“Crónicas Felizes”

A crónica dominical do colaborador João Tiago Eumesmo Feliz dos Santos parece que despertou consciências e já me chegou outra colaboração através da Helena Bastos, que na sua escola tem uma colega, de sua graça Maria da Felicidade Flexível dos Santos, que também gostaria de partilhar os seus pensamentos e práxis pedagógica. Como o domingo está tomado, amanhã publicarei o seu depoimento, para que novas veredas se abram ao entendimento da nossa missão social.

Maria-Felix

 

 

Eu Cá Sou Pela Igualdade De Oportunidades

Se são a favor do fim das retenções no Ensino Básico, deveriam ser contra a retenção de professores em vários escalões da carreira. Porque o professor retido “não aprende” nada dessa forma. E porque “não se ganha nada” com um professor retido vários anos à espera de vaga. Ou será que se ganha?

O Sucesso quando nasce deve ser para Todos.

Nutty Professor

A Boa E Velha Chico-Espertice

O Polígrafo era uma boa ideia, mas cedo se percebeu que era capaz de ser mais uma oportunidade de negócio com a sua incorporação no universo balsemânico. Que o seu criador se considere “negligente” nesta matéria é apenas um detalhe adicional.

Durante vários anos, o diretor do jornal Polígrafo, Fernando Esteves, acumulou a função de jornalista e editor de política na Sábado com uma quota numa empresa que, entre outras matérias, tinha no seu objeto social a “consultoria em comunicação”, uma atividade incompatível com a profissão de jornalista.

A revelação consta da acusação do Ministério Público no processo Máfia do Sangue, na qual se adianta ainda que a empresa em causa, a Alter Ego, chegou a trabalhar para a Octapharma e para Paulo Lalanda e Castro, o principal arguido. Fernando Esteves foi jornalista da Sábado entre 2005 e abril de 2017, noticiou esse mesmo órgão na terça-feira.

Money

3ª Feira

Também adoro pessoas que acham iníquo o modelo de avaliação do desempenho, mas consideram extremamente importante desempenhar com muito rigor a sua função de avaliadores. E ficam tão contentinh@s. Vão a par daquelas que abominam grelhas, indicadores e descritores, mas depois perdem horas a debater o tempo dos verbos e a largura das colunas e as letrinhas do perfil.

Homer

Demagogia É Conforme

A propósito do populismo do André Ventura e das contradições entre o que escreveu na sua tese de doutoramento e as suas posições actuais, ouvi a quase esmagadora maioria dos “analistas” e “comentadores” descrever como “demagogia” o discurso de quem defende de forma oportunista aquilo que acha que parte significativa do eleitorado quer ouvir.

Nesse sentido, com o qual não discordo, haverá algo mais demagógico do que andar a anunciar que os chumbos acabam e que isso ainda permite poupar dinheiro?

megafone.gif

Uma Nova Colaboração – A “Crónica dos Domingos Felizes”

A partir desta semana, todos os domingos, este blogue publicará a crónica de um colega a que propus que apresentasse uma visão diversa e mesmo contraditória da minha, pois há quem diga que estou demasiado amargo e sombrio, pelo que este espaço precisa de uma espécie de raio de luz que ilumine os recantos da Educação que, por deformação, eu tendo a obscurecer. A este colaborador desejo os maiores sucessos.

Crónica dos Domingos Felizes – Uma Apresentação

Chamo-me João Tiago Eumesmo Feliz dos Santos, tenho 58 anos (eu sei que pareço mais novo, mas tudo vem de dentro, mesmo a idade que projetamos) e sou professor por vocação e missão, de História mas isso nem é o que que importa mais, porque o que interessa para mim é tudo aquilo os alunos desejem aprender e é nesse pressuposto que exerço a minha função com toda a dedicação e apego que as minhas capacidades permitam.

