Por Uma Avaliação a Sério do Desempenho Jornalístico – 3

Eu sei que os gurus mediáticos dizem que estamos num “novo paradigma” e que agora é o online que conta, mais as “plataformas digitais”. Mas nem tudo explica a incapacidade de alguns gestores do jornalismo que dizem ser jornalistas mas só produzem opinião enviesada para ultrapassarem o declínio. O relatório do Obercom que referi em post anterior é claro sobre a forma como avalia a fase do processo em que se encontra essa transição de “paradigma”.

Obercom9aObercom9b

Mas passemos aos indicadores sobre o enorme mérito de quem dirige os “projectos” que se dizem “jornalísticos” entre nós.

Circulação impressa paga entre 2008 e 2015: perdas acima dos 36%.

Obercom1

Vejamos os números por título. O Expresso tem perdas de 35%. O Público desce para menos de metade (48,3%) do que era. O Diário de Notícias para pouco mais de um terço do que era (circulação em 2015 representa apenas 34% da de 2008). No mesmo grupo, o Jornal de Notícias fica um pouco acima dos 50%. Até o Correio da Manhã perde circulação, embora apenas na ordem dos 10%.

Obercom2

Veja-se a descida no indicador da eficiência:

Obercom3

Veja-se como a evolução é pior entre o sector dos jornais económicos, dos semanários e diários de informação geral.

Obercom5

Isto é apenas o resultado da crise? Pode ser. E pode não ser. O que é interessante é que, mesmo com crise, pediu-se sempre às escolas e aos professores que fizessem mais (sucesso) com menos (meios), mas essa lógica perde-se em outros “ambientes”, onde qualquer camilolourenço despeja sentenças como se de desarranjo opinativo se tratasse.

Se eu gosto que isto aconteça? Não, porque fragiliza a imprensa livre e torna-a ainda mais refém de interesses exógenos ao jornalismo… só que seria bom estudar se isto é apenas a tal mudança de paradigma se é algo mais profundo e que passa por uma crescente perda de confiança. Se as coisas não pioraram mais com a percepção dos leitores de que a informação estava progressivamente “contaminada”. 

Quanto ao desvio das verbas da publicidade (a composição desta publicidade por órgão de informação seria uma investigação muito, muito interessante, para se perceber quem ganhou e muito com pêtês, édêpês, bes, galpes e etc) para outros meios, vejamos a informação disponível desde 2004:

Obercom7

É fácil perceber que a redução na imprensa é muito superior ao que é investido na internet e, mais relevante, a fatia da imprensa desce de 27,4% para 14,4% do total (o que é uma evolução independente da contracção do investimento publicitário). E a aposta nas plataformas digitais não sei até que ponto não terá já atingido alguma estagnação, pois parece ter mesmo entrado em quebra desde 2013.

Obercom11

Obercom8

Não sei se isto explica uma enorme acrimónia em relação ao resto do mundo, mas não me parece razoável que explique tanta sanha anti-professores na orientação editorial mais recente da generalidade destes órgãos de informação, com destaque para alguns dos seus principais vultos directivos (o Observador é um caso particular, por ser recente e não ter edição em papel que nos permita fazer comparações).

O que isto me transmite é a necessidade da gestão do jornalismo impresso entre nós se repensar, ao nível da avaliação do seu próprio desempenho, antes de começar a largar bitaites sobre tudo e nada, como se soubessem alguma coisa acerca daquilo de que notoriamente não percebem.

Quanto dizem (os baldaias, os dinis, os fernandes, as garridos, os tavares e tantos outros espalhados pela imprensa que se gostaria que fosse séria, rigorosa e não preconceituosa) que os professores fogem à avaliação pelo mérito e progridem “automaticamente”, o que poderíamos nós dizer tendo em atenção estes números e o facto de vermos sempre as mesmas caras a rodar de cadeiras e a aparecer nas televisões como se fossem portadores de um qualquer conhecimento acima do comum dos mortais?

Já pensaram aplicá-lo na vossa própria actividade/casa?

bla bla bla

(e se o grande argumento é que nada disto é com “dinheiros públicos”, talvez fosse boa ideia ir lá atrás à tal publicidade que era feita a empresas com capital público maioritário e já nem falo na preparação das privatizações…)

3 thoughts on “Por Uma Avaliação a Sério do Desempenho Jornalístico – 3

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.