Nunca Me Pareceu Outra Coisa

Mas há quem precise de outra coisa para sobreviver à mesa e prolongar a ilusão de que estão a conseguir algo.

“Eu o que quis foi, apenas, apreciar a questão formal – mas toda a forma tem algum conteúdo – que era a aplicação da lei do Orçamento através de um processo negocial já agora no ano em que nos encontramos. Foi só isso”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

HisMastersVoice

Anúncios

A Mentira É Que É Lamentável

Porque só quem mudasse de escalão no próximo dia 1 é que teria esse tempo contado e todos os restantes a partir da data da mudança de escalão, sem que isso tivesse efeitos práticos (com escalões de 4 anos, de nada serve antes de 2021), excepto para quem passasse do 4º ao 5º escalão, passagem essa que está sujeita a quotas e se aplica a um número residual de docentes.

“O Governo lamenta o facto de os educadores e os professores dos ensinos básico e secundário não poderem ver contabilizados já a partir de 1 de janeiro de 2019 os dois anos, nove meses e 18 dias”, previstos no decreto-lei hoje vetado pelo Presidente da República, lê-se num comunicado do gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

Esta declaração é de uma enorme falta de pudor, porque se baseia num “facto alternativo”. Pela minha parte, podem guardar este tempo de serviço onde bem entenderem. se possível onde o sol não chegue.

Mentira

A Estratégia Comunicacional Anti-Ruído

Já passou pela indiferença em relação às críticas, como se não existissem. Depois, os casos foram-se acumulando em diferentes áreas da governação. A permanência de uma lógica de Estado Mínimo, em pouco diverso do pafismo de Direita, tem custos, como sabemos desde as experiências que se sucederam desde os anos 80 e 90 em países como a Inglaterra, em que Blair não reverteu propriamente aquilo que Thatcher e Major tinham feito, destruindo serviços públicos ou preocupando-se mais na sua instrumentalização a baixo custo. Em caso de necessidade, os críticos seriam imediatamente associados ao tempo anterior de Passos/Portas e seriam necessariamente de “Direita”.

No caso da Educação, esta estratégia teve sempre como elemento central a explícita ou implícita tentativa de associação de qualquer crítico aos tempos de Nuno Crato e ao “mais com menos”, mesmo quando o novo poder anda há três anos exactamente a pedir a mesma coisa, que se faça mais e mais com o mesmo ou menos.

Mais recentemente, em virtude da acumulação de disparates, a reacção tornou-se mais nervosa e, fazendo lembrar outros tempos, passa por domesticar alguma comunicação social, beneficiando da situação de crise dos media tradicionais, assim como pelo lançamento de lama no ventilador acerca de quem se mantém mais chato em algumas críticas. Mesmo que as faça com dados concretos, diz-se que são “insinuações”. Quando se pede que exista contraditório a afirmações lançadas sem que se perceba a substância, acusa-se que o faz de não ter credibilidade, de ser isto e aquilo e ainda aqueloutro. Mas quase sempre por interposta pessoa ou por meios que, no mínimo, são eticamente vergonhosos. Para ver se “abafam o ruído”.

Exemplificando: eu escrevo o que tenho a escrever, com o meu nome e cara e só não coloco mais notas de rodapé e links nos artigos que escrevo porque isso não é muito “legível”. Já disse e repeti que não pretendo o lugar que alguém ocupe ou queira ocupar. Gosto de ser professor, por muito que tentem destruir as condições em que exerço a docência. Pelo contrário, existem criaturas virtuais que enviam mails a espalhar mentiras objectivas em várias direcções, insinuando conspirações diversas, intenções ocultas terríveis. Levei semanas a aturar uma dessas criaturas a tentar tudo para eu alinhasse numa estratégia de “destruição pessoal e familiar” de alguém que costumo criticar, em troca de informações erróneas que me apresentavam como “segredos bem escondidos”. Só quando respondi repetidamente que não alinho nesse tipo de estratégia é que desistiram. Então passaram para outra fase… a de me enlamearem a mim, pessoal e profissionalmente, com a alegre colaboração de geringoncistas da luta permanente. Ainda há dias, alguém presente nas reuniões de certas plataformas me contou o tempo perdido a dirigirem-me ofensas em vez de se fazerem espertos e deixarem de ser enr@b@d@s a sangue frio pelo Centeno à vista de todos.

Calma, malta.

Calma.

Respirem fundo.

Aguentem-se ao barulho e tentem não usar truques tão sujos. Porque andam a entrar por caminhos que em pouco se distinguem daquilo que dizem criticar.

Não espalhem tanto a sombra.

Longe ou perto.

E eu percebo quando tentam chegar perto. Para intimidar. Na sombra. Porque, em regra, sois cobardes.

Não tenham medo de debater à luz do dia, sem ser numa posição duplamente privilegiada, pois têm acesso exclusivo a informações que cá fora não se sabem e têm o poder de oferecer contrapartidas aos vossos apoiantes.

Eu sei que a escrita desalinhada ainda vos incomoda, em especial quando tem do seu lado algo de mais concreto do que chavões mal aprendidos, mas… eu prometo que um dia digo que o imperador ou vizir ou rei ou ministro vai ricamente vestido. Sem ser preciso tença, ok?

emperor-clothes

 

A Carga da Brigada Ligeira

Agora é o “investigador e professor universitário” Manuel Carvalho da Silva que, por entre umas bicadas ao governo, também aparece a enlamear os enfermeiros por estarem a colocar em causa a confiança dos portugueses no SNS. Quando a própria ministra pede desculpa aos enfermeiros, percebe-se que o ex-líder da CGTP está preocupado é com isto:

Agora, emergiu a designada “greve cirúrgica” promovida por dois “jovens” sindicatos e um movimento inorgânico, aparentemente sob a inspiração ideológica da bastonária da Ordem dos Enfermeiros. Pela sua duração e focagem nos blocos operatórios e em hospitais de grande relevo, pela forma de financiamento dos grevistas, e também pela complexidade e importância do setor, é normal que esta greve seja socialmente questionável e efetivamente questionada, suscitando justificadas interrogações.

O que tem ele a dizer do seu camarada de sindicalismo (passado) e partido (de sempre) quando anuncia que 2019 será o ano de tidas as lutas dos professores?

Que está a colocar em causa a confiança dos portugueses na Escola Pública e a empurrá-los para o ensino privado?

Há por aqui algo estranho… se o PCP/CGTP têm alguma prova de algo, apresentem-na, se têm suspeitas, desenvolvam o raciocínio de forma coerente. Se o objectivo é apenas fazer um frete ao governo e “matar” qualquer tipo de sindicalismo ou movimentos “inorgânicos” que escapem ao seu controlo, estão a desempenhar bem o seu papel.

Carga

Um Azar do Caraças

Um tipo tem uma pequena pausa, liga a TSF e apanha o Paulo Baldaia a comentar a greve dos enfermeiros, a simular com pouca habilidade que não se limita a ecoar a cartilha do PS sobre como os enfermeiros estão a perder a opinião pública, ali com umas pitadas de outras coisas, completamente incoerentes. Exactamente a mesma conversa que foi feita quando da greve às avaliações dos professores. A máquina continua oleada. Antes os sermões daquelas rádios evangélicas.

Torre