Mas Ele Tinha Explicado Orgulhosamente Como Tudo Estava A Ser Feito

Não há forma de se ter os nossos dados “seguros” nos tempos que correm, a menos que não nos liguemos à net, não tenhamos cartões de débito e crédito ou qualquer relação com o fisco, segurança social, etc, etc. O “segredo” é saber isso, ter consciência do que fica disponível para outros acederem, por mais que nos digam que as nossas contas são seguras, deixarmos umas pistas erradas ou irrelevantes nos nossos perfis de utilizadores e detectarmos quando nos estão a servir aquilo que pensam que queremos, mas que no fundo é o que querem que queiramos.

Felicidades

Li há pouco, no mural de uma “rede social” de um amigo que gosto de seguir e ler sabendo a enorme discordância que nos divide neste momento, o quanto algumas pessoas estão extremamente felizes com o estado da Educação e a situação das escolas no presente. Congratulam-se efusivamente pelas suas reformas, pelo triunfo das suas ideias e do seu modelo/paradigma. Eu compreendo essa felicidade, a dos vencedores, a dos que sentem que conseguiram impor as suas crenças. O que acho curioso é que lhes desagrada imenso as críticas que destacam o que se passa de mal nas escolas (como se fosse tudo mentira) e o modo como criticam quem foge da cartilha dominante. Afinal, a tolerância com as opiniões divergentes é mais fácil de enunciar do que de praticar. E não é de espantar que muitas dessas pessoas estejam mais próximas da formação doutrinária (claro que estimo mais a opinião de um certo presidente de assembleia municipal, doutorado em fretes políticos) do que do quotidiano escolar completo e repleto. Claro que as há em exercício, mas a riqueza de espírito não é para todos nós.

 

Num Concelho Cor-de-Rosa Perto de Si/Mim…

… o autarca presidente garante que em novo mandato do seu governo, qualquer escolha de director@ terá de passar por ele, pois não quer ver um@ desconhecida a gerir-lhe os milhões. E depois será o pessoal docente. Tudo garantido informalmente por quem já decidiu o futuro, muito em especial em caso de maioria sem muletas ou com muleta central que concorda com a extinção de qualquer réstia de gestão escolar democrática ou “basista”. E depois “reconfigura-se” a rede escolar e é melhor nem entrarmos por aí, porque não há nada como engenheiros a racionalizar-nos a oferta/procura.

E se isto é assim por ali, dificilmente será diferente em outros bastiões. Qualquer ilusão vaga de reversão do modelo de gestão escolar está defunto. Daqui a 3-5 anos as actuais escolas-sede parecer-se-ão com as actuais escolas não-sede, terão uma espécie de coordenador@ com título talvez ainda de “director@”, mas a reportar tudo `autarquia-sede. Daí para baixo será o aperrear da cadeira hierárquica de submissão. Os Conselhos Municipais serão de legitimação e os Conselhos Gerais tenderão para a extinção, real ou simbólica.

Claro que isto está previsto desde 2008 ou mesmo antes e tem a colaboração activa do centrão e o colaboracionismo dos radicais (ainda) com poderes municipais significativos. E tudo o que disserem em contrário, será em modelo de verdade à pimentamachado (recordam-se?), um grande visionário da pós-verdade.

arreatasolacromooleada

A Ideia É Lerem E Ficarem Assustad@s

Se não ficarem, ou pelo menos sem uma ponta de indignação e menor fascínio pelo zingarelho de que tanto se orgulham de ter nas mãos…

Mas eu continuo a dizer… temei mais o controlo de proximidade… porque é mais mesquinho. O Big Data é, tantas vezes, um monstro perigoso mas pouco perspicaz.

5 Eyes, 9 Eyes, 14 Eyes – Explained

5-Eyes-9-Eyes-14-Eyes-3

Alunos de Baixo Valor Unitário

Conceito a desenvolver um destes dias, relacionando o ideal da Educação Low Cost iniciado nos tempos de MLR, continuado com o “mais com menos” de Crato/Passos Coelho e em completo apogeu com os 3 C’s (Costa/Centeno/Cost). Infelizmente, com o apoio da Inclusão New Style para diminuir os custos com os alunos mais vulneráveis, mas trabalhosos.