Convidado pelo autor do blogue para fazer uma crónica semanal sobre o meu quotidiano, muito lhe agradeço por poder expressar uma visão do ensino, que eu classifico como “instrução” porque muito debate ainda há por fazer sobre o que podemos entender por “educação” neste novo mundo admirável de oportunidades e novos paradigmas que nos ofereceu este milénio. E agradeço porque reconheço que neste blogue há demasiada acrimónia, demasiada zanga, demasiadas críticas a tudo e mais alguma coisa, e é necessário um contraponto de positividade e uma atitude pró-activa e, em simultâneo, autorreflexiva de quem sente que devemos extrair sempre o melhor do que existe, agradecendo pelo papel que temos na sociedade e na formação dos cidadãos do amanhã, sendo uma perda de tempo a permanente insatisfação com o que podia ser ou o que não é, pois esse é o caminho que nos leva ao derrotismo, à falta de alegria e ao menor empenho da implementação de tudo o que tem sido possível colocar ao dispor das escolas para que elas consigam motivar todos os alunos para o desenvolvimento das suas competências e aptidões, sempre numa perspetiva que vê o sucesso para além do mensurável ou quantificável à maneira de outros tempos, preferindo como meta a expressão dos afetos e a felicidade do Ser sobre o Fazer, pois o que importa É e tudo o resto são transições menores.

Mas dispersei-me nesta apresentação, embora ache que nos devemos apresentar sem pudores e reservas, expondo-nos nesse mesmo Ser que somos, assim abrindo caminho para uma ligação plena de intersubjetividade com quem nos rodeia, potenciando uma relação de entrega ao Outro como forma de melhor nos conhecermos e enfrentarmos as nossas humanas imperfeições.

Por exemplo, hoje, domingo, dia em que para escrever esta crónica interrompi o meu trabalho de preparação da parte inicial da semana, ao qual me entrego com prazer ao contrário de colegas que sempre estão a lamentar o tempo que “perdem” (que utilização tão errada do termo quando o que está em causa é algo imanente e imperativo, mas ao mesmo tempo portador de um contentamento nascido da consciência do cumprimento de um dever que nos preenche de sentido a vida) a planificar aulas, a classificar testes ou mesmo a preparar esses instrumentos ultrapassados de um conceito obsoleto de avaliação que são os testes. Não compreendo essa atitude, submersa em sentimentos negativos que naturalmente acabam por se revelar na forma como encaram as aulas, não como um espaço aberto de liberdade em que seguimos o caminho que o grupo indica, mas como momentos de transmissão de saberes quantas vezes vazios de sentido para aqueles jovens, ávidos de uma outra forma de estar na escola, uma forma em que as fronteiras da sala e dos tais saberes se estilhaçam perante a permeabilidade de uma abordagem flexível que assenta na mobilização dos alunos para projetos significantes e assentes numa cultura cooperativa que redefine o que entendemos por currículo.

Como muito bem escreve a doutora Ariana no seu livro que vou lendo com a calma e pausas para reflexão que a sua densidade e reconfiguração conceptual implica, devemos basear a nossa intervenção em metodologias que levem ao “desenvolvimento de aprendizagens mais significativas e a estratégias que possam contribuir para promover e estimular a cooperação docente”. Pena que parte dos meus colegas esteja mais preocupada em questões menores como o tempo que dizem ter-lhes sido “roubado” ou o tempo que levam a preencher as necessárias “listas de verificação” que em bom tempo o Conselho Pedagógico considerou ser uma ferramenta obrigatória de monitorização do avanço dos projetos de que tenho sido, enquanto subcoordenador adjunto da Equipa Flexível para a Promoção de uma Cidadania Plena no Agrupamento, um dos humildes promotores.

A prosa já vai longa e o dever chama-me, pois tenho por acabar o relatório da formação a que fui há poucas semanas sobre a Como Promover uma Verdadeira Inclusão no Espaço Escolar à Luz do Decreto-Lei 54/2018 e ainda não li todo o material que nos foi enviado nem as webinares que estão no site da Direção Geral da Educação e que muito nos ajudam a compreender em maior profundidade os conceitos subjacentes ao novo paradigma de uma escola para todos.

Até para a semana, colegas, esperando que encarem a semana que se avizinha com a indispensável motivação para que o tempo pareça escasso para o tanto que temos a dar aos nossos alunos e ao serviço de uma Escola Pública de sucesso.

João Tiago dos Santos

IMG_2173

 

Um Assunto Muito Pouco (Ou Nada) Falado – Hipersensibilidade Às Radiações Electromagnéticas

Não sou a pessoa mais indicada e informada sobre o tema, mas o colega que me mandou estes elementos pediu para ser eu a divulgá-los como entendesse, Por isso, coloco quase tudo como recebi pois, embora acedendo à informação, sinto-me ainda a necessitar de perceber melhor todo este problema de que apenas ouvira falar, por existir um grupo no fbook a este propósito.

