O Faroeste Do Secundário

Os relatos que me chegam de muitos conselhos de turma desta semana são pavorosos, como se a situação de pandemia justificasse tudo e mais alguma coisa. A casta que já antes estava instalada, de gente que acha que sabe muito porque até fez esta ou aquela formação oficial em estudos bíblicos, tomou o gosto pelo poder e decide o que bem entende, atropelando qualquer critério ou procedimento em vigor, sempre “em nome do interesse dos alunos”. Quem antes não fazia nada passou a ter direito a 10 automático; quem pouco ou nada fez, apenas demonstrando existir passou a ter direito a 14, porque certas auto-proclamad@s madresteresas ou mandelas de agrupamento ou escola não agrupada passaram a ter poder de mando sobre quase tudo e não hesitam em atropelar o que lhes parece a mais ténue desconformidade em relação às suas crenças míopes e tantas vezes medíocres. Que conseguem fazer vencer na base de uma variante nada soft de bullying.

Ainda bem que sou “básico”.

E isto é já o futuro.

Shame

 

Isto É Mesmo Gozar Com Que Trabalha

ISTO É MESMO GOZAR COM QUEM TRABALHA!

RAP dixit. E bem! Mas isto não é somente o talk-show que nos faz rir aos domingos à noite.

Ele há Escolas que se julgam ainda na Idade Média. Porquê? Porque acham que o seu quintal é um feudo, e como tal, ninguém mais lá manda a não ser os seus donos. E as suas intelligenzias acham-se acima das leis.

Faz lembrar aqueles tempos socrático-rodriguistas, em que, numa deriva afetivo-socialista, nasce o conceito de escola inclusiva – politicamente corretíssimo! – mas que, paulatinamente, vai dando lugar a todo o tipo de abusos e oportunismos.

Lembra-nos os famosos EFA’s em que, em turmas de trinta alunos, alguns (muito) adultos, faziam o favor de ir à escola mostrar-se à razão de uma vez por mês, dizer de que país tinham vindo e para que é que precisavam do diploma de Dupla Certificação. E sem fazer rigorosamente nada, esperavam a dita aprovação para “dar como concluído” o curso Secundário e irem às suas vidas.

Mas atenção, como Sócrates & Rodrigues tinham 12.000 diplomas para distribuir para cumprir as metas europeias do sucesso escolar à força, os professores eram encostados à parede para compactuar com esta fraude. Senão, abria-se-lhes um inquérito, ora pois! Se alguém quisesse fazer um trabalho sério, ao inferno com ele!

Por causa de EFAs e CEFs desta natureza, e cuja intenção inicial era uma nobre ideia de recuperação educativa das franjas mais desfavorecidas da sociedade, oriundas de bairros mais ou menos marginais ou de PALOPS, muitos professores mudaram de escola, por não suportarem a pressão do faz-de-conta-sem-vergonha em que aquele ensino rapidamente se tornou.

Nesta fase, à sombra dos desaires familiares e anímicos dos nossos adolescentes, alguns que se acharam de férias, a partir daquela fatídica sexta-feira 13 em que lhes anunciaram o fecho das Escolas por tempo indeterminado por conta do COVID-19, vimos de novo surgir uma cassette dos bem-pensantes sobre a falta de equidade, que, na prática, lança alguns dos meninos para a total impunidade e desresponsabilização.

Inúmeros professores por este país fora andaram a fazer formações, às vezes até pagas, sem descanso na Páscoa, a construir recursos, a inventar novas estratégias para cativar as já tão facilmente dispersas mentes dos jovens, com a última palavra em tecnologias digitais, para cativar suas excelências, que, por natureza, vivem agarradas a tudo quanto é gadget e para quem “viver nas nuvens” é, não só literal, como indispensável.

Para garantir que as aprendizagens se continuariam a realizar de forma a não quebrar o vínculo com a escolaridade e manter o elo com os textos, livros, imagens, vídeos, power-points, filmes e tudo aquilo que pudesse cativar o seu apelo pelas novidades, muitos professores prescindiram de muitas noites e fins-de-semana, ficando a trabalhar incansavelmente, durante três meses consecutivos, para que os seus alunos aprendessem, sem olhar a meios, nem a gastos pessoais, nem a esforços.

Muitos já passaram a meia-idade e estão cansados. Mas sem o lamentar, fá-lo-iam de certeza de novo, pois nestas coisas, é a consciência profissional que os reconcilia com o travesseiro à noite.

