Leituras Para O Início De Agosto

Não, não vou reler o livro do SE Costa, porque agora está no PNL. Chegou-me a primeira demão.

Não fazendo parte dos que anualmente fazem romaria (mais) a sul no primeiro fim de semana de Agosto e estando muito reticente a fazer férias cá dentro com os indígenas que nos supermercados oscilam entre nos olhar com um ódio imenso só por existirmos (um dia conto-vos a história da senhora “de risco” que me baptizou no regresso a um IKEA) e nos voltam a quase deitar o bafo no pescoço na fila do pagamento, tamanha a pressa que parecem ter, tenho desculpa para acrescentar umas aquisições às estantes e umas leituras ao currículo.

Encomendado logo que possível, já comecei o A Propósito de Nada do Woody Allen, que teve bastantes problemas em publicar a sua autobiografia por causa dos salpicos grossos das suas disputas com a Mia Farrow. As primeiras dezenas de páginas valem desde já o investimento, em especial quando ele explica a impossibilidade de ter complexo de Édipo. Ainda menos de meio, uma boa surpresa, adquirido  por um impulso de curiosidade com os efeitos da k-pop: Diary of a Murderer, de Kim Young-Ha é uma deliciosa digressão sobre a velhice de um assassino retirado do activo há 25 anos que começa a ter Alzheimer.

A terminar, com algum desapontamento e algum custo, O Desaparecimento de Stephanie Mailer parece-me carente da novidade e interesse dos livros anteriores de Joel Dicker, em particular do que o fez mundialmente famoso (A Verdade sobre o caso Harry Québert). Tanto esperei pela edição de bolso francesa, que comprei a tradução portuguesa e acho que podia ter ocupado o tempo de melhor forma. O editor deveria tê-lo encorajado a escrever menos uma centena de páginas. No mínimo.

Para uma semana mais desocupada de Agosto, o policial O Discípulo de Hjorth e Rosenfeldt, a ver se é tão satisfatório quanto o primeiro volume da série (lido com proveito no Verão passado, já agora) com o profiler Sebastian Bergman.

De banda desenhada, está em espera o Roughneck do Jeff Lemire.

Em dúvida, comprado há uma semana a dois euritos para assinalar o regresso a um alfarrabista, Pas de larmes por Mao de Niu-Niu. Quer-me parecer que é capaz de ir para a estante por enquanto e não sei até quando.

IMG_2991

 

Pensamentos Da Pandemia – 23

Não é que tenha assim tanto tempo, mas estou a ter de rearrumar pertences, decidir o que vale a pena manter e o que que não merece isso ou, no máximo, ir parar à garagem. Percebo que não tenho jóias, ouros, acções valiosas ou coisas assim. Tenho uns milhares de livros e outros milhares de revistas e  (ainda, garanto que sim) jornais. E se é verdade que encontro outras razões para esta mania, também é evidente que este gosto por livros resulta de uma ânsia (e prazer) por saber ou aprender (ficção ou não ficção) o que outras pessoas têm para ensinar ou comunicar. E espanta-me sempre quem prescinde disso e acha que a conversa fiada pode servir como substituto.

livros

Aproveitem

As temporadas 5 e 6 estão disponíveis no Fox Crime e só espero que coloquem todos os episódios (são de hora e meia) até à 9. Após 3 reuniões virtuais quase presenciais (ou não), claro.

A seguir, na mesma linhagem, veio a excelência absoluta do Endeavour, mas esta é uma excelente forma de passar uma tarde cinzenta em confinamento. E atentem na banda sonora das séries, que é excepcional.

 

Ano Novo, Leituras Novas

Embora uma delas seja originalmente ainda do século XX.

IMG_2383

Uma espécie de guião para as próximas semanas acerca de algumas das preocupações que transbordam da discussão agora em voga se a “inovação ” se faz melhor com pufes ou cadeiras com rodinhas.

Sim, são leituras mais à canhota do que às direitas.

Já agora, porque será que por cá as publicações de malta de esquerda são quase sempre pensadas, em termos de formato e preço, para as elites vanguardistas e não para as massas? Porque não há cá nada disto? O mais próximo são os ensaios da FFMS, mas há quem diga que coiso e tal e desdenhe. Há por aí editoras todas progressistas, mas que que parecem mais seduzidas pelo mercado que os neo-capitalistas eles mesmos.