Tanto Milhão Anunciado!

Este anúncio já tem quase dois meses, mas continuamos com net do 3º mundo nas escolas. Resta saber quem vai embolsar a parte generosa da fatia.

O Presidente da Estrutura de Missão, Fernando Alfaiate e o responsável pela Secretaria Geral da Educação e Ciência, Raúl Capaz Coelho, assinaram na quinta-feira (30 de setembro) a contratualização do financiamento de 272 milhões de euros para uma das componentes da Transição Digital na Educação. O investimento visa “assegurar o fornecimento de conetividade à internet de qualidade às escolas, e criar condições para a melhoria e utilização generalizada de recursos educativos digitais, incluindo nos processos de avaliação, bem como para a gestão eficiente do processo de transição digital no sistema educativo.”

Quero Ver Isso…

… mas é melhor encomendar um cadeirão confortável.

Como colegas contratados com 40-45 anos e mais, apesar da falta de professores em alguns grupos, tenho sérias dúvidas se isto é para levar a sério ou se será mais uma daquelas medidas feitas “à medida” de alguns.

A secretária de Estado da Educação Inês Ramires revela em entrevista as ideias do Governo para mudar a forma de colocação dos professores e os estágios. Quanto à contratação directa pelas escolas, só avançará em situações muito específicas.

Sábado – Dia 34

Quanto às promessas de o regresso ser feito só após “testagem maciça” nas escolas, percebe-se que são para arrumar com aquelas de haver computadores e banda larga móvel para todos os alunos e professores no início deste ano lectivo. Foi algo para preencher a agenda política, iludir a opinião pública e merecer o aplauso da tal opinião publicada, que tanto se cansa de escrever com ruído familiar ao fundo.

Como?

Se para a semana volta o regime presencial no pré e 1º ciclo, a testagem “massiva” vai ser feita no fim de semana? Já sei, os testes rápidos não são a coisa mais eficaz ao cimo da Terra, mas, sempre seria qualquer coisa, mesmo se transmitem uma falsa sensação de segurança. Só que, como em tanta outra coisa, ao anúncio de que a testagem seria feita, seguiu-se muito pouco. As tabelas em excel do pessoal a ser testado seguiram na 3ª feira, mas amanhã a semana termina. Onde estão as dezenas e dezenas de equipas móveis necessárias para que a testagem não passe de retórica propagandística para consumo mediático?

De que adiantam estes anúncios que, de forma repetida, não têm correspondência na prática? Como anunciar que os professores passam para a 1ª fase da vacinação (muito bem), quando não há vacinas para cumprir a promessa em tempo razoável?

Não Ando Com Pachorra Para Isto

Em Abril passado anunciou.se conectividade móvel para toda a gente no início dom ano lectivo. Pelos vistos, lá para o fim do ano haverá não sei bem o quê. Até lá temos uma rede de ensino remoto de emergência com infra-estrutura privada do lado da maioria dos alunos e da qu8ase totalidade dos professores. Outra vez.

Quanto Tempo Vão Demorar A Cumprir Isto?

O mail foi enviado há quase dois meses (18 de Dezembro de 2020). Reparem na generosidade que é revelada logo no primeiro parágrafo.

Exmo.(a) Diretor(a)/Presidente CAP/Coordenador(a) Estabelecimento,

Exmo.(a) Professor(a),

Exmo.(a) Responsável TIC,

O Ministério da Educação (ME) disponibiliza, gratuitamente, a todas as escolas públicas os serviços de comunicação de dados (vulgo Intranet e Internet) através da Rede Alargada da Educação (RAE) e de Redes de Área Local (LAN).

A RAE é uma rede segura, nacional, que interliga todas as escolas e organismos regionais e centrais tutelados pelo ME entre si e a um nó central de segurança, filtragem de conteúdos e acesso à Internet.

É, também, através desta rede que os organismos e as escolas disponibilizam serviços ao exterior.

A RAE é uma das maiores redes existente em Portugal que serve, na ligação à internet, mais de um milhão de utilizadores, tem mais de 30.000 novas sessões por segundo, uma conetividade de 40 Gbps, com espaço para ser aumentada, e liga 4331 escolas.

Estamos, neste momento, a iniciar a implementação de novas conectividades na RAE, com todas as escolas a usufruírem de acessos em fibra, com ligações simétricas – ao invés das ligações domésticas, com acessos de 1 Gbps nas escolas com maior número de utilizadores e consumos e com backup para escolas acima dos 200 Mbps.

