Sábado

Como seria de esperar, aquilo dos 60 anos sem aulas já tem “especificações”. Apenas para o 1º ciclo e pré-escolar. Tudo bem, mesmo que seja só assim, até será melhor do que nada. Mas… quer-me parecer que em breve se saberá que será para apenas para quem tenha 60 anos, 55 de carreira, pé boto, olho esquerdo vesgo, três dedos na mão direita e quatro no pé esquerdo e um poster da ministra Alexandra Leitão na revista Super Pop de Agosto de 1995.

Superpop

6ª Feira

É sempre preciso ter em conta que não estamos a lidar com gente séria. Não é “populismo” ou “demagogia” denunciar a “elite” política, em particular a que governa de forma formal ou informal, por se ter tornado essencialmente desonesta. Hoje é dia de apresentar como uma espécie de dádiva o descongelamento de carreiras e as progressões que daí resultaram. O que o Tribunal Constitucional, embora de forma timorata, considerou ilegal e apenas admissível de forma temporária, parece ter sido interiorizado por alguma comunicação social como sendo algo “normal”. E a classe política cavalga isso para dar a entender que os professores terão progredido nos últimos anos graças à sua enorme generosidade.

Chegaram 6000 ao topo da carreira? Mas ganham menos, agora, em termos líquidos, no índice 370, do que há quinze no 340. E de acordo com as regras do ECD, legislado pela “reitora” que recusou fazer a sua add, muitos mais ficaram barrados de lá chegar. Progrediram 45.000? Acredito. Mas deveriam ter sido muito mais e, em vez de um ou dois escalões, deveriam ter progredido três ou quatro.

Ok… noticiam-se “factos”. Pena que se transmita a sensação de isto serem “benesses” ou mesmo “conquistas” quando não passa da tentativa de legitimar os danos causados e as graves perdas verificadas.

Pura e simples bullshit.

Turd

A Tentar Arrepiar Caminho?

O que seria uma boa decisão, a aceitar sem reservas, no actual contexto pode agravar a situação de escassez de docentes em alguns grupos disciplinares.

É o risco de governar na base da incoerência, reagindo aos fenómenos apenas quando eles chegam em força à comunicação social e não quando a onda se está a formar.

Esta medida poderia (e deveria) ter sido colocada em prática – sem os truques de última hora que costumam surgir quase sempre nestes casos – há alguns anos, evitando o esgotamento de uns, o abandono de outros e ainda a desistência de muitos “novos”.

O Ministério da Educação (ME) admite que os professores com mais de 60 anos possam, se assim quiserem, deixar de dar aulas e passar a desempenhar outras actividades nas escolas.

Colocando as coisas de forma clara, nos últimos 15 anos, o PS governou a Educação em mais de 10 e tomou medidas activas que agravaram o que agora se diz querer resolver.

Antes tarde do que nunca?

Confesso já não ter em mim a caridade indispensável para dar o benefício da dúvida a gente que considero ter agido anos a fio com má-fé.

clown

6ª Feira

Ando a embirrar solenemente com o termo “sustentabilidade”. Não é estado d’alma novo, mas agravou-se desde que os spin doctors do actual PM decidiram que era muito “esperto” associar “sustentabilidade orçamental” e “sustentabilidade ambiental” para justificar a não redução da carga fiscal sobre os combustíveis a água e o gás, como se o pessoal passasse a fazer menor refeições a tomar menos banhos e a ir para a cama com as galinhas (salvo seja) por causa disso e assim salvássemos o planeta, quando os grandes consumidores têm os benefícios negados aos pequenos. Pior… se é verdade que cada vez mais electricidade é produzida por meios “sustentáveis” (energia solar ou eólica, por exemplo), o argumento ainda se torna mais hipócrita.

Parole

O Bloco Em Bicos De Pés

Isto de um tipo ouvir rádio enquanto conduz e gostar de saber algumas notícias faz com que se apanhe também com “debates” no Parlamento. Hoje, depois de mudar de estação perante o risco de regurgitar durante a intervenção da Ana Catarina Mendes, regressei e apanhei uma parte da outra Catarina (a Martins) a explicar ao povo tudo o que o Bloco arrancou em negociações de véspera à ortodoxia orçamental, como explicação para a abstenção. Mas, depois de somar aquilo tudo, pareceu-me um pacote de amendoins sem sal. Nem sequer beliscam os 250 milhões não orçamentados com as receitas fiscais das progressões na administração pública.

peaners

 

2ª Feira

Foi interessante ouvir na TSF a notícia sobre o modo como o génio Centeno de Harvard y Eurogrupo preparou o orçamento, escondendo a receita gerada pelos aumentos dos funcionários públicos. E ainda mais ter o especialista em salgados económicos, João Duque, a esclarecer que os aumentos de despesa com aumentos salariais geram um aumento da receita fiscal. É curioso que durante a questão da recuperação de tempo de serviços dos professores tamanha perspicácia não estivesse disponível.

centeno

A Mim Parece…

… que há uma enorme encenação em torno de eventuais discórdias entre Costa e Centeno, sejam europeias ou nacionais. No fundo, é a velha estratégia do polícia bom e do polícia mau, sendo que o nosso PM gosta sempre de ficar a encher a fotografia do lado “certo”, enquanto o Ronaldo das Finanças prefere mostrar-se como o grande moralizador dos gastos da Nação e ganhar “prestígio internacional”. Podia ter sido ministro durante a troika, que pouco teria sido diferente, tirando a paz das “esquerdas” durante quatro anos.

O resto do governo não passa de um grupo de ajudantes, excepto algumas figuras com mais “peso político”, mas que andam em  pastas com poucos gastos como o S. S. ou então é o secretário com o apelido bom que tem muitas verbas europeias com autorização para distribuir pelo país. Já a ministra da Saúde fotografa bem quando anuncia milhões para pagar as dívidas do passado como se fossem investimentos para o futuro.

Tudo o mais não passa de fumaça para consumir papel (cada vez menos) e horas de tédio analítico televisivo.

spin