O que nada faria prever é que agora levaram com a menina dos 5 olhos nas mãos, ao verem as suas notas votadas em Conselhos de Turmas cheios de tias e tios, inteligentes e conscienciosos, com um discurso do coitadismo-sindicalista, “ah e tal, a falta de equidade que o sistema pôs a nu…” Então, bora lá nivelar pelas benesses do 2º período! Como é que é???

Entendamo-nos no seguinte: alguém duvidava da falta de equidade nas nossas escolas? Mesmo no regime normal e sem pandemias, temos lado-a-lado nas nossas turmas o menino-filhinho do Sôtor-Juíz, que se dá ao luxo de ter 3 telemóveis de 700 Euros cada, (um para os pais, outro para a namorada e outro para os amigos dos chats) e o miúdo do bairro de lata, que até foi para aquela Escola porque a mãe é mulher-a-dias daquela senhora que a autorizou a dar a sua morada para ele lá entrar.

Todos sabemos disto. Ou não sabemos? Isto é novidade para alguém? Isto não apareceu com o COVID!

Não sabíamos já que os alunos que trazem melhores trabalhos e fazem apresentações com mais qualidade são aqueles cujo background cultural em casa assim o propicia? Não conhecemos os alunos que nos enviam trabalhos de um MAC, editados a partir de programas avançados como o Latex, que têm uma qualidade gráfica que se distingue a léguas logo pelas imagens de capa?

Estes miúdos não vivem na Boavista nem nas Galinheiras, mas nas Torres de Lisboa ou por aí. Não choca os tios e tias que se classifiquem alunos destes com 18 ou 19 valores, antes ou depois da pandemia.

Durante este período, atípico é certo, muitos souberam aproveitar o tempo para desenvolver e aperfeiçoar competências nas áreas que mais gostavam. Todos esses merecem notas altas e aqui não ousaram discordar ao ponto de exigir votação da nota.

Mas choca os corações sensíveis das tias dos CTs que se dê 8 ou 9 a quem se baldou persistentemente, ficando “fora da rede” sempre que isso lhe dava jeito, mas não para os grupos de Whatsapp ou para manter contacto com os YouTubers da sua predileção.

Estes jovens alegavam nunca ter cobertura de rede quando era preciso, sempre em casa dos avós ou nos confins lá da terra, para efeitos de enviarem um email de 15 em 15 dias com uma tarefa atribuída, ou sequer dar resposta a um simples convite da Classroom, para o qual basta ter um endereço do gmail.

A compaixão tomou conta dos corações sensíveis, que se acharam no direito de proteger essas criancinhas desvalidas, que, coitadinhas, ficaram em situação atípica e desigual, embora com tudo o que é aplicativo instalado nos seus smartphones de última geração. Isto depois de esses anjinhos terem confessado à frente da turma, no regresso ao regime presencial, que “se acharam de férias desde Março e então deixaram andar, sem fazer nenhuma das tarefas solicitadas” confessando “preguiça e desleixo”… E assim se dá um estímulo ao oportunismo e à impunidade para os futuros adultos. Que belo exemplo!

É ajudar a crescer, isto? É criar cidadãos responsáveis? É contribuir para um percurso escolar de maior qualidade? Não, não é! E quando as atitudes excessivamente protecionistas e paternalistas vão ao arrepio das propaladas exigências de manter um padrão de excelência e prestígio da instituição, alguma coisa aqui não bate certo.

Podemos então perguntar-nos porquê e para quê andámos a ter tanto trabalho para facilitar a consolidação das aprendizagens e, em muitos casos, facultar novas aprendizagens, se depois não são passíveis de uma avaliação consequente?

Alguns Grupos Disciplinares e Departamentos que mais parecem Senhores Feudais, Schoguns da pós-pós-modernidade, resolveram, ao arrepio do Decreto-Lei nº 14-G/2020 de 13 de Abril, não dar cumprimento às avaliações sumativas e meramente repetir as classificações do 2º período.

Só podemos concluir que trabalharam para o boneco os professores que se esfalfaram a ver trabalhos e enviar as correções dos mesmos e foram desrespeitados na sua profissionalidade; e foram injustiçados os alunos que cumpriram, trabalharam e deram um feedback sistemático do seu empenhamento.

Que nos perdoem os respeitabilíssimos doutores Eduardo Sá e Daniel Sampaio, mas isto é gozar com quem trabalha, senhores! Mesmo!

