A Sério?

Porque será que isto não me espanta? Embora este tipo de análise só seja possível em investigações independentes, porque se for um grupo criado a dedo pelo SE Costa dirá que foi tudo melhor, mas muito melhor, porque passaram quase toda a gente, com base em muitos registos, relatórios e monitorizações. E depois vem o CNE validar tudo, mais uns “especialistas” e ex-governantes, desde que lhes encomendem qualquer coisa por fora, de preferência a nível local, a coberto do programa coiso e tal.

Está em desenvolvimento uma enorme fraude, que não é nova, apenas aumentou a escala da falta de decoro em tudo isto. Dizem que estão a rever o programa, mas a avaliar por medidas recentes, será para piorar ainda mais o que já é uma rebaldaria completa. Porque é uma rebaldaria? Há vários factores, mas digamos que o mais constante é o do que considero uma enorme pressão hierárquica para produzir sucesso. Se há boas práticas e bons exemplos? Claro… mas serão a regra em relação à flexibilidade costistas?

Resultados internos e nos exames nacionais em escolas TEIP estão cada vez mais longe dos das restantes, aponta um trabalho pioneiro de um investigador da Universidade do Porto.

5ª Feira

Haverá quem ache que chega “ser bom menino” para se ter boa classificação num trabalho escolar; eu mesmo, confesso que acho “querida” a expressão que saiu a rapaz matulão perante a evidente incompreensão da professora. Mas há qualquer coisa de profundamente errado, desculpem, errado não se diz, direi antes desadequado em tudo isto. Talvez seja eu que estou a ver mal as coisas, a não encarar estas problemáticas pela perspectiva certa. Mas, não sou capaz de aceitar sem protesto todo o processo de infantilização que se instalou, mansamente, na nossa “educação de sucesso”.

Domingo – Dia 28

Todos os anos recebemos nas escolas orientações sobre a avaliação dos alunos. Todos os anos somos bombardeados com a mesma condescendência dos teóricos e burocratas acerca das metodologias que devemos adoptar para melhor e mais justamente avaliar os alunos, de modo formativo, diferenciado, equitativo, individualizado, flexível, motivador, mobilizador, etc, etc, etc, como se tivéssemos anualmente de revisitar sebentas dos tempos da formação inicial ou da profissionalização.

Este ano não é excepção e receberam-se os “Princípios Orientadores para uma Avaliação Pedagógica em Ensino a Distância (E@D)” e lá temos direito a mais uma lição dos especialistas em avaliação do Ministério da Educação, mesmo se raramente deram aulas nos contextos acerca do quais dissertam. 

O Triunfo Do “Mais Com Menos”

Façam fila, @s do costume, para colherem os louros das suas políticas. E podem reunir a tertúlia e dar muitas palmadinhas nas costas, entre amigos que se respeitam. E continuar a dizer que a Educação em Portugal precisa de mais e mais reformas, que é um nicho de negócio político próspero há décadas.

Portugal foi o único país da OCDE onde o desempenho dos alunos melhorou de forma significativa

Há, no entanto, dados em que o desempenho do país não é tão positivo. Portugal aparece em terceiro lugar na lista de países com mais falta de recursos humanos no ensino público.

Entradas No Ensino Superior

Subiram médias, subiu o número de entradas, até parece que a pandemia trouxe um bodo generalizado, sem ser necessário fazer mais do que retocar vagas e descontar as perguntas erradas nos exames do Secundário. Se este ano for o mesmo, aposto que já ninguém fala em “mudar o paradigma de acesso ao Ensino Superior”. Ontem à noite, um senhor que lamento não ter reconhecido (mas mudei rapidamente, porque era monocórdico na forma e chato no conteúdo) revelava apenas que o modelo remoto tinha vindo para ficar no Ensino Superior. Até ao 12º ano parece que é horrível, mas é só chegar à Universidade e torna-se maravilhoso. É bem verdade que se torna mais barato para as instituições…

 

Dias De Maravilhas Sem Fim

Cento e quarenta dias depois, nenhum óbito atribuído à covid-19. Cinco anos após sair sem o último salário e com a acusação de ser ladrão e traidor, Jesus regressa para unir a nação benfiquista. Nos exames nacionais, houve cascatas de 20’s em algumas disciplinas. Não há pandemia que nos faça parar…

Majestic sunset in the mountains landscape. HDR image

(só se for uma maquineta no meio da linha… mas isso agora não interessa nada…)

O Segredo Do Sucesso

Está em não contar com a maioria das respostas erradas. Eu sei que as circunstâncias justificam a metodologia… resta saber se veio para ficar.

Médias dos exames nacionais subiram até três valores

Só Português escapa a um aumento superior ao habitual das notas da 1.ª fase das provas nacionais. Regras especiais implementadas por causa da pandemia justificam os resultados.

As notas da 1.ª fase dos exames nacionais do ensino secundário melhoraram em praticamente todas as matérias. As médias sobem até 3,3 valores em disciplinas como Biologia e Geologia, a prova que teve mais inscritos neste ano, ou Geografia A. Também Física e Química (mais 2,2 valores na média) e Matemática A (mais 1,8) têm resultados bastante superiores ao habitual nos anos anteriores. Apenas a Português a média tem uma variação mais próximo do que é habitual, crescendo 0,2 valores.

Birds

O Faroeste Do Secundário

Os relatos que me chegam de muitos conselhos de turma desta semana são pavorosos, como se a situação de pandemia justificasse tudo e mais alguma coisa. A casta que já antes estava instalada, de gente que acha que sabe muito porque até fez esta ou aquela formação oficial em estudos bíblicos, tomou o gosto pelo poder e decide o que bem entende, atropelando qualquer critério ou procedimento em vigor, sempre “em nome do interesse dos alunos”. Quem antes não fazia nada passou a ter direito a 10 automático; quem pouco ou nada fez, apenas demonstrando existir passou a ter direito a 14, porque certas auto-proclamad@s madresteresas ou mandelas de agrupamento ou escola não agrupada passaram a ter poder de mando sobre quase tudo e não hesitam em atropelar o que lhes parece a mais ténue desconformidade em relação às suas crenças míopes e tantas vezes medíocres. Que conseguem fazer vencer na base de uma variante nada soft de bullying.

Ainda bem que sou “básico”.

E isto é já o futuro.

Shame