Na hiperligação http://projetorae.dgeec.mec.pt/ poderá encontrar o planeamento e documentos úteis que ajudem na tramitação do processo, bem como alguns alertas, a destacar:

Para escolas do 1.º ciclo que passam agora para circuitos a fibra e não têm bastidor, devem informar dessa necessidade (falta de bastidor) pois faz parte das obrigações do fornecedor. Informar ainda se existe ponto de energia exclusivo para o Router no local atual ou futuro do bastidor;

Para escolas com ligações acima dos 200 Mbps, devem confirmar se existe espaço e condições (arrumação da cablagem) para se instalar o router de backup, tomada livre na régua de energia e condições para o acesso entrar na escola por outra localização que não a atual;

Para todas as escolas, sempre que existirem novos acesso a serem instalados, e se existirem condutas subterrâneas, indiquem que não pretendem passagem aérea de cablagem;

Para todas as escolas, a ligação tem sempre de atingir os débitos previstos, sem contenções, com métricas retiradas do https://netmede.pt/

Solicitamos o vosso retorno sobre eventuais questões logísticas através dos meios de contacto definidos. Solicitamos igualmente que alimentem o portal de apoio TIC com os contactos das escolas pois será, neste, que de futuro se concentrarão todas as questões relacionadas com tecnologia (o AE/Escola tem total autonomia para adicionar e remover contactos).

Finalmente, aproveitamos ainda a oportunidade para solicitar a v/ melhor compreensão para o facto de, em alguns momentos, ser originada alguma instabilidade decorrente de tal migração em larga escala. Contudo, pretendemos concluir este processo em maio de 2021. Assim sugere-se que aguardem até ao planeamento previsto, sendo que apenas estamos a tramitar, transitoriamente, os casos em que as obras de requalificação deixam a escola sem serviço. Os restantes pedidos ficam dependentes das datas de projeto.

Solicitamos a máxima partilha desta informação por todos os intervenientes neste processo. Desde coordenadores de escola, responsáveis TIC, autarquias ou técnicos externos.

Os nossos agradecimentos por todo o esforço e colaboração.

Cumprimentos,

Jorge Teixeira

Diretor

Direção de Serviços de Tecnologia e Sistemas de Informação

Av. 24 de Julho, n.º 134

1399-054 Lisboa, PORTUGAL

Tel: +351 213 949 200 

www.dgeec.mec.pt 

Foi Mesmo Só Falta De Tempo

Afinal, tiveram de andar a fazer conferências e webinares sobre assuntos muito mais importantes. E coisas para a Europa e tal. E declarações sobre o TIMMS.

Desconto na Internet básica chegou a estar prometido para 2020. Governo diz que espera ter a medida concluída “o mais brevemente possível”.

E só se fala em estudantes, que para os professores não deve ser “o momento ideal”. Muito menos para a também prometida “conectividade móvel gratuita”.

Para Memória Passada

11 de Abril de 2020:

“Assumimos um objectivo muito claro: Vamos iniciar o próximo ano lectivo assegurando o acesso universal à rede e aos equipamentos a todos os alunos dos ensinos básico e secundário”, declara António Costa em entrevista à agência Lusa, explicando que é também uma medida de prevenção para um eventual segundo surto do coronavírus.

(…)

Mais importante, no entanto, de acordo com o primeiro-ministro, é “garantir a necessidade de que, aconteça o que aconteça do ponto de vista sanitário durante o próximo ano lectivo, não se assistirá a situações de disrupção, porque houve outra face da moeda que esta crise demonstrou”.

Já lá vão mais de 9 meses. O bebé já devia estar cá fora e não apenas a espreitar a ver se…

“Ainda No Segundo Período”

Os 335 mil computadores que o Ministério da Educação (ME) anunciou já ter comprado, no âmbito do programa Escola Digital, vão começar a chegar ainda no segundo período, assegura a tutela. Estes equipamentos juntam-se aos 100 mil que foram entregues no 1.º período e serão suficientes para todos os alunos carenciados, a quem foi dada prioridade na distribuição.

Promessa Solene

Eu seja abundantemente fustigado se voltar a ousar ir a mural de colega (de qualquer género) colocar informação que contrarie qualquer teoria sobre a ligação da pandemia a estratégias de dissimulação global, seja a nossa transformação em antenas 5G móveis, seja a de a vacina não passar de um placebo para nos catalogarem todos numa base de dados para depois nos transformarem em autómatos. Depois de ler hoje uma ex-colega de escola, dizer que a verificação de factos não lhe interessa nada (e eu nem sequer recorri ao Polígrafo), acho que é inútil o meu contributo para qualquer tipo de discussão em que uma das partes assume que os “factos” não existem e que um dado laboratório pode ser ao mesmo tempo do governo chinês e ter sido usado para enviar o vírus para a América e ser da Glaxo (e da Pfizer) para depois fazer vacinas para o combater. Isto já não é bem andar a discutir no reino da pós-verdade, mas ter optado por uma realidade alternativa distante. É que eu nem estou a contestar que há empresas e grupos que vão ganhar muito dinheiro ou que isto não tem dado jeito para implementar políticas restritivas da liberdade e acesso à informação, apenas a pedir que o demonstrem de um modo verificável. Nada mais do que isso. Mesmo sendo a História uma disciplina dada a “narrativas”, aflige-me quem pareça acreditar que a terra é oca (sim, eu li o Edgar Rice Burroughs em devido tempo) e ao mesmo tempo plana (e as fotos de satélite são todas montagens e quando o Fernão de Magalhães ia dar a volta ao mundo foi morto e foi substituído por um espanhol que voltou pelo mesmo caminho).

Phosga-se.