Lisboa, 29 de Junho de 2020

(Docente do Ensino Secundário)

exclama

É Uma Forma De Iniquidade Como Outra Qualquer

Escolas onde, em especial no Secundário, e para se provar que tudo correu mais melhor do que bem durante este período e que as metodologias foram supé-adequadas, as notas estão a ser engordadas como um peru nas semanas antes do Natal. O que é uma inflacção como outra qualquer, privada ou pública, e uma iniquidade (o contrário de equidade) extrema para com os alunos de escolas onde ainda resta algum bom senso e sentido deontológico mesmo em tempos de emergência. Os santos populares já terminaram, mas o arraial só está a começar.

carrossel

 

A Crónica Mensal No Educare

O Ano De Todo O Sucesso

(…)

Não tinham sido necessário tantos avisos, nem sempre coerentes, dos governantes, do primeiro-ministro (com a sua insistência numa “avaliação a sério” no 3.º período) ao secretário de Estado com as suas prédicas regulares sobre as novas formas de avaliação e a necessidade de adaptar ferramentas e metodologias e toda aquela ladainha que se ouve há quase 30 anos, mas parece que é cascata sem fim.

(…)

O sucesso vai aumentar, não porque os alunos se adaptaram maravilhosamente ao ambiente digital e os professores mudaram radicalmente o seu “paradigma” quanto à avaliação, mas porque em tempos de crise se deve fazer o possível por não agravar as situações de maior fragilidade. É uma espécie de parênteses, aberto para que no futuro todos possam retomar alguma “normalidade” e então se fazer o balanço de tudo isto.

O sucesso não vai aumentar por causa do ensino remoto (justamente designado como “de emergência”), mas apesar dele.

pg contradit

 

Pelo Público

Porque é importante perceber que certos “sucessos” não passam de ficções produzidas para esconder que – na vida real extra-portões – a realidade é a da erosão do que foram 200 anos de árduas conquistas sociais e de aumento das desigualdades que nenhum diploma automático do 12º ano consegue ultrapassar, sem as adequadas “conexões” ou cartão.

E quem aparece por aí a clamar que a flexibilidade, a inclusão e a descentralização são o alfa e ómega para singrar no século XXI não passam de peões na lógica-centeno que mantém em funcionamento do “mais com menos” e devolve o manual no fim do ano. Tudo com chancela de “esquerda” e pózinhos de pseudo-consciência ambiental (daquela que abate coberto vegetal e espalha alcatrão e piso sintético para fazer pistas “ecológicas” para tardo-hipsters tugas).

Pode a Educação mascarar o retrocesso social?

A sociedade ocidental do século XXI perdeu a dimensão meritocrática que marcou o século XX. E não há níveis de sucesso escolar que possam ocultar isso.

PG PB

4ª Feira

Dia de JL/Educação, em que gosto sempre de ver como destoo do resto das prosas, no caso de hoje destinadas a provar, demonstrar e inscrever em pedra que a retenção/chumbo/repetência é um flagelo que é possível combater até à sua erradicação. Objectivo que não recuso. Mas, em todas essas prosas, entre as quais avulta a maior qualidade do texto de João Couvaneiro, elevado a porta-voz mediático da política educativa do governo, uma espécie de Porfírio Silva mas em menos hipócrita, falta um aspecto essencial: quando os alunos e famílias optam por não colaborar, por virar as costas à escola onde apenas vão buscar o que lhes interessa (o convívio, o almoço, o “armazém” para depósito da criançada) ou que nem sequer por lá aparecem (e não me venham com aquilo da denúncia de todos os casos para as CPCJ ou “forças da autoridade” porque isso apenas significa que não sabem do que falam ou escrevem), a culpa é apenas e só da escola e dos professores? São estes que “falham” quando há encarregados de educação que nunca se deslocam à escola, que não justificam faltas, que não se responsabilizam pelos seus educandos ou quando estes adoptam uma atitude de clara e inquestionável recusa de colaboração, por muito que se tente e faça?

A verdade é que já vejo muitos desses a passar de ano, apenas por “antiguidade”. Porque “tem de ser”, mesmo quando não fizeram nada que o merecesse e tudo foi tentado no âmbito pedagógico ou mesmo de relacionamento social e pessoal?

O passo final é começar a transitar alunos que apenas passaram pela escola para fazer a matrícula, mas já vi a coisa mais longe. Porque é mais “barato”, porque são os “mais desfavorecidos”, porque “todos têm direito ao sucesso”.

Polegares

(claro que tudo se torna mais ridículo quando se diz isto a quem está anos a fio num escalão por não ter vaga, mesmo tendo avaliação de Muito Bom, porque a política geral e de proximidade é a do gargalo por onde passam apenas os que dão a patinha e revelam “espírito de equipa” ou “colaborativo” com todo o género de disparates)