Exm. Senhor Director

*****

Nas sextas-feiras, das 14:30 às 15:20, na Sala 202E, senti-me bastante mal desde o primeiro dia.

Como sou hipersensível às radiações electro-magnéticas (EHS) e, por isso, tenho quase sempre comigo um analisador/medidor de altas frequências, tentei verificar, através de medições, se a causa do meu mal-estar seria causada por excesso de radiações.

Confirmei que havia excesso de radiações na sala, causada por ligações de telemóveis à Internet.

Eram tantas as conexões que se tornava impossível averiguar se os telemóveis estavam na Sala 202E ou nas salas circundantes.

O facto repetiu-se na segunda semana.

Na terceira semana, sexta-feira, 11 de Outubro, estando os alunos a realizar um teste, pude fazer numerosas medições, inclusive para tentar averiguar a localização dos telemóveis.

Durante toda a aula, as radiações oscilavam entre 400 e 600 mili-watts por metro quadrado. Muitíssimas vezes ultrapassavam o limite legal de 2000 mili-watts por metro quadrado. Várias vezes chegaram a 3000 e a 4000, sendo o limite legal, em Portugal, de 2000, inclusíve para as antenas de base da rede móvel.

Se, muitos modelos de telemóvel ultrapassam os 2000 mili-watts por metro quadrado, não é difícil, numa sala de aula, atingir aqueles exorbitantes valores.

Para se ter um termo de comparação da gravidade da situação, na viagem entre a ******* e ******, o meu medidor só ultrapassou 500 mili-watts por metro quadrado junto da antena do Hipermercado Continente. E só ultrapassou 1000 na rotunda D. Dinis, onde confluem várias antenas de base.

O excesso de radiação da referida sala, ultrapassando os limites legais, torna-se um problema de saúde pública. Não é uma questão de hiper-sensibilidade, do meu problema pessoal. O valor de 2000 foi estabelecido por critérios médicos, por se considerar que acima dele, a radiação pode causar problemas de saúde.

Embora muitos países tenham limites mais altos, o valor legal em Portugal é 2000. Na Rússia é 100, coincidente com a recomendação dos cientistas do BioInitiative Report. Na Nova Zelândia é 500.

Se na Escola não houver nenhum analisador/medidor de altas frequências, eu empresto um, para que a Direcção possa verificar a realidade por mim descrita e tentar localizar a fonte da radiação.

Suspeito que a causa será uma de duas:

  1. a) Ou há muitos alunos que têm os telemóveis ligados à Internet durante as aulas, nas salas circunvizinhas:
  2. b) Ou algum professor usa, nas salas próximas da 202E, telemóveis ou tablets como recurso pedagógico. Neste caso, a pensar nos alunos e nos professores, impõe-se equacionar a situação, em face da exposta realidade médica e legal. A tecnologia pode ser importante. A saúde não será menos…

O problema não está nos routers wireless, cuja radiação, estando  nós afastados mais de 2 metros dos equipamentos, pode variar entre 5 e 10 mili-watts: o suficiente para um EHS sentir, mas que não causa aqueles níveis de poluição electro-magnética.

Para o meu caso concreto, tinha pensado em pedir para mudar de sala, para o rés do chão à entrada, do lado direito.

Possivelmente, considerando o meu problema de saúde, poderá ser preferível ter sempre aulas na Sala A7, que é menos exposta, por não ter salas nem por baixo nem por cima. Talvez amanhã entregue um requerimento nesse sentido.

Sobre o problema do uso do wi-fi nas escolas e sobre a hiper-sensibilidade, sugiro o visionamento desta reportagem da BBC:

Não faltam estudos científicos, designadamente aqui:

https://www.facebook.com/Non-Ionising-Radiation-Biological-Effects-Peer-Reviewed-Scientific-Studies-2369076350080252/

https://www.emf-portal.org/en

https://www.sessec.org/electrosensibilidad-datos-para-el-debate/

https://bioinitiative.org/

http://electrosensibilidade.blogspot.com/

Como o desconhecimento e a propaganda da indústria contribuem para fazer crer que não existem pessoas EHS, eu estou disponível para testes…

Mas, mais importante, porém, é averiguar a situação descrita, que pode prejudicar a saúde de todos na Escola. Poucos se preocupam até com a saúde individual. Mas, alguém tem de se preocupar com a saúde pública e com o respeito pelos limites legais.

Seja como for. Nas condições daquela sala, não volto a dar aulas.

Saud. e agradecimentos pela atenção,

MR