de serviço sem terem para isso passado por qualquer concurso público de colocação. Porque, a ficarem assim as coisas, adivinham-se umas coisas mesmo extraordinárias.

keep-calm-and-say-inchallah-3

Neo-Realismo

Uma família, em virtude dos seus horários de trabalho, revela-se incapaz de fazer o seu educando entrar no recinto escolar às horas adequadas. Entregue a si mesmo, o petiz entra na escola quando tem fome (hora do reforço, a meio da manhã), aparece nas aulas que entende, às horas que entende, a menos que alguém o procure pelos corredores e cantos da escola e o obrigue. Ao perceber isso, aprende a saltar a vedação da escola e ficar por conta própria durante quase toda a manhã, até voltar a ter fome (hora de almoço). A escola contacta a família, a família pede compreensão e ajuda, implora para que não se despertem as medidas extra-escolares legalmente exigíveis nestas situações. A escola continua a alimentar o aluno e, quando necessário, até lhe fornece a roupa que não tem para os frios invernais. A gratidão é momentânea. O apelo pela rua, pelas companhias mais velhas, pelo que se desconhece, é maior do que qualquer apelo sensível ou autoritário.

A culpa é da escola? Por não ser do século XXI?

Ou do falhanço social que a envolve, em que temos condições de vida e trabalho de acordo com o tal modelo de manchester, mas o fabril, exaltado pelos betos das padariasportuguesas?

São estas coisas que o sucesso verdascado não tem forma de remediar, a menos que o dêtê fique à porta de casa do petiz desde a matina com uma pulseira electrónica em punho.

bicicletas

Agradecido e Lisonjeado, Mas…

… o mais certo é ter de recusar. Porque, para este ME, como para os anteriores, receber ou dar formação não tem direito a dispensa de serviço (excepto para uma elite de escolhidos que pode ter apenas uma turma ou duas, no máximo, para ficarem ao serviço directo da tutela nas suas formações a stencil) e, por muito gosto que tenha, ter de faltar 2 ou 3 dias seguidos não dá. Não interessa se é algo promovido por vários centros de formação, destinado a colegas de profissão, mas ou gastamos os poucos dias de 102 ou não há hipótese, em especial com deslocações mais longas. Na última década, a formação dos docentes só passou a ser assegurada quase em exclusivo em horário pós-laboral ou, no caso dos formadores, por quem tenha uma situação superior, que lhe permita ausentar-se das aulas sem problemas. Para os rasos, os zecos, não há cá disso. E já lá vai o tempo em que eu gastava quase todos os meus dias por conta das férias a ir a outras escolas, conversar, conhecer, partilhar experiências. Agora, também é tempo de guardar algum só para mim e para a família. Que me desculpem se é egoísmo, mas é bem justificado.

Dizem por aí que querem o rejuvenescimento da classe docente, mas a própria formação contínua, essencial para a manutenção de alguma elasticidade intelectual, é quase sempre uma anedota, a contar os tostões, entregue sempre aos mesmos, a replicar os mesmos relambórios ou a cartilha superior, com os que podem, graças às suas circunstâncias ou o beneplácito oficial.

Haddock